Procure no JP

terça-feira, 13 de março de 2012

Volta ao Passado, volume 36: Lucélia FC (Lucélia/SP)

LUCÉLIA FC


Escudinho do Lucélia Futebol Clube.

Fala, pessoal!

Depois de muito tempo fora das nossas páginas virtuais, seguimos hoje com mais um post da série Volta ao Passado. Temos o prazer de publicar as esperadas fotos da visita do Orlando à cidade de Lucélia, que fica a 574 quilômetros da capital bandeirante e também é a casa do Lucélia Futebol Clube e também do Estádio José de Freitas Cayres, palco dos jogos da equipe azul e branco.

Mas antes de falar de futebol, vale registrar um pouco da história do município. As terras que hoje formam a cidade foram colonizadas nos anos 20 do século passado por imigrantes eslavos e russos que chegaram na região através dos trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana. Em 1939, o engenheiro Luiz Ferraz de Mesquita, responsável pela divisão e colonização das terras, fundou um povoado que recebeu o nome de Lucélia (antes, o povoado era conhecido como "Zona da Mata"). Em 1944, esse povoado foi elevado à categoria de município.

O interessante mesmo dessa história é saber de onde o engenheiro Luiz Ferraz de Mesquita tirou o nome "Lucélia". Ele foi formado por uma sílaba do seu nome ("Lu"), a primeira sílaba do nome de sua esposa Cecília ("Ce") e mais a terminação "Lia", comum em cidades da vizinhança como Gália, Marília e Cabrália.

Antes mesmo que a cidade finalmente fosse fundada, o Lucélia Futebol Clube já existia. A equipe azul e branca nasceu no dia 7 de julho de 1943 e se tornou filiada da Federação Paulista de Futebol em 1950. Em 1952, a equipe disputou a segunda divisão da época, e foi lanterna da chave da Primeira Região, jogando junto com Linense, São Paulo de Araçatuba, Tupã, Bandeirante, Penapolense, 9 de Julho de Getulina e AA Adamantina.


Equipe do Lucélia nos anos 50. Ao fundo, as lotadas arquibancadas do Estádio José de Freitas Cayres. Reprodução: http://kmphotography.host.sk/nossalucelia3.


Time do Lucélia posado em 1962. Reprodução: http://kmphotography.host.sk/nossalucelia3.


Time do Lucélia FC em 2011, quando foi vice-campeão da Copa AMNAP. Reprodução: www.esporteinterior.com.br.

Após essa disputa, a equipe voltou ao profissionalismo em 1958, jogando a terceira divisão. Até 1965 foram mais quatro campeonatos profissionais disputados, e no final daquele ano o time se despediu das disputas dos campeonatos paulistas numa derrota em casa para o Guarani de Adamantina acontecida em 26 de setembro de 1965.


Fachada do Estádio José de Freitas Cayres. Foto: Orlando Lacanna.


Parte coberta do estádio da cidade de Lucélia. Foto: Orlando Lacanna.


Arquibancadas do estádio lotadas, em fotos dos anos 50. Reprodução: http://kmphotography.host.sk/nossalucelia3.

Desde então, a equipe continuou disputando campeonatos amadores da região, sempre mandando as partidas no Estádio José de Freitas Cayres, local que o Orlando teve a honra de visitar no ano de 2009. O estádio não estava tão bem cuidado assim, e a impressão era que ninguém mexia ali há tempos. Na época, ele também buscou informações sobre a situação do Lucélia FC, mas sem obter sucesso. Por ter feito a visita num feriado, também não conseguiu visitar a sede do time.


Gol "da esquerda". Foto: Orlando Lacanna.


Agora o gol "da direita". Foto: Orlando Lacanna.


Outra visão do gol "da direita", agora com uma ideia dos vestiários. Foto: Orlando Lacanna.

Mas atualmente sabemos que o Lucélia Futebol Clube ainda existe, e jogou no segundo semestre de 2011 a Copa AMNAP, se tornando vice-campeão. Mas a equipe não manda seus jogos no tradicional estádio da cidade, já que o mesmo está interditado. Uma reforma está sendo feita com previsão de término até junho do ano corrente. A sede do clube foi destruída pela chuva no final de 2010 e ainda não tem previsão de ser reconstruída.


Arquibancadas do José de Freitas Cayres. Foto: Orlando Lacanna.


Uma visão geral do estádio da cidade de Lucélia, município da Alta Paulista. Foto: Orlando Lacanna.

De qualquer forma, nós sempre esperamos que algum time que chegou a jogar profissionalmente em tempos remotos possa voltar ao profissionalismo. Tudo bem que o fato de que os interessados tenham que possuir local para jogos com a terrível capacidade mínima de 5 mil lugares é um impeditivo real para que isso aconteça, mas a esperança é a última que morre.

Até a próxima!

Fernando

12 comentários:

  1. Ninguém faz essas séries geniais. Somente o Jogos Perdidos. Espetacular.

    Matheus Trunk
    www.violaosardinhaepao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olha, vendo o nosso velho estadio Jose de Freitas Caires. me da muitas saudades. pois tive o prazer na decada de 1970 .joguei muito futebol neste estadio. Cheguei a jogar no Lucelia Futebol Clube e disputar uma Copa Auta Paulesta. Me lembro que o treinador era o Pescosso o Time era este .Baiano, Indio, Tg ,Caminhão e Periquito, Marimba ,Donizette e Galo, Assis Seabra e Tuca .como reservas . Nando, Mario , Santana , Boca, Nivaldinho,Amauri e outros mais. Que Saudade. Donizetti Mazzaro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente vc tb jogou com meu pai que aliás infelizmente acabamos de perdê-lo, era conhecido como Lalá.

      Excluir
  3. Saudades desse estadio onde ja fez a legria de muitos luceliences.
    abracos a todos.

    Ricardo portugal



    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, sou do paraná e estou atras de uma camiseta desse time ucelia Futebol Clube, se alguem puder me passar o numero do telefone ou de algum lugar que eu possa comprar a camiseta agradeço. rodrigocapeta@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu me lembro, de quando o Corinthians neste estádio, jogou com o Lucélia Futebol Clube, o Gilmar, goleiro do Timão era o grande ídolo da torcida canarinho. Eu não tinha dinheiro para pagar o ingresso, tentei entrar como todas às vezes fazia quando havia jogo, pulava a cerca que ficava do outro lado da entrada da entrada do estádio, mas, naquele jogo a segurança foi implacável. Fui até expulso do buraquinho da cerca que disputava com meus colegas na tentativa de ver o jogo. O jeito foi ficar na porta do estádio com a cara de choro e olhos de cachorro pidão, fixados no homem que parecia ser o dono da portaria. Não deu outra, antes mesmo de acabar o primeiro tempo, ele me colocou pra dentro o campo. A felicidade que eu senti naquele momento não cabia dentro de mim, parecia que eu ia explodir. Corri para o lugar onde eu sempre ficava durante os jogos. La em cima, onde era marcado o placar jogos. Aquele lugar era minha cadeira cativa, minha e de outros moleques que como eu tinha a simpatia da pessoa responsável em marcar o placar. Sei que o Corinthians ganhou aquele jogo, só não me lembro de quanto, Na verdade, o resultado daquele jogo nunca teve importância para mim. O que foi importante, e continua sendo para mim até hoje, é a imagem do homem da portaria que se comoveu com minha angustia e me deu a maior felicidade do meu tempo de criança. Ele sim, ficou na minha memória.

    ResponderExcluir
  6. Osvaldo Bargas - Lucelhence desde 19516 de março de 2014 12:51

    Texto agora revisado

    Eu me lembro, de quando o Lucélia Futebol Clube, jogou contra o Corinthians neste estádio, o Gilmar, goleiro do Timão era o grande ídolo da torcida canarinho. Eu não tinha dinheiro para pagar o ingresso, tentei entrar como fazia todas as vezes que havia jogo, pulava a cerca que ficava do lado oposto da entrada do estádio, mas, naquele dia a segurança foi implacável. Fui até expulso do buraquinho da cerca que disputava com meus colegas na tentativa de ver o jogo. O jeito foi ficar na porta do estádio com cara de choro e olhos de cachorro pidão fixados no homem que parecia ser o dono da portaria. Não deu outra, antes mesmo de termina o primeiro tempo, ele me colocou pra dentro do estádio. A felicidade que eu senti naquele momento não cabia dentro de mim, parecia que eu ia explodir. Corri para o lugar onde eu sempre ficava durante os jogos. La em cima, onde era marcado o placar. Aquele lugar era minha cadeira cativa, minha e de outros moleques que como eu tinha a simpatia da pessoa responsável em marcar o placar. Sei que o Corinthians ganhou aquela partida, só não me lembro de quanto, Na verdade, o resultado daquele jogo nunca teve importância para mim. O que foi importante, e continua sendo para mim até hoje, é a imagem do homem da portaria que se comoveu com minha angustia e me deu a maior felicidade do meu tempo de criança. Ele sim, ficou na minha memória.

    ResponderExcluir
  7. eu tambem tentava fazer a mesma coisa do amigo acima lembro que uma vez foi o escrete da radio bandeirante com o fiori gilioti tentei escalar o muro com um amigo mas cai de costa e fiquei desacordado mas sempre foi uma aventura legal

    ResponderExcluir
  8. Já joguei muito nesse estadio, treinei muito...que pena que esta abandonado..
    mas quem sabe algum dia possamos ver este estadio cheio e muitas pessoas felizes.. grande abraço a todos..

    (Maicon Campano)

    ResponderExcluir
  9. Já joguei muito nesse estadio, treinei muito...que pena que esta abandonado..
    mas quem sabe algum dia possamos ver este estadio cheio e muitas pessoas felizes.. grande abraço a todos..

    (Maicon Campano)

    ResponderExcluir
  10. Olá, meu nome é Manoel, estive em Lucélia há uns 6 meses atrás e presenciei uma cena marcante dentro do estádio, isso mesmo dentro, meu pai entrou no gramado e ficou por uns 20 minutos olhando em volta, na arquibancada, enfim acho que passou um filme, ele jogou no Lucélia e segundo dizem jogou muito, infelizmente acabo de vir do seu velório aqui em Campinas SP. Seu nome era tb Manoel mais conhecido como LALÁ. Isso ficará na minha memória.

    ResponderExcluir