Procure no JP

terça-feira, 25 de março de 2014

Jogo fraco e empate sem gols entre São José e São Caetano

Fala pessoal!

A rodada futebolística do fim de semana foi finalizada com uma surreal sessão vespertina em Jacareí para conferir de perto um dos capítulos finais da via-crucis do São José no Campeonato Paulista da Série A2. A Águia recebeu o ameaçado São Caetano em busca de uma improvável salvação. O palco foi o Estádio Stavros Papadopoulos.

Fazendo uma das piores temporadas da história do clube, a campanha do vice-campeão paulista de 1989 - 36º time a ver in loco dos 40 que jogam a A2 e A3 - é resultado direto de vários fatores. Primeiro, o time não teve como jogar no Martins Pereira em virtude do estádio joseense estar em reformas (poucas vezes um estádio fez tanta falta). Depois, e numa escala de importância bem maior, inúmeros problemas políticos despedaçaram a chance de uma boa performance antes mesmo do certame começar.


São José EC - São José dos Campos/SP. Foto: Fernando Martinez.

O adversário da Águia foi o Azulão, outra equipe que faz uma campanha extremanente decepcionante nessa A2. Desde meados dos anos 90 o time do ABC não fazia um campeonato tão ruim. O time luta arduamente contra o rebaixamento para a A3, certame que não disputa desde 1998. Jogando contra o lanterna, o São Caetano pensava somente nos três pontos.


AD São Caetano - São Caetano do Sul/SP. Foto: Fernando Martinez.

Para chegar a tempo de ver esse duelo na íntegra fui obrigado a pegar o ônibus das 12h30 no terminal Tietê, o último que me levaria até a cidade do Vale do Paraíba no horário certo. Cheguei na rodoviária da cidade pouco antes das duas da tarde e dali resolvi pegar um táxi até o estádio, na minha terceira partida ali até hoje (a primeira foi em 2006 num Jacareí x Comercial de Tietê pelo sub20 e a segunda em 2011 num jogo do JAC contra o Bernô).


Raro ataque do São José no início do jogo. Foto: Fernando Martinez.

Muito diferente do que vi no sábado, o clima da partida era de fim de feira. O público pagante foi de 190 testemunhas e o tempo nublado deu o toque melancólico que faltava para completar o ambiente depressivo. Dentro de campo, o limitadíssimo elenco do São José não foi capaz de melhorar muito as coisas. O São Caetano foi superior durante os 90 minutos.



Detalhe de um dos gols perdidos mais surreais da tarde. Após dar um chapéu no arqueiro Júnior, o atleta do Azulão chutou para fora com o gol aberto. Fotos: Fernando Martinez.

O único "problema" foi que a péssima pontaria dos jogadores do time atrapalhou os planos de vitória do Azulão. Como aconteceu várias vezes na disputa dessa A2, a inoperância ofensiva de um dos piores ataques do certame foi assustadora. A equipe criou um sem número de oportunidades de todas as cores e sabores, mas uma a uma elas foram inapelavelmente jogadas no lixo.


Arquibancada oposta do Stavros Papadopoulos praticamente vazia. Foto: Fernando Martinez.


Boa saída do goleiro da Águia. Foto: Fernando Martinez.

Nas poucas vezes que os atletas acertavam o gol, quem apereceu foi Júnior, goleiro do São José. No primeiro tempo ele fez três defesas sensacionais e impediu o gol visitante. Na etapa final o panorama continuou o mesmo: São Caetano na base do abafa e a Águia se segurando na defesa e criando pouco no ataque.


Zaga local afastando o perigo. Foto: Fernando Martinez.

A melhor chance de gol do time da Grande São Paulo foi numa cobrança de falta que encontrou a trave com o arqueiro "local" vendido no lance. No mais, mais uma série de gols desperdiçados e uma peleja que terminou como começou.


Cobrança de falta para o São José. Foto: Fernando Martinez.


Bola perigosamente rondando a área do time de São José dos Campos. Foto: Fernando Martinez.

O placar final de São José 0-0 São Caetano não foi bom para nenhum dos dois times. A Águia continuou na lanterna e é virtual rebaixada para a A3 do ano que vem, enquanto o time do ABC permanece perigosamente flertando com a zona de rebaixamento. Triste realidade para uma equipe que alçou voos tão altos tempos atrás.

Já estava meio cabreiro com o placar sem gols e para coroar a tarde a volta para a capital bandeirante foi infernal. Primeiro fiquei mais de uma hora no ponto de ônibus que fica na porta do estádio aguardando a boa vontade do coletivo que leva até a rodoviáriar. Depois, os pouco mais de 80 quilômetros entre as duas cidades foram percorridos ao lado de um funkeiro e seu potente aparelho de som. Uma maravilha, mas mesmo assim valeu demais essa jornada...

Até a próxima!

Fernando

2 comentários:

  1. sr. Fernando o senhor falou que já viu 36 clubes so faltam 4 3 já sei que faltam batatais, são carlos e tupa e o 4 qual e. me responda . sr fernado vocês fizeram o jjogo do Juventus e são carlos, Juventus e internacional de limeira, são jose dos campos e tupa em são brnardo. gostaria de saber. me responda urgente. 4 de abril de 2014.

    ResponderExcluir
  2. sr. Fernando contei quantos clubes da a2 e a3 2014 o sr . fez. o sr falou que são 36 mais não e 36 e sim 37 clubes faltam 3 clubes para completar 40 são eles são carlos, tupa e batatais. ve se vocês conseguem fazer a 2 divisão mostrando os 39 clubes 2014.aguardo. uma resposta vocês vao fazer os jogos do batatais, são carlos e tupas.

    ResponderExcluir