Procure no JP

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Goleada inútil e despedida melancólica do Moleque Travesso na Copinha

Salve amigos!

Preparei para o final de semana uma agenda “fernândica” com nada menos do que sete partidas diferentes, sendo que para o sábado eu incluí uma simples travessia da Grande São Paulo, a ser completada em uma horinha. O dia começou em Guarulhos, um jogo perdidaço, na essência do conceito: campo neutro, e times já eliminados... Juventus x Imagine/TO.


CA Juventus e Imagine FC se enfrentaram em Guarulhos pela rodada final da Copinha. Fotos: Estevan Mazzuia.

O Juventus há muito está devendo uma boa participação na Copinha, e nesse ano não foi diferente. A derrota para os baianos do Vitória foi narrada pelo Fernando, e o revés para o Flamengo local, de virada nos minutos finais da partida, fechou o caixão do time grená.

Diante de um time que havia sofrido 21 gols em duas partidas, no melhor estilo Taiti, a expectativa era de que o Juventus finalmente apresentasse alguma coisa.


A tônica da partida: bola na área do Imagine. Foto: Estevan Mazzuia.


Visão panorâmica da peleja. Foto: Estevan Mazzuia.

Saí de Santos pela manhã, mas diante de um dos verões mais ensolarados de toda a minha vida, peguei muito trânsito na Imigrantes, uma vez que a subida de ônibus, caminhões e automóveis era toda feita pelas três faixas dessa rodovia.

Isso, aliado ao fato de que há muito tempo eu não ia ao Estádio Antônio Salles de Oliveira e acabasse errando a saída da Dutra, prejudicaram a obtenção das fotos das equipes e da arbitragem. Pra piorar, uma dessas feiras livres medievais estava a pleno vapor na porta do estádio, obrigando-me a dar uma volta monstro pra poder acessar o gramado. Do estacionamento do estádio pude ouvir o apito inicial da partida: menos mal.


Lance da primeira etapa. Foto: Estevan Mazzuia.

Conforme o esperado, o time da Mooca passeou em campo contra o genial Imagine FC. Logo aos 3 minutos, Fernando abriu o placar. Ele mesmo ampliou aos 9: o goleiro Timóteo saiu do gol pra dividir a bola com o atacante e levou a pior. Aliás, o goleiro tocantinense mostrava extrema fragilidade também nos lances de longa distância, não conseguindo encaixar nenhuma defesa de primeira.


Atacante juventino prepara mais um cruzamento, para desespero da zaga, que a todo momento “imaginava” mais um gol. Foto: Estevan Mazzuia.

Diante do forte calor, o árbitro Benilto José de Brito determinou a parada técnica para reidratação. O Imagine tinha dificuldades pra sair jogando, e até pra cobrar laterais, e o Juventus demonstrava seu desinteresse pela partida, com alguns gols desperdiçados por excesso de firula juventina, principalmente de Felipe Augusto.


Lateral para o Imagine: chance de gol juventino? Foto: Estevan Mazzuia.


Público acompanha atentamente a partida. Foto: Estevan Mazzuia.

O terceiro gol saiu de um erro bisonho da defesa tocantinense. O zagueiro Rubens Alves se esqueceu de que não se cruza a bola na frente da grande área. Gebson ganhou na dividida de Marcos Adriano e tocou na saída de Timóteo.


Mais um ataque juventino: Felipe Augusto (19) e Marcos Adfriano (3) duelam pelo alto. Foto: Estevan Mazzuia.


Kaio Barros quase caindo ao tropeçar na bola. Foto: Estevan Mazzuia.

Aos 42, Rubens Alves se redimiu levemente ao salvar, em cima da linha, uma bola de Pedro Rocha que tinha as redes como destino certo. Mas o quarto gol amadurecia: no minuto seguinte, Gebsou cobrou falta da esquerda, chuveirou na área, mas Geraldo e Raikard não alcançaram.

 

Ave simpática pousa no gramado/Torcida juventina não deixou de gritar pelo time. Fotos: Estevan Mazzuia.

No último lance do primeiro tempo, Pedro Rocha foi lançado pela direita e tocou na saída do goleiro para dar números finais à primeira etapa. Aos 11 minutos do segundo tempo, após uma infiltração grená pela direita, Gebson fez a festa no miolo da zaga e marcou o quinto gol paulistano. Três minutos depois, Gabriel Nobre percebeu Timóteo adiantado e fez um belo gol por cobertura.


Apesar da nuvem assustadora, apenas alguns pingos de chuva caíram sobre o gramado na segunda etapa. Foto: Estevan Mazzuia.

Aos 23 minutos, mais uma vez no maior estilo Taiti, o mundo parou pra ver o esperado gol do Imagine. E no melhor estilo Pelé, foi de penalidade máxima. O iluminado Divino sacudiu as redes, animando o time e incendiando a torcida, que vibrava a cada gol juventino perdido, como o de Luccas do Brasil, aos 28.


Detalhe do único gol do Imagine no torneio. Foto: Estevan Mazzuia.


Comemoração juventina foi o que não faltou na partida. Foto: Estevan Mazzuia.

O mesmo Luccas do Brasil deixou o Juventus com dez após levar o vermelho direto por ter desferido um tapa em Rubens Alves. A torcida que, ironicamente, gritava olé a cada (raro) passe certo do Imagine, foi ao delírio .

Mas não tinha jeito, a diferença entre os times era enorme. O sétimo gol juventino veio aos 40, em falta cobrada por Gebson, e o oitavo no último lance da partida, com Pedro Rocha cruzando da direita para Fernando marcar seu terceiro tento no jogo, de cabeça.


Detalhe do sétimo gol juventino. Foto: Estevan Mazzuia.

Fim da partida, Juventus 8x1 Imagine, resultado que confirmou a pior campanha dentre as 104 equipes participantes para o clube nortista, e sacramentou a única eliminação paulistana na primeira fase do torneio.

Foi isso.

Abraços!!

Estevan Azevedo

Nenhum comentário:

Postar um comentário