Procure no JP

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Mecão sucumbe em partida emocionante em Édson Passos

Salve, amigos!

De volta ao Rio de Janeiro, para um final de semana prolongado, aproveitei a tarde de sábado para voltar ao belo Estádio Giulite Coutinho, em Édson Passos, Mesquita/RJ, para acompanhar mais uma partida válida pela Copa Rio, desta vez pela sexta rodada da segunda fase. Em campo, America FC (assim sem acento mesmo, pois o nome é todo inglês: America Football Club) e Serra Macaense FC. Comigo, minha guerreira namorada Bruna, que mal havia dormido, mas encarou o passeio.

Apesar de conseguir chegar ao local com alguma antecedência, e ter conversado com dirigentes americanos e com o delegado da federação, não consegui fotografar o time da casa, que simplesmente ignorou os pedidos para posar. Mas não posso deixar de agradecer a excelente e atenciosa recepção dos Srs. Adílson e Fábio, além do colega do FutRio, Vitor, que também trabalha na divulgação do clube carioca. Desanimado, nem falei com a arbitragem... De todo jeito, consegui uma foto da equipe visitante, no retorno para a segunda etapa.


Serra Macaense FC - Macaé/RJ. Foto: Estevan Mazzuia.

Com um pequeno atraso (em virtude da preliminar entre America e São Cristóvão, pelo Torneio OPG) A partida começou bem quente, com o Mecão disposto a conseguir os 3 pontos. Rodrigo, do Serra, recebeu cartão amarelo logo nos primeiros lances, ao tentar barrar um ataque vermelho. E, aos 5 minutos, Da Costa cobrou uma falta pelo lado direito e a bola não desviou em ninguém, sacudindo o filó do arqueiro Guilherme.


Detalhe do primeiro gol. Foto: Estevan Mazzuia.

A tarde parecia ser mesmo dos donos da casa, que seguiram atacando, com apoio dos 254 presentes (havia uns 20 torcedores de Macaé), mas aos 14 minutos, a equipe sofreu o empate: após uma boa jogada da equipe pela esquerda, Pimenta recebeu no bico da grande área, cortou para o meio e bateu de direita, para o fundo das redes de Roberto.


Lance do empate serrano. Foto: Estevan Mazzuia.

O empate foi um balde de água fria na equipe rubra. Daí em diante, os visitantes conseguiram anular todas as jogadas da equipe vermelha, e ainda tiveram algumas boas chances de gol. Aos 40 minutos, o Sangue quase retomou a frente do placar, por intermédio de Da Costa, um dos destaques da equipe. Aos 42, o craque ainda cobrou uma falta, de ponto muito próximo ao que deu origem ao gol: o cruzamento encontrou Vinícius, que cabeceou para fora.


Lance da primeira etapa. Foto: Estevan Mazzuia.


Da Costa lamenta a oportunidade perdida pelo companheiro Vinícius. Foto: Estevan Mazzuia.

Como o America não fez, levou: a defesa vacilou em reposição de bola do Serra, e Marquinho apareceu sozinho na cara do gol, deslocou o arqueiro e marcou o tento da virada, fechando os números da primeira etapa.


Visão panorâmica de trás de um dos gols. Foto: Estevan Mazzuia.

O segundo tempo começou com muita disposição do Rubro, e a primeira boa chance foi americana: Da Costa, novamente ele, cruzou da esquerda para o cabeceio de Jean, cortado para escanteio. Aos 19 minutos, nova chance para o Mecão, com Yuri batendo da entrada da área. A bola bateu na zaga, e Deivison desperdiçou o rebote.


Tiago Bastos (2) observa confusão após cobrar escanteio. Foto: Estevan Mazzuia.

Aos 25 minutos, Da Costa acertou o poste direito em cobrança de falta. No rebote, Edivaldo perdeu um gol de Inacreditável Futebol Clube, sozinho, de frente para o gol vazio. Todo esse volume de jogo foi premiado com o merecido empate: aos 26 minutos, Deivison fez um belo corta-luz no zagueiro e bateu da entrada da área no ângulo, marcando um lindo gol.


Detalhe do gol desperdiçado por Edivaldo. Foto: Estevan Mazzuia.

Com o empate, os donos da casa seguiram endiabrados e chegaram a marcar o tento da virada, após o goleiro Guilherme bater roupa, mas a arbitragem assinalou impedimento no lance após o rebote do arqueiro. Aos 32 minutos, a torcida pediu a marcação de um pênalti em lance no qual o zagueiro Tenente recuou a bola de mau jeito para o goleiro. Eu estava atrás do gol, e achei que o jogador tocou apenas o ombro na bola. O árbitro estava perto do lance e não observou irregularidade.


O lance do “pênalti”. Foto: Estevan Mazzuia.

O Serra resolveu mostrar que estava vivo e, aos 34 minutos, em rápido contra-ataque quase retomou a ponta do placar, mas a bola cruzou a área e passou por perto do poste direito do goleiro, sem que ninguém empurrasse a pelota para dentro. Aos 41, Anderson fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Tenente arrematar. Um golpe de misericórdia para a sofrida torcida rubra, que estava muito perto da vitória.


Ataque do Serra na segunda etapa. Foto: Estevan Mazzuia.


Anderson (17), jogando pela esquerda, começou a desenhar o terceiro gol. Foto: Estevan Mazzuia.

Com muita raça, o Brasinha reconquistou o empate, aos 44 minutos, com Roger se aproveitando de um bate-rebate na área após cobrança de escanteio. Mas o jogo não tinha terminado, e o excelente segundo tempo reservava uma última emoção.

Jean recebeu a bola no meio de campo e tentou lançar um companheiro na esquerda, mas a jogada foi interceptada por Marins, que encontrou Anderson sozinho no ataque. A zaga americana pediu a marcação de impedimento, o goleiro Roberto saiu do gol, caçou borboletas e Anderson deu números finais à partida. Muita emoção, e muita tristeza na movimentada peleja em Édson Passos. Placar final, America 3x4 Serra Macaense, o que deixa a equipe carioca em maus lençóis no certame.


Detalhe do terceiro empate na partida. Foto: Estevan Mazzuia.


Desolado, o goleiro Roberto deixa o campo, com o placar final ao fundo. Foto: Estevan Mazzuia.

Ainda deu tempo pra dar carona a um simpático casal de americanos, que estavam mais preocupados em lamentar do que em dizer exatamente para onde iam, ou onde queriam ficar. Um agradável passeio de duas horas pela Cidade Maravilhosa. Quando os dois resolveram ficar no Grajaú, descobrimos que havíamos passado perto de suas casas. Mas isso é tema para um livro de histórias pitorescas que quem sabe um dia sairá do campo das idéias.

Foi isso!!

Abraços

Estevan

Santos Bi-Campeão Paulista Feminino 2011

Olá,

O final do ano está se aproximando e, com isso, algumas competições futebolísticas também vão chegando ao fim. No último sábado, foram realizadas as partidas finais de dois campeonatos promovidos e organizados pela FPF, sendo que o JOGOS PERDIDOS esteve presente nas duas decisões.

Esse que vos escreve, desceu novamente a Serra do Mar, com destino à cidade de Santos, indo ao Estádio Urbano Caldeira, mundialmente conhecido como Vila Belmiro. Esse templo sagrado do futebol, foi palco da partida de volta entre o Santos F.C. e a A.D. Centro Olímpico, que definiria quem conquistaria o título do Campeonato Paulista de Futebol Feminino - 2.011.

Na partida de ida, realizada em São Paulo, a vitória foi do time paulistano por 2 x 1 e, por conta de ter realizado melhor campanha durante toda competição, o time santista tinha a vantagem de jogar por dois resultados iguais e, portanto, uma vitória simples, daria às "Sereias da Vila", o título pela segunda vez consecutiva. Para o time de São Paulo, o empate era o suficiente para fechar o ano como campeão.

Dessa vez não tive nenhum contra-tempo durante a viagem e cheguei com tranquilidade ao meu destino, tendo tempo até para tomar um café numa padaria em frente ao estádio. Logo em seguida, fiz o credenciamento e fui para o gramado, aguardar a entrada das meninas dos dois times e também do quarteto de arbitragem, formado só por mulheres, visando fazer as fotos oficias, as quais, estão apresentadas abaixo:


Santos F.C. (Feminino) - Santos/SP. Foto: Orlando Lacanna.


A.D. Centro Olímpico (Feminino) - São Paulo/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Édilar Maria Ferreira, suas assistentes Maria Eliza Correia Barbosa e Maiza Teles Paiva, além da 4ª árbitra Adeli Mara Monteiro ao lado das capitãs. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo a árbitra autorizou o início da partida, o time santista tomou iniciativa de ir ao ataque, passando a incomodar a defesa do time paulistano desde os primeiros movimentos. Aos 3 minutos, a camisa 3 Dani, provocou o primeiro susto na goleira Vivi, ao arrematar com perigo, uma bola que passou muito perto. Aos 7 minutos, foi a vez da camisa 13 Kelly, finalizar contra a meta do Centro Olímpico, mandando outra bola para fora, que também levou perigo. O time visitante, procurava se defender e quando recuperava a posse de bola saía em velocidade, visando surpreender a defesa santista.


Início de mais uma arrancada ofensiva do Santos no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.


Tentativa de ataque aéreo do Centro Olímpico. Foto: Orlando Lacanna.

O domínio santista foi crescendo e, na marca dos 15 minutos, a camisa 30 Karen, colocou as "Sereias da Vila" em vantagem no marcador, aproveitando uma falha da camisa 5 Cibele, que não conseguiu interceptar a passagem da bola em direção à santista, que invadiu pela meia esquerda e tocou com categoria na saída desesperada da goleira Vivi.


Momento exato da batida de Karen inaugurando o marcador. Foto: Orlando Lacanna.

Após sofrer o gol, o Centro Olímpico assimilou o golpe e foi à luta, tendo chegado à igualdade, aos 19 minutos, num gol anotado pela camisa 11 Cacau, ao aproveitar uma sobra de bola no interior da área, após conclusão de Gláucia que tocou no poste direito da meta defendida por Andreia Suntaque.


Finalização de Gláucia que foi contra o poste direito e no rebote Cacau empatou. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo tendo cedido o empate, o Santos não perdeu o controle da partida, tendo chegado novamente à vantagem no marcador, aos 28 minutos, num gol anotado pela camisa 90 Erika, através de um arremate desferido da entrada da área, que entrou no canto direito de Vivi, que para mim, pulou tarde na tentativa de fazer a defesa, mas isso não tira o mérito da atacante santista.

Voltando a ficar atrás no placar, o Centro Olímpico voltou a tentar igualar tudo novamente, mas não conseguiu balançar a rede santista e, dessa forma, o primeiro tempo foi encerrado com a vantagem de 2 x 1 para as meninas santistas, que já estavam com uma das mãos na taça.

Durante o intervalo fiquei assistindo uma apresentação das cheerleaders do Santos, que fizeram uma exibição de dança muito interessante, prendendo a atenção do público e de quem estava no gramado. Parabéns a elas pela bela exibição.


Time das Cheerleaders do Santos posando com exclusividade para as lentes do JP. Foto: Orlando Lacanna.


Grande final da apresentação das animadoras da torcida santista. Foto: Orlando Lacanna.

A bola voltou a rolar e o Centro Olímpico, já com a presença da camisa 7 Debinha, que acabara de regressar do México, onde atuou pela Seleção Brasileira no Pan, tendo conquistado a medalha de prata, procurou sair para o ataque, até porque não tinha outra alternativa. Na marca dos 10 minutos, a camisa Luana levou perigo à defesa santista, mas uma excelente defesa da goleira Andreia Suntaque, acabou com a festa. Aos 12 minutos, foi a vez da camisa 11 Cacau criar dificuldades à goleira santista, que praticou outra boa defesa, agora em dois tempos.


Defesa espetacular da goleira santista no início da segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Com o passar do tempo, o ímpeto do Centro Olímpico foi diminuindo e, com isso, o Santos voltou a dar as cartas, tendo chegado com muito perigo, aos 28 minutos, através da camisa 21 Raquel, que escapou pela direita e mandou um foguete que passou por cima do travessão.


Chance desperdiçada pelo Santos no segundo tempo, com a bola cruzando a área. Foto: Orlando Lacanna.

O tempo ía passando e o time paulistano já dava sinais de um certo cansaço pelo esforço, mas, mesmo assim, lutava sem parar visando chegar ao tão sonhado gol de empate, como aconteceu aos 41 minutos, num bom momento criado pela camisa 7 Debinha, mas a bola foi pra fora.


Jogada ofensiva do Centro Olímpico ao final da partida tentando o empate. Foto: Orlando Lacanna.

Os últimos minutos foram dramáticos, com a maior parte do público pedindo o fim da partida, que acabou acontecendo com o placar estampando Santos 2 - 1 Centro Olímpico, resultado de que deu o Bi Campeonato às "Sereias da Vila", repetindo a conquista do ano passado, em final com o São José, que também teve cobertura pelo JP.

Assim que a árbitra encerrou a partida, teve início uma grande comemoração no interior do gramado, com a participação das atletas santistas e um número incalculável de pessoas estranhas ao jogo, provocando um justo protesto dos repórteres presentes, que não podiam ingressar no gramado para realizar o seu trabalho, impedidos pelos ficais da FPF, que apenas cumprem ordem, porém não evitaram a invasão de muitas pessoas que nada tinham a ver com a partida. Se ninguém pode entrar no gramado, a ordem tem que valer para todos e não apenas para a imprensa.


Atletas e outros comemorando a conquista do Bi Campeonato. Foto: Orlando Lacanna.


Roda de oração em agradecimento à grande conquista. Foto: Orlando Lacanna.

O pódio para entrega das medalhas e troféus foi armado no centro do gramado, sendo que depois de quase 10 minutos após o encerramento do jogo, alguém com bom senso, autorizou o ingresso dos repórteres ao gramado para registro das solenidades, mas aí o número de pessoas estranhas à partida aumentou ainda mais, com a entrada inclusive de torcedores com bandeiras.


Entrega das medalhas às meninas do Centro Olímpico. Foto: Orlando Lacanna.


Capitã do Centro Olímpico exibindo o troféu de Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Elenco santista ostentando as medalhas douradas conquistadas. Foto: Orlando Lacanna.


Capitã santista e o troféu de Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Tradicional volta olímpica, com as atletas exibindo o troféu aos quatro cantos do estádio. Foto: Orlando Lacanna.

Deixo aqui registrados meus cumprimentos às atletas campeãs, à comissão técnica e a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para mais essa conquista. Parabéns também aos torcedores alvinegros, que incentivaram a sua equipe do início ao fim da competição. Não poderia deixar de cumprimentar também todo pessoal do Centro Olímpico, que tem um ótimo time e que conquistou com brilhantismo o Vice-Campeonato. Parabéns a todos do time paulistano.

Depois de conseguir registrar todas as etapas da solenidade, deixei o gramado e fui almoçar em Santos mesmo, para em seguida voltar a São Paulo e começar o planejamento da cobertura da primeira partida da final da Segundona, que seria realizada em Capivari, no domingo pela manhã, em mais uma viagem que obrigaria eu sair da cama bem cedo.

Abraços,

Orlando

Portuguesa vence mais uma e é "quase" campeã da Série B

Fala, pessoal!

Na sexta-feira o JP marcou presença na festa rubro-verde pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Após garantir o acesso para a Série A na rodada anterior, a Portuguesa se reencontrou com a sua torcida para dar mais um passo rumo ao título. O adversário foi nada menos do que a atual vice-líder, a Ponte Preta.

Uma vitória lusitana deixaria a equipe com nove dedos na taça na competição, então uma verdadeira multidão rumou para a casa da Portuguesa acompanhar mais esse passo na direção do histórico feito. Fazia tempo que eu não via tanta gente no Canindé, e o público oficial bateu quase 12 mil pagantes. Só para questão de comparação, a festa em 2007 (num jogo contra o Criciúma em que também estive presente) levou pouco mais de 7 mil torcedores.


Chegada da Macaca no começo da partida. Foto: Fernando Martinez.


Falta para os donos da casa. Ao fundo, a boa presença da torcida da Ponte. Foto: Fernando Martinez.

Entre todos esses torcedores, estávamos num bom grupo de amigos e conhecidos. Do povo mais antigo, Mílton e seu Natal. Do pessoal mais novo e que tem acompanhado a gente em várias pelejas nos últimos tempos, Renato, Sérgio, Fernando "Free Pass", Raul, Matheus e os amigos da FA Jamil e Shrek. Além deles, muitas figurinhas carimbadas zanzando pelas arquibancadas e, como sempre, muita mulher bonita, já que ali é o estádio mais legal de São Paulo nesse quesito.


Chance do onze campineiro pelo alto. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo após o jogo ter começado a festa não diminuiu em nada, muito pelo contrário. A cada passe certo, a cada toque de lado, a cada chance de gol criada, o burburinho era contagiante. Não demorou para que o time retribuísse tamanho carinho com dois gols. Quem marcou foi o jogador Ananias, finalizando após boas jogadas do setor ofensivo paulistano.


Defesa do arqueiro Júlio César pelo alto, em mais uma oportunidade de gol da Portuguesa. Foto: Fernando Martinez.

A Ponte Preta, que também levou muitos torcedores para o Canindé, tentou ameaçar nos minutos finais do primeiro tempo, mas viu a partida chegar no intervalo com o placar parcial de 2x0. Na segunda etapa, a Macaca chegou a diminuir o marcador, mas a Lusa não sofreu maiores sustos, e por pouco não ampliou o placar.

Final de jogo: Portuguesa 2-1 Ponte Preta. A vitória deixou o time da capital paulista com impressionantes 70 pontos, 13 acima do segundo colocado, a própria Macaca. Uma vitória nos cinco jogos que faltam para o campeonato acabar dão o título para a Lusa. O time merece demais essa conquista, que pode chegar no jogo dessa terça-feira contra o Criciúma fora de casa. Caso não vença, o título pode ser confirmado no Canindé contra o Sport. Confesso que seria demais ver isso ao vivo, e pretendo me fazer presente na casa rubro-verde para registrar esse momento.


Enorme festa dentro e fora de campo, com o "quase" título da Portuguesa na Série B. Foto: Fernando Martinez.

A festa que vimos após o apito final foi espetacular. A torcida não quis mais aguardar a conquista "matemática", e passou a entoar o coro de "É Campeão" ainda durante o segundo tempo. Ninguém foi embora do estádio e somente depois de 20 minutos todos deixaram as arquibancadas e foram continuar a celebração com o trio elétrico que estava nas dependências do clube.


Todo o pessoal que estava no Canindé para mais esse passo da Lusa rumo ao título da Série B. Foto: Fernando Martinez.

Eu não fiquei para acompanhar todas as festividades, já que não poderia perder minha carona. E falando em festa, o sábado foi histórico por outra enorme festa, mais do que merecida, na final do sub-20 da 2ª divisão.

Até lá!

Fernando

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Palmeiras empata com o Linense e está eliminado da Copa Paulista

Fala, pessoal!

Nessa quinta-feira à tarde rolou um joguinho perdidaço no Estádio Conde Rodolfo Crespi, a Rua Javari. Mesmo com um calor dos infernos, não dava para perder mais um jogo do genial Clube Atlético Linense pertinho de casa. O adversário do Elefante da Noroeste foi o Palmeiras, em peleja válida pela penúltima rodada da Segunda Fase do certame no seu Grupo 8.

Tive a companhia do pessoal que aparece mais no JP do que a maioria dos próprios integrantes do JP, Renato Rocha, Sérgio (da FATV) e o meu xará "passe livre" com seu poderoso bilhete interestadual de ônibus. Depois de conversar com todos, fui fazer os instantâneos dos times para o blog:


SE Palmeiras - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


CA Linense - Lins/SP. Foto: Fernando Martinez.


O trio de arbitragem com o árbitro Robério Pires e os amigos assistentes Daniel Marques e Alberto Poletto Masseira e também os capitães das equipes. Foto: Fernando Martinez.

Para a etapa inicial resolvi ficar dentro de campo, por acaso no ataque do Linense, já que a única sombra disponível estava no gol "da esquerda" da Javari. Os "donos" da casa precisavam vencer a partida para não evitar a precoce eliminação da competição já nessa rodada. O time de Lins se contentava com um empate, para então decidir sua sorte domingo jogando dentro dos seus domínios contra a Francana.


Ataque do Linense com a marcação da zaga do Palmeiras. Foto: Fernando Martinez.


Outra chegada do time visitante. Foto: Fernando Martinez.

Diferente do que rolou no confronto entre Juventus e Velo Clube no dia anterior, a peleja da quinta-feira foi ótima, cheia de oportunidades de gol e muita emoção. Nem parecia que as equipes estavam fora da zona de classificação da chave. O onze visitante foi melhor durante a maior parte do primeiro tempo, infernizando a zaga alviverde com boas jogadas pelas laterais.


Atleta do Linense tentando impedir a saída da bola pela linha de fundo. Foto: Fernando Martinez.

Embora o Palmeiras tentasse equilibrar as forças em contra-ataques e algumas cobranças de falta, os primeiros 45 minutos foram todos do Elefante da Noroeste. O gol da equipe estava mais do que maduro, e ele acabou acontecendo aos 28 minutos. Mas o lance foi meio sem querer, já que o jogador Josué escorregou na hora de chutar. Mas ele teve sorte, pois a bola bateu num zagueiro palmeirense e enganou o goleiro Alemão, indo morrer no fundo das redes.


Escanteio para o time visitante e boa saída do goleiro Alemão. Foto: Fernando Martinez.


Os atacantes do Linense infernizaram a zaga palmeirense durante todo o primeiro tempo, aqui em lance dentro da área. Foto: Fernando Martinez.

O Linense ainda chegou perto do segundo gol, mas o arqueiro palmeirense fez duas ótimas intervenções antes que o intervalo chegasse. A melhor delas nos acréscimos, quando mandou para escanteio um tirambaço vindo da esquerda do ataque do CAL. Para alívio dos torcedores do Palmeiras, o jogo apontava a magra vantagem de 1x0 para o oponente após o final da etapa inicial.


Jogadores apostando corrida atrás da pelota. Foto: Fernando Martinez.

Após comer mais uma vez o delicioso sanduíche de mortadela da Javari, decidi ficar na parte coberta do estádio para acompanhar a segunda etapa junto com os amigos presentes. Os 45 minutos finais foram ainda melhores do que os iniciais, mas dessa vez quem deu as cartas foi o Palmeiras.

A equipe jogou muito, mas muito bem, talvez na melhor apresentação do time na competição (bom, pelo menos foi o melhor jogo da equipe em que eu estive presente). Logo aos 2 minutos os locais perderam a chance do empate numa bola que bateu no travessão. Os minutos seguintes foram no melhor estilo "ataque contra defesa", até que aos 8 finalmente o empate chegou. O bom camisa 17 Peterson entrou na área e tocou com estilo na saída do goleiro Célio para deixar tudo igual no placar da Javari.


Boa falta para o escrete paulistano no começo da segunda etapa. Foto: Fernando Martinez.

O gol não fez com que o Palmeiras diminuísse o ritmo ofensivo, e o onze paulistano continuou a criar (e perder) várias oportunidades de gol. O Linense ficou com o contra-ataque todo à sua disposição, mas seus atacantes não conseguiram repetir o bom desempenho da primeira etapa e desperdiçaram dois gols feitos, após chegadas cara-a-cara com o goleiro Alemão. O arqueiro brilhou e impediu que a equipe visitante passasse de novo à frente do marcador.


Agora foi a vez do Linense ter uma falta para si, mas que foi desperdiçada. Foto: Fernando Martinez.

Só que o Palmeiras nem se assustou com essas duas investidas do Linense, e continuou melhor em campo. Aos 28 minutos o time ficou em vantagem numérica, já que Maidana foi expulso após derrubar um atacante palmeirense sendo o último homem da defesa. Só que o time local não se aproveitou dessa vantagem e abusou do direito de perder gols, deixando os torcedores presente na parte coberta do estádio desesperados.


Disputa de bola no meio de campo. Foto: Fernando Martinez.

Aos 41 o arqueiro Célio fez dois milagres e evitou a virada local. Após esse segundo tempo eletrizante (e que merecia ter muito mais gols), o jogo terminou mesmo com o placar de Palmeiras 1-1 Linense. Esse resultado eliminou o alviverde e classificou o Tigre do ABC para a próxima fase do certame. A segunda vaga do Grupo 8 virá do jogo Linense x Francana. O time de Franca joga pelo empate, enquanto o Elefante da Noroeste precisa da vitória.

Com um sol pra cada um, fui conversar com os amigos da arbitragem após o apito final, enquanto o Renato foi incrementar sua coleção de camisas comprando a belíssima peça do time visitante. Dali seguimos para a pizzaria ao lado do estádio comer um pouco e falar muito sobre a vida. Novo encontro já estava marcado para sexta-feira, aonde um enorme quórum de amigos do JP se fez presente no Canindé, para mais uma festa portuguesa, com certeza.

Até lá!

Fernando