Procure no JP

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Ferroviária domina mas não vence o ex-líder São Bento em Sorocaba

Opa,

A rodada noturna da quarta-feira passada foi recheada de história, com o JP marcando presença num confronto muito tradicional do estado. No Estádio Wálter Ribeiro, o líder São Bento de Sorocaba recebeu a Ferroviária de Araraquara, em jogo da 10ª rodada do Campeonato Paulista da Série A2.

De 1963 até 1990, os dois times se encontraram mais de 50 vezes em pelejas pela principal divisão do paulistão, mas desde com o rebaixamento dos dois - o Azulão em 1991 e a Locomotiva em 1996 - os confrontos ficaram mais escassos. Apenas por seis vezes eles jogaram entre si nas divisões de acesso de São Paulo, a última em março de 2009. Juntando outros campeonatos, o número de jogos chega quase a 90.


EC São Bento - Sorocaba/SP. Foto: Fernando Martinez.


Ferroviária F S/A - Araraquara/SP. Foto: Fernando Martinez.

E ostentando uma campanha com sete vitórias e duas derrotas, o onze sorocabano era o líder da A2 antes dessa rodada, buscando voltar para a A1, divisão que disputou apenas duas vezes nesse século. A fiel torcida da cidade sabe que o momento é histórico e mais de três mil pessoas pagaram o ingresso (bem caro, por sinal) para tentar ver a quinta vitória no quinto jogo em casa.


O árbitro Luiz Carlos Ramos Júnior, os assistentes Ricardo Ferreira da Cruz e Leandra Aires Cossette, o quarto árbitro Ilton Aguari e os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Só que apesar da apenas modesta campanha, a Ferroviária foi quem deu as cartas durante os 90 minutos. O São Bento não foi nem sombra do time que chegou ao primeiro lugar do certame e não conseguiu criar absolutamente nenhuma chance clara de gol durante toda a peleja. Além disso, foi dominado inapelavelmente.


Bola alçada na área da Ferroviária. Foto: Fernando Martinez.


O pessoal do São Bento pediu pênalti, que não houve, nesse lance. Foto: Fernando Martinez.

Por sorte, a inoperância do Bentão não atingiu o goleiro Ronaldo. Não é comum ver uma atuação tão brilhante de um camisa 1 como a de quarta-feira. Wílson Júnior, rápido atacante do time grená, infernizou o setor defensivo local e obrigou o arqueiro a fazer três defesas simplesmente sensacionais durante o tempo inicial.


Escanteio para os donos da casa e o bom público presente no Wálter Ribeiro. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola no meio-campo. Foto: Fernando Martinez.

O lance mais plástico porém aconteceu no segundo tempo. Mílton Júnior apareceu livre pela esquerda aos 10 minutos e chutou. Ronaldo fez uma defesa absurda à queima-roupa. O rebote caiu novamente nos pés de Mílton, que chutou para novo milagre do camisa 1. Depois desse lance, ficou claro que não teríamos gols em Sorocaba.


Mais uma vez a bola passeando sem rumo pela área da Locomotiva. Foto: Fernando Martinez.


Cruzamento dentro da área do time visitante. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo com a boa campanha, os torcedores que foram ao Wálter Ribeiro não perdoaram e vaias foram ouvidas quando o árbitro terminou a partida com o placar de São Bento 0-0 Ferroviária. Esse foi o primeiro 0x0 do duelo válido por paulistas em 30 anos. Foi também o terceiro jogo seguido que vi do onze araraquarense na A2 em que o gol não saiu (em 2012 contra o Audax e ano passado contra o São José).

A volta foi feita na paz, com o trio que foi até Sorocaba - eu, seu Natal e o amigo Colucci - fazendo aquela famosa parada estratégica num restaurante português da Castelo Branco para nos abastecermos com inúmeros Pastéis de Belém. O futebol voltou com mais uma rodada dupla sensacional no sábado de Carnaval.

Até lá!

Fernando

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Juventus sofre empate no fim e continua sem vencer na Javari

Fala pessoal!

Às vésperas de outro carnaval, consegui armar mais uma rodada dupla de futebol aqui para o JP. A parada começou com um Juventus x Francana no Estádio Conde Rodolfo Crespi, em jogo válido pela 8ª rodada do Campeonato Paulista da Série A3.

Assim como fiz em 2014, estou seguindo a ferro e fogo um cronograma montado antes do começo das divisões de acesso do estado em que pretendo assistir in loco cada um dos 40 times que disputam a A2 e A3. Não será fácil fechar a coleção, mas ainda dá. A Feiticeira foi a 25ª equipe a entrar nessa listinha.


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


AA Francana - Franca/SP. Foto: Fernando Martinez.

Embora não sejam tão rivais assim, esse foi o 20º confronto entre os dois na histórias de todas as divisões do paulista e o time grená tem ampla vantagem somando nove vitórias, sete empates e apenas três derrotas. Mas nenhum desses teve a importância dos dois compromissos válidos pelo quadrangular final da Série C de 1997. O Moleque Travesso - que sagrou-se vice-campeão daquele certame - venceu no Parque Antarctica por 2x1 e depois perdeu por 1x0 no Lancha Filho.


Capitães de Juventus, Francana e trio de arbitragem da partida com o árbitro Rogerio Gustavo Garcia e os assistentes Luiz Alberto Nogueira e Osvaldo Apipe Filho. Foto: Fernando Martinez.

Hoje o panorama do jogo é bem diferente de quando jogaram pela principal divisão do estado de 1978 até 1982. Ambos fazem campanhas muito abaixo do esperado e estão próximos demais da zona de rebaixamento. Sem vencer em casa, os grenás queriam aproveitar o baixo rendimento da Francana para quebrarem essa incômoda marca.


Falta para a Francana no começo da partida. Foto: Fernando Martinez.

Mas infelizmente para a torcida paulistana o time não foi nem sombra do que jogou na quarta anterior contra o Rio Preto. O futebol, principalmente no tempo inicial, foi fraco demais. Mesmo assim, o Juventus foi melhor e chegou perto do gol da equipe visitante por duas vezes.


Boa chance grená pelo alto. Foto: Fernando Martinez.

No tempo final a Francana voltou dormindo e aos 13 minutos os grenás conseguiram tirar o zero do marcador. Nathan chutou forte pela esquerda e Renato apareceu sozinho no segundo pau para completar para o fundo do gol.


Renato saindo para comemorar o primeiro gol juventino contra a Feiticeira. Foto: Fernando Martinez.

Os locais prosseguiram durante toda a etapa final melhores do que a Feiticeira, mas com aquele crônico problema de desperdiçarem chances demais. Após o trigésimo minuto o jogo foi seguindo em banho-maria.


Atacante local encarando a marcação da Francana. Foto: Fernando Martinez.

Quando todo mundo já contava com os três pontos para os grenás, a decepção. Num vacilo coletivo absurdo do setor defensivo local, Heitor se aproveitou de bola alçada na área e cabeceou para marcar o tento de empate para a centenária equipe do interior.


Outra oportunidade para o segundo desperdiçada no tempo final. Foto: Fernando Martinez.

Essa bobeada (mais uma) aos 41 do segundo tempo fez com que o jogo terminasse em Juventus 1-1 Francana: o quinto jogo seguido do time paulistano em casa sem vitória em 2014. Somando a campanha vexatória na A2 de 2013, já são 10 partidas seguidas na Rua Javari sem vitória grená pelo estadual. A última foi dia 13 de fevereiro do ano passado num 3x1 contra a Santacruzense.

Sem tempo para embaço, saí correndo do estádio e, junto com o seu Natal e o Colucci, pegamos a estrada de tijolos amarelos para minha primeira peleja na cidade de Sorocaba no ano. Tinha jogo recheado de história no Wálter Ribeiro.

Até lá!

Fernando

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Jogo perdidaço no ABC e vitória da Garça contra o Catanduvense

Fala, pessoal!

A sessão futebolística da tarde do domingo reservou um daqueles jogos (muito) perdidos que achamos o máximo. Depois de mandar partidas em São Bernardo do Campo, Taubaté e Jacareí, o Guaratinguetá desembarcou no Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul para jogar contra o Catanduvense em jogo válido pela 9ª rodada do Campeonato Paulista da Série A2.

Ainda um mistério para muitos, fomos tentar saber o real motivo da Garça estar jogando fora do Dario Rodrigues Leite e a resposta oficial foi surreal. Pouco antes do início do certame alguém invadiu o estádio e praticamente estragou todo o gramado, deixando o mesmo impraticável e fazendo com que o time se desdobrasse para arranjar um novo local para realizar seus compromissos na A2. Bizarro...


Guaratinguetá FL - Guaratinguetá/SP. Foto: Fernando Martinez.


G Catanduvense de F - Catanduva/SP. Foto: Fernando Martinez.

Isso nem afetou tanto a equipe, pois nos quatro jogos realizados como mandante o Guará não perdeu, somando três empates e uma vitória. Para esse último compromisso longe de seu lar - o próximo jogo já será no Ninho da Garça - a esperança era vencer para sair de perto da zona de rebaixamento, lugar também ocupado pelo onze de Catanduva.


Trio de arbitragem com Eduardo Pereira de Araujo, Eduardo de Souza Neto e Vladimir Nunes da Silva junto aos capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

Quem passou nas redondezas do Anacleto não imaginava que uma partida de futebol iria acontecer ali. Pouquíssimas pessoas perambulavam pelo local, dando ares óbvios de um genial jogo-fantasma. Ainda assim o público oficial foi de 79 pagantes, um assombro. Entre eles, os amigos Mílton e Luiz.


Bola na trave do Catanduvense no começo da partida. Foto: Fernando Martinez.

Apesar de tudo vimos uma partida razoável em São Caetano do Sul, principalmente no tempo inicial. O Guará começou com tudo e marcou o primeiro gol logo aos 7 minutos, num polêmico e contestado lance.


Início da jogada do gol do Guará. Foto: Fernando Martinez.


Zagueiro do time visitante se antecipando para fazer o desarme. Foto: Fernando Martinez.

Tudo começou num escanteio pela esquerda. A pelota foi tocada no meio da área e iria sair sem destino pela linha de fundo. O camisa 9 salvou a jogada em cima da linha e escorou para o meio da área. Clayton, livre de marcação, apareceu para deixar o Guará em vantagem. A zaga visitante reclamou demais, pedindo saída de bola pela linha de fundo. Mesmo após muita reclamação, o tento foi confirmado.


Ataque da Garça pela esquerda no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.


Jogadores se esforçando para chegar na pelota. Foto: Fernando Martinez.

O jogo seguiu em bom nível e com ataques perigosos dos dois lados. Os arqueiros trabalharam bastante e impediram que o marcador fosse alterado no tempo inicial. No segundo tempo o jogo caiu de ritmo. Não que tenha ficado ruim, mas já não rolou tanta inspiração por parte dos atacantes.


Ataque "local" no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

No fim o placar final acabou sendo o mesmo do primeiro tempo: Guaratinguetá 1-0 Catanduvense. Se não apresentou um futebol brilhante, pelo menos a Garça continuou invicta "em casa" e teve um pequeno sopro de alívio na luta contra o rebaixamento. Já o time da Cidade Feitiço continua sofrendo e é um dos candidatos à queda.


Boa saída do arqueiro do time azul e branco no fim do jogo. Foto: Fernando Martinez.


No desespero, todo mundo do Catanduvense foi para a área do Guará tentar o gol no fim da peleja. Foto: Fernando Martinez.

Sem pressa e na boa, voltei para a capital num raro combo de sorte no ônibus intermunicipal e no trem, chegando em casa menos de uma hora depois do apito final. No frenético cronograma pessoal de pelejas, o futebol voltou à mil no meio de semana, com mais um jogo na Javari e com líder da A2 na pauta.

Até lá!

Fernando

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Água Santa derrota o América no Distrital do Inamar

Fala, pessoal!

Sem futebol no sábado, a cobertura do JP nesse final de semana se resumiu a uma bela rodada dupla no domingo. A jornada começou cedo na cidade de Diadema, na minha primeira visita no Estádio Distrial do Inamar num jogo profissional. Em campo, o "novato" Água Santa recebeu o tradicionalíssimo América de São José do Rio Preto.


EC Água Santa - Diadema/SP. Foto: Fernando Martinez.


América FC - São José do Rio Preto/SP. Foto: Fernando Martinez.

Apenas uma vez tinha visto um jogo ali, ainda nos tempos em que o Água Santa perambulava pelo futebol amador, e posso dizer que o local mudou completamente. Atrás do gol dos fundos agora existe uma arquibancada tubular e entrada para a torcida visitante. Além disso, a arquibancada principal hoje é gigantesca, bem diferente da antiga, que tinha apenas quatro degraus. Apesar de pequenos, o estádio agora também tem cabine de imprensa e camarote para autoridades.


Grande arquibancada do Estádio Municipal José Batista Pereira Fernandes, o popular Distrital do Inamar. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo com todas essas reformas, o local tem passado por problemas de liberação. A estreia do time na A3 foi cancelada de última hora a pedido do Ministério Público e somente na quarta rodada o onze diademense fez seu primeiro jogo ali (um 0x0 contra o Sertãozinho). Para esse segundo compromisso no Inamar, a equipe queria aproveitar o bom momento vivido com a conquista de quatro pontos contra São José FC e Independente longe dos seus domínios.

Pelos lados do América, um dos mais tradicionais times do estado e que se salvou do rebaixamento ano passado no crepúsculo da primeira fase, a campanha ainda tem sido irregular e o time vinha de derrota no clássico de São José do Rio Preto na rodada anterior.


Um bom público acompanhou o jogo entre Água Santa e América. Foto: Fernando Martinez.

Sob um sol bem forte, o primeiro tempo teve um Água Santa com mais posse de bola e com mais presença de área. Só que as finalizações foram todas para fora. Nas poucas vezes em que o chute ao gol saía certinho, o arqueiro visitante Kewin mostrava serviço.


Boa defesa do goleiro Kewin. Foto: Fernando Martinez.


A zaga americana trabalhou bem durante o tempo final. Foto: Fernando Martinez.

Aos poucos, o América foi se soltando e aproveitando os espaços da zaga local. Aos 20 minutos, depois de escanteio da direita, o camisa 9 Jales apareceu livre entre os zagueiros e cabeceou firme para deixar o alvirrubro em vantagem. O Água chegou próximo do empate, mas no intervalo o pequeno, mas eficiente, placar do Distrital do Inamar ainda apontava a vitória parcial do Diabo.


Detalhe do gol de Jales, o primeiro do América. Foto: Fernando Martinez.


Cruzamento dentro da área visitante no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo o cenário permaneceu o mesmo, com o Água tendo maior domínio territorial e o América assustando nos contra-ataques. A diferença crucial foi que as finalizações locais melhoraram muito. E para a festa do ótimo público que foi ao Inamar, o Água Santa conseguiu deixar tudo igual aos 26 minutos com o gol de Diego Araújo após chute forte da entrada da área. Tudo bem que o arqueiro americano deu um auxílio luxuoso (viva os anos 80!), mas o gol vale mesmo assim.


O primeiro gol do Água, marcado por Diego Araújo, contou com a coleboração de Kewin. Foto: Fernando Martinez.

Animados e empurrados pela torcida, o time da casa conseguiu virar o placar quatro minutos depois, com mais um belo chute da entrada da área, agora do camisa 11 Danilo. No restante do tempo final o América se lançou ao ataque e por pouco não deixou novamente tudo igual, mas esbarrou na atuação segura da zaga do time de Diadema.


Chute que originou o segundo gol do time de Diadema. No alto da imagem, os camarotes particulares do Inamar. Foto: Fernando Martinez.


Chegada local pela direita. Foto: Fernando Martinez.

No fim, o marcador ficou em Água Santa 2-1 América, a segunda vitória diademense e a primeira dentro do seu estádio na Série A3. Nesse perde e ganha que vem marcando as divisões de acesso do estado, muito ainda irá mudar na tábua de classificação.


Humilde, mas bastante eficiente, placar do Inamar mostrando o placar final da peleja. Foto: Fernando Martinez.

Saí do estádio contando com a carona do seu Natal e a companhia do amigo Renato a caminho ao centro de São Paulo. Após um bom almoço natural, peguei o trem com destino ao ABC paulista para um daqueles jogos completamente perdidos.

Até lá!

Fernando

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Jogaço na Javari com empate entre Juventus e Rio Preto

Fala, pessoal!

Nada como um dia após o outro... Depois de ver um dos piores jogos do Juventus dos últimos tempos contra a Santacruzense, a sexta rodada da fase inicial do Campeonato Paulista da Série A3 trouxe a melhor partida que vi até aqui em 2014. O duelo do Moleque Travesso contra o Rio Preto no Estádio Conde Rodolfo Crespi foi sensacional do começo ao fim.


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.

O quarto jogo sem vitória tirou Serginho do comando técnico do time. No seu lugar, a diretoria confirmou o óbvio e contratou Luís Carlos Ferreira, atual campeão da Segundona com a Matonense e que foi demitido do time de Matão após uma derrota justamente para o Juventus na rodada inicial. Ele chegou à Mooca com status de "salvador da pátria".


Rio Preto EC - São José do Rio Preto/SP. Foto: Fernando Martinez.


Capitães dos times, árbitro Luiz Carlos Ramos Júnior e assistentes Cosme Tavares dos Santos e Liliane Aparecida Galindo. Foto: Fernando Martinez.

Um público pequeno - 402 pagantes - para os atuais padrões da Javari compareceu na quente tarde para esse jogo. Ninguém ali imaginava que veria um jogão, ainda mais levando em conta o começo ruim do time da casa. Esse péssimo início culminou com o gol de cabeça de Lucas aos 7 minutos, contando com falha coletiva da zaga local.


Escanteio para o Rio Preto no começo do jogo. Foto: Fernando Martinez.

Por sorte o empate saiu no lance seguinte na cobrança de falta de Renato. Talvez se o gol não tivesse acontecido nesse momento, a situação grená teria se complicado. Talvez... Durante o restante do tempo inicial, o jogo ficou concentrado no meio-campo e os donos da casa mostraram muita raça, postura bastante diferente do domingo anterior.


Bola no fundo das redes do Rio Preto no primeiro gol juventino. Foto: Fernando Martinez.

As equipes foram aos vestiários com o placar apontando 1x1, e provavelmente tomaram uma enorme injeção de inspiração, pois o tempo final foi ótimo. Logo no início, a zaga grená deu outra força ao ataque visitante e deixou o campo todo livre para o camisa 9 Jean Carlos invadir a área e tocar na saída do arqueiro após passe em profundidade. Rio Preto 2x1 aos 5 minutos.


Momento plástico dentro da área do Jacaré. Foto: Fernando Martinez.

Sem desanimar com a nova desvantagem, os grenás deram muito trabalho para o setor defensivo do Jacaré. Fernandinho acabou deixando tudo igual novamente aos 17 minutos. Com o 2x2, a ideia agora era conquistar a virada, e durante a maior parte do tempo o Juventus foi muito superior ao seu adversário.


Cruzamento que originou o segundo gol do Juventus. Foto: Fernando Martinez.


Atleta local se preparando para o chutaço de fora da área. Foto: Fernando Martinez.

Tamanha insistência deu resultado aos 43 minutos com o sofrido gol de Dudu Mineiro após uma grande confusão na pequena área do Rio Preto. Parecia que a vitória estava garantida, mas o Rio Preto teve uma falta polêmica marcada a seu favor aos 48 minutos. Muitos acharam - inclusive eu mesmo - que ela não aconteceu.


Disputa de bola na lateral. Foto: Fernando Martinez.


Início da jogada do terceiro gol local aos 43 do segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Na cobrança, a zaga falhou pela terceira vez e deixou Vinícius completamente livre no segundo pau. Ele cabeceou de forma certeira e empatou de novo a partida no apagar das luzes. Resultado final da melhor partida que vi in loco em 2014: Juventus 3-3 Rio Preto.

Se o triunfo não aconteceu pelo menos deixou uma esperança de dias melhores para a torcida grená. A equipe mostrou raça e bastante força de vontade diante um grande adversário e talvez esse seja o indício maior que dias melhores virão pelos lados da Mooca.

Até a próxima!

Fernando