Procure no JP

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Goleada do Pão de Açúcar pela Série A2 Paulista

Opa,

Em mais um post da série "volta aos gramados", no sábado passado fiz a primeira cobertura do JP no Campeonato Paulista da Série A2. Segui para o Estádio Nicolau Alayon para a partida entre Pão de Açúcar e União Barbarense, na nova casa do time paulistano. Esse encontro foi válido pela 3ªrodada do Grupo 2 da competição e mais uma vez seguem as fotos oficiais dos times.


Pão de Açúcar EC - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


União A Barbarense FC - Santa Bárbara D'Oeste/SP. Foto: Fernando Martinez.

A situação do PAEC na Série A2 não se parece em nada com a campanha do time em 2010. Enquanto no ano passado a equipe disputou a ponta desde as primeiras rodadas, nesse ano a coisa está complicada. Longe do G4 do Grupo 2, a equipe busca uma sequência de praticamente 100% de vitórias e ainda torce contra as equipes melhores colocadas da chave para ainda sonhar com a classificação. O União também não está em situação cômoda, e contra o rival paulistano faria um daqueles famosos "jogos de seis pontos".


Visão geral da partida entre Pão de Açúcar e União Barbarense. Foto: Fernando Martinez.

Nos primeiros 10 minutos, quem jogou melhor foi justamente o time visitante. A equipe escapava pelas laterais deixando a torcida local preocupada. Mas depois desse efêmero domínio, o Pão de Açúcar se impôs e não deu nenhuma chance ao seu adversário durante o restante da partida. Aos 12 minutos aconteceu o primeiro gol, num chute genial do jogador Denílson, colocando a bola no ângulo esquerdo do goleiro.


Troca de passes no ataque do União. Foto: Fernando Martinez.


Marcação firme da zaga do time paulisano. Foto: Fernando Martinez.

O PAEC ampliou o placar aos 21, em chute cruzado de Juca. A vantagem não diminuiu o ímpeto ofensivo da equipe, que antes dos 40 minutos teve duas ótimas chances para fazer o terceiro, ambas defendidas pelo goleiro do União. Mas aos 41 não teve jeito, e Rafael Martins marcou mais um e levou o jogo para o intervalo com a vantagem parcial de 3x0.


Destaque para a orquestra-mirim que se apresentou no intervalo. Ótima ideia, já que sempre faz bem escutar esse tipo de música em estádios ao invés do que rola normalmente. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo parecia que o time local diminuiria seu ritmo, mas não foi isso que aconteceu. O União Barbarense até tentava diminuir o marcador, mas não criou nenhuma chance que levasse grande perigo ao gol adversário. E para piorar, o Pão de Açúcar conseguiu encaixar contra-ataques perfeitos.


Ataque do PAEC pela direita no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.


Lateral para o time azul. Foto: Fernando Martinez.

Aos 18 aconteceu o quarto gol após Bruno Peres receber dentro da área, cortar seco o zagueiro e chutar forte no canto direito. Aos 30 veio o quinto, um verdadeiro golaço. Após o União perder a bola no meio-campo, uma blitz ofensiva invadiu o setor defensivo alvinegro, e depois de um ótimo cruzamento o jogador Gustavo Carvalho recebeu na direita e chutou forte no canto.


Bola jogada na área do União em ótima chance dos donos da casa. Foto: Fernando Martinez.

O jogo estava definido fazia tempo, mas aos 43 a goleada se completou com o sexto gol, marcado por Rafael Martins após bom cruzamento da esquerda. Final de jogo: Pão de Açúcar 6-0 União Barbarense. A goleada, que foi a maior nesse ano no futebol paulista, deixou o time da capital paulista com 13 pontos, mas ainda muuuito longe da zona de classificação. Faltando seis jogos para o final dessa fase, muitas contas precisam ser feitas pelos lados da equipe. Ao União, que continua com os 12 pontos, a situação é praticamente a mesma.

Até a próxima!

Fernando

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Bangu faz história e garante vaga na segunda fase da Copa do Brasil

Fala, pessoal!

Na última quarta-feira continuei com a minha operação "volta aos campos" com uma partida absolutamente imperdível e que hoje em dia só mesmo a Copa do Brasil pode nos proporcionar. Portuguesa e Bangu jogaram no Estádio Osvaldo Teixeira Duarte, o Canindé, para decidir quem seguiria para a Segunda Fase da competição.

A última vez que as duas equipes se enfrentaram na capital paulista foi no longínquo 18 de dezembro de 1988, quando a Lusa venceu a equipe fluminense por 1x0, gol de Catatau. Desde então os times só se enfrentaram uma vez (no Rio de Janeiro pelo Rio-SP de 2002) até a semana passada, quando o Bangu venceu o primeiro jogo pelo placar de 3x1 no gelado Estádio de Moça Bonita.

E graças a esse resultado, a missão rubro-verde não era das mais sossegadas, ainda mais no inferno astral em que o time se encontra. Somente uma vitória por três gols de diferença ou por 2x0 seria suficiente para garantir a classificação lusitana. Mas o time banguense prometia mostrar a mesma raça que mostrou no jogo de ida, e queria muito levar a vaga na Segunda Fase pela primeira vez na sua história. A equipe da Zona Oeste disputou a Copa do Brasil por duas vezes e em ambas foi eliminada na Primeira Fase (em 2003 pelo Gama, e em 2004 pelo Tupi).

Junto comigo para esse jogo, o seu Natal se fez presente mesmo sendo uma pessoa "sem carro" fora das madrugadas paulistanas. Além dele, o Mílton também estava no Canindé, assim como os amigos Sérgio e Emanuel, da comunidade FA do orkut, e o Matheus, autor de uma bela publicação sobre a Copa São Paulo de Juniores. Vale destacar também a ótima presença de torcedores do time do Rio de Janeiro. Até o mascote do time estava por lá, já que um simpático Castor de pelúcia zanzava pelas arquibancadas. A lamentar só a não liberação dos instrumentos da genial charanga do clube na entrada do estádio.


Oportunidade da Portuguesa pelo alto no começo da partida. Foto: Fernando Martinez.

E a torcida banguense ficou feliz da vida com a atuação do time no primeiro tempo. A Portuguesa parece que foi a campo depois de encher o bucho com uma bela feijoada e simplesmente não jogou nada. O Bangu entrou em campo preocupado em se garantir na defesa, mas aos poucos o time foi ganhando confiança e por duas vezes quase marcou seu gol. A melhor chance foi do jogador Charles, que cabeceou sozinho na pequena área, mas por cima do gol.


Saída de bola do time do Bangu no tempo final. Foto: Fernando Martinez.


Começo de ataque lusitano. Foto: Fernando Martinez.

A Lusa levou perigo mesmo só em uma oportunidade durante o tempo inicial, mas nada que animasse sua torcida presente no Canindé. Aliás, a torcida do time local não estava nada animada com o desempenho da equipe tanto na partida, quanto na temporada 2011. Podemos dizer que o clima não era dos mais amistosos. De qualquer forma, a partida chegou ao intervalo sem a abertura do marcador.


A Portuguesa cruzou muitas bolas na área do Bangu, nenhuma com sucesso. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo era a hora do famoso "tudo ou nada", mas nem assim a Portuguesa melhorou. O Bangu se fixou ainda mais na defesa e dificilmente passava do meio-campo, mas os donos da casa não souberam aproveitar isso e não criaram um número grande de chances. De verdade a única chance perigosa foi aos 22 minutos, no chutaço de Ademir Sopa de fora da área e que foi parar no fundo das redes banguenses. Tirando esse gol, nenhuma chance clara para ampliar o placar.


Zaga do Bangu afastando o perigo. Foto: Fernando Martinez.

O técnico Jorginho, fazendo sua primeira partida pelo clube, tentou fazer substituições para melhorar a performance da equipe, mas a noite não era mesmo dos paulistas. O Bangu soube se segurar perfeitamente bem na defesa até o apito final.

Final de jogo: Portuguesa 1-0 Bangu. A vitória de nada adiantou ao rubro-verde, já que não foi suficiente para garantir a classificação. Quem se garantiu com méritos foi o Bangu, que faz história e pela primeira vez se classifica para a Segunda Fase da Copa do Brasil. Agora a equipe fluminense joga contra o vencedor de Trem/AP e Náutico. A festa dos jogadores e da torcida vinda do Rio foi enorme.


Detalhe da ótima presença da torcida do Bangu no Canindé e o placar final da peleja, que decretou a eliminação da Lusa na Copa do Brasil 2011. Fotos: Fernando Martinez.

Contrastando com a festa banguense, na saída do estádio vimos que a torcida da Portuguesa não ficou nem um pouco feliz com a atuação do time, inoperante para alguns e cheia de má vontade para outros. Por menos do que isso o pau já havia quebrado em jogos do Campeonato Paulista, e não fiquei lá para ver no que isso poderia terminar.

Vamos tentar ver algo nesse final-de-semana... nada garantido, mas se o tempo permitir estaremos de volta.

Abraços

Fernando

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Empate sem gols entre Juventus e Taubaté na Rua Javari

Opa,

Depois de um longo e tenebroso inverno, o JOGOS PERDIDOS se fez presente num jogo do Campeonato Paulista da Série A3 nesse final-de-semana. Afastado dos estádios desde meados de janeiro, voltei à campo para a peleja entre Juventus e Taubaté no Estádio Conde Rodolfo Crespi, na Rua Javari.

Devido ao insuportável calor que vem fazendo esse ano, por ter mergulhado de cabeça no complemento de grande parte das minhas pesquisas e por uma revisão de prioridades motivada por vários acontecimentos recentes dentro e fora do JP, me afastei dos campos de futebol por esse tempo. Mas não abandonarei o barco nunca, e uma hora tinha que voltar. Acabei escolhendo o jogo do Moleque Travesso pois achei que a partida prometia bastante.

Cheguei cedo na Javari e entrei nas dependências do estádio antes mesmo da abertura dos portões. Após a famosa conversa com as personalidades juventinas que estão sempre presentes por lá, consegui um favorzão e fiz as fotos oficiais e exclusivas das equipes:


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


EC Taubaté - Taubaté/SP. Foto: Fernando Martinez.

O Taubaté é o atual líder do Grupo 2 da Série A3 2011, e o Juventus vem fazendo bom papel, sempre se mantendo entre os quatro times que garantem vaga na Segunda Fase. A lógica dizia que isso poderia ser um fator importante para um jogo movimentado, com gols e muita emoção... mas no frigir dos ovos, nada disso aconteceu.


Jogada da partida entre Juventus e Taubaté com a torcida juventina ao fundo. Foto: Fernando Martinez.

Junto com o seu Natal e os amigos de longa data Maurício "Nassau" e Syller, vimos um jogo sofrível e que demorou dois dias para terminar. O Taubaté veio com o claro intuito de levar um pontinho para o Vale do Paraíba e se fechou na defesa. O Juventus passou o tempo todo tentando furar o bloqueio defensivo do adversário, mas a inspiração era nula.


Tentativa de cruzamento na área bloqueada pela zaga do Taubaté. Foto: Fernando Martinez.

O grande número de torcedores presentes (quase 1.400 pagantes, num público que supera as médias de Portuguesa, São Caetano, Santo André e Ituano, entre outros da Série A1) não estava curtindo muito a partida. Muitos ficaram bastante irritados com o que não estava acontecendo no gramado. O 0x0 ao final do tempo inicial foi muito reclamado por todos.


A marcação da zaga do Burro da Central foi implacável durante os 90 minutos. Foto: Fernando Martinez.


Mais uma chegada do Juventus no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Nesse intervalo encontrei vários amigos de dentro e fora da Javari, e posso garantir que sempre faz bem bater papo com o pessoal que conhecemos nessas andanças do JP pela história. Para o segundo tempo, fomos acompanhar o ataque grená.


Ataque pela direita dos donos da casa. Foto: Fernando Martinez.

E o que parecia impossível aconteceu. A partida ficou ainda mais sem graça e sem emoções durante os 45 minutos do tempo final. Tirando um bom chute juventino de longe e que obrigou o goleiro do Burro da Central a fazer belíssima defesa pelo alto, nada mais aconteceu. O jogo serviu mesmo para colocar o papo em dia, e só.


Bola alçada dentro da área do Taubaté. Foto: Fernando Martinez.

E como profetizada desde o final do primeiro tempo, o jogo acabou mesmo em Juventus 0-0 Taubaté. O resultado deixou o Taubaté ainda na liderança e feliz pelo ponto conquistado, enquanto manteve os grenás na quarta colocação do seu grupo após seis rodadas.

O chato mesmo é que vi meu terceiro 0x0 em 2011 em apenas 10 jogos in loco. Em 2010 vi os mesmos três 0x0 em 145 partidas. Isso para não dizer que foi o segundo jogo sem gols em sequência. Pra ser assim, eu vou acabar ficando em casa mergulhado nas minhas pesquisas...

Até a próxima!

Fernando

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

JP na rodada inaugural do Paulista da Série A3

Olá,

No último final de semana teve início mais uma competição promovida e organizada pela FPF, que foi o Campeonato Paulista da Série A3, com a participação de 20 equipes divididas em dois grupos regionalizados. Após uma ausência de dois meses no convívio com os amigos internautas que acompanham o JP, voltei a botar o pé na estrada e viajei até a belíssima cidade de Paulínia, com o objetivo de acompanhar a partida Paulínia F.C. x C.A. Juventus, realizada no Estádio Luiz Perissinoto.

Como o time da casa veio da Segunda Divisão, viajei com a expectativa de ver como ficou a nova "cara" do estádio, após a adaptação para disputa da Série A3, cuja exigência de capacidade de público é de 10.000 pessoas. Observei a colocação de dois novos lances de arquibancadas que ocuparam espaços vazios que existiam atás de cada meta. Outro ponto que me chamou a atenção, foi a presença de uma animada torcida do "Moleque Travesso", que compareceu cheia de estilo e incentivou o seu time o tempo todo. 


Um dos novos lances de arquibancadas e a torcida juventina marcando presença. Fotos: Orlando Lacanna.

A viagem foi tranquila, me permitindo chegar com tempo suficiente para montar o esquema visando fazer as fotos oficiais da partida, as quais apresento abaixo:


Paulínia F.C. - Paulínia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


C.A. Juventus - São Paulo/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem com o árbitro Douglas Marcucci, os assistentes Leonardo Schiavo Pedalini e Fernando Batista de Oliveira e o quarto árbitro Rafael Emilio Acerra ao lado dos capitães. Foto: Orlando Lacanna. 

Como quase sempre acontece em início de temporada, as equipes começam a competição sem o entrosamento necessário e essa situação não foi diferente nessa partida, com a as duas equipes demonstrando muito empenho, porém ainda devendo um melhor conjunto. Nesse contexto, o time juventino começou melhor e dominou os primeiros vinte minutos, apresentando maior domínio territorial, mas sem objetividade no ataque. 


Bola escapando do avante juventino em ataque no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.


Briga pela posse da bola junto à lateral. Foto: Orlando Lacanna.

Com o passar do tempo, o time da casa foi conseguindo dar uma equilibrada nas ações, sendo que aos 27 minutos chegou ao seu gol, anotado de cabeça por Samuel, aproveitando uma cobrança de falta executada por Fábio Augusto pelo lado esquerdo, cujo cruzamento a defesa do Juventus ficou assistindo.


Jogada pelo alto do ataque do Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.

Após sofrer o gol o time visitante foi pra cima, criando pelo menos duas boas chances de chegar ao empate, mas as conclusões não foram das melhores e, sendo assim, a primeira etapa foi concluída com a vantagem mínima a favor dos anfitriões, que atacaram menos, porém foram mais objetivos.

Depois de um intervalo que passei a maior parte do tempo numa sombra e tomando muita água, a segunda etapa começou do mesmo jeito que a primeira, ou seja, o Juventus comandando as ações e atacando com frequência. Logo aos 8 minutos, o Juventus desperdiçou uma chance incrível, numa cabeçada do zagueiro Ralph que passou muito perto. Em seguida, num contra-ataque aos 10 minutos, o Paulínia carimbou o poste direito da meta defendida pelo goleiro Marcelo, assustando a torcida grená. 


Zagueiro juventino Ralph cabeceando para fora e perdendo a chance do empate. Foto: Orlando Lacanna.

O maior domínio do Juventus continuou até por volta do trigésimo minuto, tendo criado quatro ótimas chances aos 13, 17, 20 e 29 minutos em jogadas com as participações de Serginho (duas vezes), Ralph e Nem. Mas como as conclusões deixaram a desejar, o empate acabou não chegando.

O Paulínia que não tinha nada com a ineficiência ofensiva do adversário, saiu mais para o jogo e conseguiu aumentar a vantagem, aos 31 minutos, através de Dayvid cobrando pênalti.


Dayvid se preparando para marcar o segundo gol do Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.

O time avinhado acusou o golpe por ter sofrido o segundo gol e, com isso, os donos da casa tiveram maiores facilidades e chegaram ao seu terceiro gol, aos 36 minutos, anotado novamente através de Dayvid em cobrança de outro pênalti, sendo que esse muita gente achou que não houve. Da minha posição não foi possível observar o lance com clareza.


Terceiro gol do Paulínia marcado por Dayvid. Foto: Orlando Lacanna.

Com o Juventus entregue, o Paulínia quase marcou o quarto gol aos 38 minutos, naquele que seria o terceiro gol de Dayvid no jogo. Nos últimos cinco minutos nada de mais importante aconteceu e o árbitro encerrou a partida com o placar indicando Paulínia 3 - 0 Juventus, resultado que premiou a equipe que aproveitou as chances e castigou aquela que foi ineficiente nas conclusões. Vamos aguardar as próximas rodadas para vermos o desempenho das equipes ao longo da competição que dará 4 vagas à Série A2 de 2.012.

Fim de jogo e pé na estrada novamente com destino a São Paulo, para curtir o resto do domingão no aconchego do lar. Foi isso.

Abraços,

Orlando