Procure no JP

sábado, 31 de julho de 2010

Santos na final da Supercopa após vitória maiúscula contra o Peñarol

Fala pessoal!

Mesmo com sono e muito cansado pela rodada quádrupla de quinta-feira, acabei resolvendo ir conferir de perto as semifinais da Supercopa Eurofarma na sexta-feira passada. O primeiro jogo do dia, aonde o Flamengo destruiu o Sevilla e garantiu a sua vaga na grande final, foi relatado pelo Emerson, cabendo a mim relatar o que aconteceu no jogo Santos x Peñarol.

O Emerson acabou indo embora após o primeiro jogo do dia, e nesse jogo do Peixe contra o genial time uruguaio, tive a companhia dos amigos Rodrigo Colucci e Raul Burgo. E antes de qualquer coisa, seguem as fotos exclusivas dos times e trio de arbitragem:


Santos FC (sub-19) - Santos/SP. Foto: Fernando Martinez.


CA Peñarol (sub-19) - Montevidéu/Uruguai. Foto: Fernando Martinez.


Capitães de Peñarol e Santos e o árbitro Luiz Flávio de Oliveira com os auxiliares Celso Barbosa de Oliveira e Maria Núbia Ferreira Leite. Foto: Fernando Martinez.

Para mim, o onze praiano era o favorito absoluto para esse jogo, pois o futebol mostrado na primeira fase foi acima da média da competição. Mas também esperava que os uruguaios mostrassem sua garra habitual, e isso poderia ser um fator de complicação para as pretensões santistas.

Mesmo com a iluminação precária que temos nos gols da Arena Barueri - o estádio é ótimo, mas a iluminação deixa muito a desejar - fui acompanhar o ataque alvinegro na etapa inicial. E de acordo com as minhas previsões, o Peñarol dificultou demais o jogo para o time brasileiro nos primeiros 45 minutos.


Ataque santista contra o Peñarol. Foto: Fernando Martinez.


Jogadores aguardando escanteio do Peixe na esquerda. Foto: Fernando Martinez.

A equipe da Vila Belmiro não conseguiu acertar um ataque sequer, sendo sempre neutralizada pela boa postura da defesa uruguaia. A partida ficou concentrada no meio-de-campo, o que deixou o jogo um pouco sonolento. Só me salvei graças ao meu mp3, com uma famosa trilha sonora recheada de clássicos do rock. O intervalo chegou com o zero no marcador, e o Santos ainda tinha perdido um atleta expulso nos minutos finais.


Atleta do Santos encarando marcação uruguaia. Foto: Fernando Martinez.


Visão do jogo embolado no meio de campo. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo decidi ir para as tribunas, e logo no primeiro minuto da segunda etapa o Santos acordou e marcou o primeiro gol da partida. O jogador Hélton entrou na área e acertou um tirambaço cruzado no canto esquerdo do goleiro Fleitas. O gol foi o cartão de visitas do Peixe no tempo final.


Chance do Peñarol na segunda etapa. Foto: Fernando Martinez.

Mesmo com um jogador a menos, a equipe local mostrava ótimo futebol, e o Peñarol não conseguiu entrar na área adversária. O jogo foi seguindo com o Santos dominando, mas com a vantagem mínima ainda estampada no marcador. Aos 37 minutos porém, o jogador Tiago Alves fez belíssima jogada individual e marcou o segundo. Ele pegou a bola no campo de defesa, e driblou quatro jogadores adversários antes de entrar na área e tocar na saída do goleiro. Golaço!


Jogador uruguaio tomando cartão vermelho após jogada ríspida. Foto: Fernando Martinez.

Dois minutos depois o Santos matou de vez as chances uruguaias com mais uma saída rápida para o ataque. O mesmo Tiago Alves recebeu passe perfeito do camisa 18 Felipe e de novo tocou sem chances para o goleiro Fleitas. O Peixe vencia com autoridade e com três golaços.

Final de partida: Santos 3-0 Peñarol. Vitória maiúscula dos meninos do Peixe que garantiram a vaga na final contra o Flamengo. Os jogadores mostraram mais uma vez um toque de bola fantástico, animando a torcida com mais essa leva promissora de craques. O Peñarol foi valente enquanto pode, e não perdeu a cabeça, se garantindo para disputar o terceiro lugar do torneio contra o Sevilla.

Após o apito final, ainda fiquei por ali um pouco até pegar o rumo da Estação Jardim Belval para seguir para casa. Mas antes disso a fome apertou, e eu e os dois amigos presentes degustamos uma deliciosa pizza ali mesmo, no meio da avenida. Fome saciada, segui por duas horas nos transportes públicos da Grande São Paulo até chegar em casa mais uma vez com a sensação de dever cumprido.

E no sábado teve a minha despedida da Supercopa, com a fantástica decisão-fantasma do terceiro lugar do torneio.

Abraços!

Fernando

Flamengo massacra o Sevilla e garante vaga na final da Supercopa

Olá!

Nesta última sexta-feira eu fui até a Arena Barueri para acompanhar a fantástica Supercopa Eurofarma de Futebol Júnior. Mesmo sendo uma categoria abaixo do profissional, que é o nosso carro chefe, vale a pena prestigiar esse tipo de torneio, principalmente pela iniciativa de trazer equipes internacionais para o Brasil.

Segui até Barueri junto com o Fernando, que já era nessa altura, quase embaixador do torneio, devido a presença constante nos jogos por lá. O primeiro jogo do dia foi Flamengo x Sevilla, pela primeira semifinal do torneio. Depois de um credenciamento super rápido seguimos para fazer as fotos oficiais e exclusivas da partida.


CR Flamengo (sub-19) - Rio de Janeiro/RJ. Foto: Emerson Ortunho.


Sevilla FC (sub-19) - Sevilla/Espanha. Foto: Emerson Ortunho.


Posando para as lentes do JP o árbitro Flávio Rodrigues de Souza, os auxiliares Luiz Antonio Corrêa e Renata Ruel Xavier de Brito e os capitães dos clubes. Foto: Emerson Ortunho.

Apesar da maratona de jogos das equipes, o jogo começou bem movimentado, com o Flamengo mostrando um futebol mais objetivo desde o princípio. Mas até a metade do primeiro tempo, o Sevilla até manteve um bom ritmo, segurando bem as investidas do Flamengo. Aos 26 minutos a superioridade rubro-negra começou a vir a tona, quando Eliabe marcou de cabeça o primeiro tento da equipe.


Camisa 9 do Sevilla sofrendo marcação firme de zagueiro rubro-negro. Foto: Emerson Ortunho.


Começo de ataque espanhol. Foto: Emerson Ortunho.

Ainda sob a empolgação do primeiro gol, aos 32 minutos, Gualhardo ampliou para o Fla em cobrança de pênalti. Apesar do rubro-negro continuar jogando bem, os espanhóis conseguiram dar uma equilibrada na partida e segurar o placar até o intervalo.


Segundo gol do Flamengo, marcado pelo camisa 2 Galhardo. Foto: Fernando Martinez.


Dentro da área, marcador do Flamengo desarma atacante do Sevilla. Foto: Fernando Martinez.


Jogadores apostando corrida no gramado da Arena Barueri. Foto: Fernando Martinez.

No segundo tempo o Flamengo foi muito superior, principalmente na parte física, e a equipe começou marcando logo no começo desta etapa. Após o árbitro ter marcado um sobrepasso do goleiro, Dudu mandou para o fundo da rede em lance de dois toques.



Duas imagens do terceiro gol do Flamengo na partida, em cobrança de tiro livre indireto dentro da área espanhola. Fotos: Fernando Martinez e Emerson Ortunho.

Mesmo com o Flamengo melhor e emplacando uma goleada, o jogo não era muito vistoso, devido obviamente a sequência cansativa de jogos das duas equipes. Mesmo assim o rubro-negro teve fôlego para ampliar com Maycon Douglas e com Dudu, que deixou mais dois tentos nas redes dos espanhóis

Final de jogo: Flamengo 6 x 0 Sevilla. O placar diz tudo e temos que dizer que o Flamengo foi melhor na partida, mas também não pode-se dizer que o Sevilla não tenha nenhuma qualidade, até mesmo porque a equipe chegou as semifinais. O cansaço pegou muito, mas como os flamenguistas jogaram o mesmo número de vezes, então vai ser difícil a equipe de sevilhana explicar esse resultado lá na terra dos visigodos.

Daqui a pouco o Fernando completa a rodada dupla.

Abraços!

Emerson

Goleada inapelável do Sevilla no violento Boca Juniors

Fala pessoal!

Depois da definição do Grupo A da Supercopa Eurofarma de Futebol Júnior, agora era a vez do Grupo B definir os dois times que passariam para as semifinais. E ao cair da tarde da Arena Barueri, Sevilla e Boca Juniors entraram em campo com objetivos bastante distintos em um jogo altamente improvável de acontecer em terras tupiniquins. E de novo fiz as fotos exclusivas e oficiais dos times e do trio de arbitragem:


Sevilla FC (sub-19) - Sevilla/Espanha. Foto: Fernando Martinez.


CA Boca Juniors (sub-19) - Buenos Aires/Argentina. Foto: Fernando Martinez.


O trio de arbitragem para a partida internacional na Arena: o árbitro Philippe Lombard e os auxiliares Dante Mesquita Júnior e Raphael Carlos Ferreira da Cruz. Junto com eles, os capitães do time argentino e do espanhol. Foto: Fernando Martinez.

Com a bela vitória em cima do Corinthians na segunda rodada, o Sevilla ficou numa boa posição para buscar a classificação, pois vencendo o Boca Juniors deixaria o Timão na dependência de vencer o fortíssimo time do Santos para ir para as semifinais. O Boca queria tentar apagar a má impressão deixada nos dois primeiros jogos e prometia ir para cima.

Mas conforme já tinha visto nas derrotas da equipe para Corinthians e Santos, o Boca é uma equipe que bate muito, sendo desleal em vários momentos. Os atletas, todos com menos de 19 anos, confundem vigor físico com violência e tiveram a participação mais vexaminosa do time no torneio contra o Sevilla.


Jogadores do Sevilla trocando passes na lateral. Foto: Fernando Martinez.

O onze espanhol começou o jogo com o mesmo bom futebol mostrado nos jogos anteriores e não demorou muito para que tomasse conta da partida. O Boca tentava chegar em jogadas pelas laterais, mas sem levar maior perigo ao goleiro Sergio.


Começo de ataque da equipe espanhola, que mostrou ótimo futebol durante todo o campeonato. Foto: Fernando Martinez.

Aos 18 minutos então veio o lance mais lamentável de toda competição disputada em Barueri. Numa jogada rápida pela direita, a bola foi lançada para o jogador Jose Infante, camisa 8 do Sevilla. Ele entrou na área e sofreu uma entrada absurda e totalmente criminosa do goleiro argentino Allende. Do outro lado consegui perceber que o lance tinha sido muito feio... e foi mesmo, pois o jogador espanhol sofreu fratura exposta na perna.

Não entendi o árbitro, pois ele deu somente um cartão amarelo para o arqueiro. O cartão vermelho seria pouco, e o camisa 12 do Boca merecia ter sido levado de camburão pelo lance absurdo. Enquanto era atendido fora do campo, o jogador Alberto bateu o pênalti e deixou o Sevilla na frente do placar.


Lance do primeiro gol do Sevilla, marcado em cobrança de pênalti, na partida contra o Boca Juniors. Foto: Fernando Martinez.

Com a urgência no atendimento ao jogador lesionado, a ambulância foi imediatamente acionada e teve que deixar a Arena Barueri para levar o rapaz a um hospital próximo. Isso aconteceu aos 22 minutos, e cantei a bola para o David - que estava nas arquibancadas do estádio - que se o árbitro fosse cumprir à risca a lei, ele teria que parar o jogo naquele momento, pois a ambulância não estava mais lá.

Com um atraso de 10 minutos, o quarto árbitro percebeu a situação e a partida foi interrompida imediatamente. Aí acompanhei uma série deconceitos incorretos por parte das autoridades baruerienses. Essas pessoas ficaram indignadas pois, nas palavras delas, o árbitro estava sendo "preciosista" e também estava "denegrindo a imagem de Barueri para o Brasil todo". Isso mostrou um desconhecimento enorme do que acontece atualmente no futebol paulista e brasileiro.

Qualquer um que conheça e acompanhe só o mínimo de futebol sabe que nenhum jogo pode começar ou ter continuidade sem ambulância no estádio. São inúmeros os casos de jogos que começam atrasados, que são paralisados ou que nem chegam a acontecer pelo simples fato da ambulância não estar presente. Sou testemunha in loco em mais de uma dezena de casos em que isso aconteceu.

Tentaram até colocar o Coronel Marinho na parada, mas ele confirmou que o procedimento estava certo, dando inteira razão ao árbitro do jogo. Somente aí alguém teve a ideia de disponibilizar uma viatura da Polícia Militar e um desfibrilador para que o jogo recomeçasse. Fica a estranheza em ver autoridades locais sem conhecer informações básicas para a organização de um jogo de futebol.


Cruzamento do onze portenho dentro da área adversária. Foto: Fernando Martinez.

Bom, depois de 17 minutos a partida recomeçou e o Sevilla, mesmo sentindo a perda do seu jogador machucado, continuou melhor. Antes do apito final para o intervalo, o camisa 10 Joaquin Ruiz completou cruzamento da esquerda e marcou o segundo. Fora do lance, o camisa 2 argentino Alan Perez acertou um pontapé num espanhol e foi expulso.


O Sevilla mandava no jogo, e criava chances de perigo a todo momento, como essa ainda no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo fui para as cabines tomar uma água e degustar saborosas bolachas oferecidas para o pessoal da imprensa, então resolvi ficar por lá na maioria do tempo final. Tempo que foi de um só time, pois o Sevilla aniquilou o onze portenho. Aos 2 minutos, a equipe fez o terceiro com o bom camisa 14 Oscar Jimenez completando cruzamento preciso.


Grande defesa do goleiro do Boca Juniors. Foto: Fernando Martinez.

O quarto gol foi marcado pelo camisa 6 Antonio Marrufo aos 19 minutos, e o quinto veio aos 22, em golaço do jogador Alberto Perez. Ele recebeu passe em profundidade e tocou da entrada da área por cobertura. Golaço para premiar a única equipe que buscou jogar bola em campo. Se o time tivesse apertado um pouco mais, poderia ter marcado muito mais gols.


Mais uma chegada espanhola, em jogo amplamente dominado pelos espanhóis. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Sevilla 5-0 Boca Juniors. O resultado deixou a equipe espanhola classificada para a as semifinais, independente do resultado do próximo jogo. O Boca Juniors voltou para casa com três derrotas e uma imagem manchada pelo violento futebol e pela assustadora falta de maturidade dos seus atletas.

Pena que para o jogo seguinte minha máquina tenha simplesmente parado de funcionar na hora das fotos dos times posados. O clássico paulista entre Santos e Corinthians prometia muito, pois o Santos se garantiria na próxima fase com um empate, enquanto o time do Parque São Jorge dependia de uma vitória por dois gols de diferença.


Times do Santos e do Corinthians posados para as lentes do JP. Fotos: Fernando Martinez.

E justamente no jogo mais fantástico da noite eu não fiz nenhuma foto. Foi um primeiro tempo primoroso, recheado de emoções e com lances belíssimos. O Corinthians marcou primeiro, o Peixe virou, e o Timão voltou a virar o jogo com o placar de 3x2 ainda antes do final da etapa inicial. Impossível não se empolgar vendo um jogo assim.

Fui embora na metade da segunda etapa, caso contrário o transporte coletivo da Grande São Paulo não me deixaria chegar em casa. O jogo teve menos emoções nos 45 minutos finais, e o Santos acabou empatando a partida nos últimos minutos, eliminando o Corinthians e se classificando em primeiro lugar do Grupo B. As semifinais ficaram definidas com os jogos Flamengo x Sevilla e Santos x Peñarol.

Junto com o amigo Colucci voltei para São Paulo extremamente cansado, mas já pronto para a rodada de sexta-feira.

Abraços!

Fernando

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Flamengo elimina o Palmeiras e se garante nas semifinais da Supercopa

Opa,

O segundo jogo da minha maratona futebolística na Supercopa Eurofarma de Futebol Júnior na quinta-feira passada foi um clássico brasileiro. A Arena Barueri viu os times do Palmeiras e do Flamengo definirem a situação final do Grupo A.

Mas esperar esse jogo não foi tarefa fácil, já que a preliminar terminou às 13 horas e essa peleja começaria apenas às 16, "apenas" três horas depois. Na saída do primeiro jogo encontrei o amigo Rodrigo Colucci e fomos almoçar numa bela padoca que fica perto da Estação Jardim Belval. Deu tempo de comer sem pressa e ainda colocar o papo em dia.

Mesmo ensebando demais, chegamos de volta na Arena Barueri faltando ainda mais de uma hora e meia para começar o jogo, e passamos esse tempo todo conversando com o pessoal da equipe técnica e profissionais da TV a cabo que transmitiu o torneio. O tempo passa rápido quando o papo é agradável, e sem perceber a hora do jogo já estava chegando. Fui então para o gramado fazer as fotos oficiais e exclusivas para o JP:


SE Palmeiras (sub-19) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


CR Flamengo (sub-19) - Rio de Janeiro/RJ. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Marcelo Prieto Alfieri, os auxiliares Rogério Pablos Zanardo e Márcio Jacob e os capitães dos times. Foto: Fernando Martinez.

O time carioca estava apenas a um empate de garantir sua vaga como primeiro colocado do Grupo A, e o Palmeiras precisava de uma vitória por dois gols de diferença para se garantir na semifinal. Mas pelo que tinha visto em flashes dos jogos anteriores, a tarefa palmeirense seria das mais complicadas.


Jogada plástica no jogo entre Palmeiras e Flamengo/RJ. A pose ficou digna de torneios de ginástica. Foto: Fernando Martinez.

Novamente não dei sorte na escolha de lado no primeiro tempo da partida, pois os melhores lances sempre foram do lado oposto aonde estava. Quando acompanhava o ataque flamenguista, as melhores chances na primeira metade do tempo inicial foram do time alviverde, com duas bolaças na trave aos 19 e aos 25 minutos, respectivamente com os jogadores Caio e Ramos. Nas duas oportunidades os atletas pediram gol, pois a bola quicou em cima da linha.


Ataque rubro-negro pela direita e falta do atleta palmeirense. Foto: Fernando Martinez.


Disputa de bola na lateral do gramado. Foto: Fernando Martinez.

Resolvi então mudar de lado e ir para o ataque paulista, e durante o restante da primeira etapa só deu Flamengo. Quando o jogo parecia que chegaria no intervalo com o zero no marcador, o rubro-negro teve um pênalti marcado a seu favor. No lance, o jogador Guilherme, mesmo puxado pelo atleta palmeirense, marcou um golaço, mas antes da conclusão o árbitro já havia apitado. O camisa 2 Galhardo bateu de forma precisa no canto direito e marcou o primeiro dos cariocas.


Atleta alviverde encarando jogador do Flamengo. Foto: Fernando Martinez.


Detalhe do primeiro gol da partida, marcado pelo capitão flamenguista Galhardo. Foto: Fernando Martinez.

Cansei de ficar no campo e fui curtir o segundo tempo das cabines de imprensa da Arena Barueri, com direito a lanche, mordomia e tudo que temos direito. De lá acompanhei um segundo tempo mais movimentado e com mais chances de gol. Precisando virar o jogo para 3x1, o Palmeiras voltou disposto a marcar logo, e foi premiado aos 9 minutos com um gol de cabeça do atacante Ciro. A comemoração foi com o seu pai, que estava lá como um dos médicos da partida.


O exato momento do empate palmeirense com a cabeçada do jogador Ciro. Foto: Fernando Martinez.

Animado com o empate, o Palmeiras foi para cima e quase virou o placar aos 15 minutos, num belo chute de longe do jogador Raílson que acabou acertando a trave. E quando o time da casa dominava a partida, o Flamengo jogou um balde de água fria nas pretensões alviverdes e marcou o segundo gol aos 23 minutos com uma ajuda do zagueiro João Victor. Depois de jogada pela direita a bola foi cruzada e, na tentativa de cruzar, o camisa 3 colocou para dentro do seu próprio gol.


Chance perigosa para o time carioca na segunda etapa. Foto: Fernando Martinez.

Esse lance desanimou o time paulista, e os atletas não tiveram mais forças para criar chances ou assustar a equipe carioca. O jogo foi seguindo em banho-maria até seu apito final. Final de jogo: Palmeiras 1-2 Flamengo/RJ. Ao término das três rodadas do Grupo, o rubro-negro ficou em primeiro lugar e o Peñarol em segundo.

Mas o dia estava longe de terminar, e mais um jogo genial entre times de fora do país animou a noite na Arena Barueri.

Abraços!

Fernando

Peñarol (quase) nas semifinais da Supercopa Eurofarma

Fala pessoal!

Depois de acompanhar as duas primeiras rodadas do Grupo B da Supercopa Eurofarma de Futebol Júnior, a quinta-feira me reservou a chance de ver os quatro times do Grupo A, e além disso também a chance de colocar um time fantástico na minha Lista. Caí da cama já preparado para uma maratona futebolística na Arena Barueri, e junto com o seu Natal fui ver o primeiro jogo, entre Peñarol e o Futebol Clube do Porto.

Chegamos em cima da pinta, e corri rapidinho até o gramado da Arena para não perder a foto das equipes. O mais legal é que em todos os jogos dessa rodada as fotos são totalmente exclusivas do JOGOS PERDIDOS:


FC do Porto (sub-19) - Porto/Portugal. Foto: Fernando Martinez.


CA Peñarol (sub-19) - Montevidéu/Uruguai. Foto: Fernando Martinez.


Capitães de Porto e Peñarol posando com o árbitro Thiago Duarte Peixoto, os auxiliares Luiz Quirino da Costa e Michel Ferreira da Silva e o quarto árbitro Willian Rocha Padilha. Foto: Fernando Martinez.

Depois de incluir o Sevilla, não poderia perder a chance de ver o Porto no quintal de casa, ainda mais numa partida que já decidiu um título mundial, o famoso "jogo da neve" aonde o time português se sagrou Campeão Mundial em 1987. Foi a segunda equipe da terra de Camões que incluí na Lista, já que tinha o Marítimo desde o longínquo ano de 1998 na minha história futebolística.

O Peñarol também não fica atrás em questão histórica, e só tinha visto a equipe uruguaia duas vezes, uma contra o São Paulo em 1999 e a outra contra o São Caetano em 2001. Com a decadência da equipe, ficou muito difícil acompanhar jogos dessa lendária equipe. Resumdo da ópera: não faltavam ingredientes para acompanhar in loco essa peleja.

E falando da situação das equipes na Supercopa Eurofarma, o Porto já estava virtualmente eliminado, e somente com a volta do rei Dom Sebastião, morto da Batalha de Alcácer-Quibir, o time pudesse garantir de forma milagrosa essa vaga. Para o Peñarol a tarefa era mais simples, e uma vitória deixaria o time com um pé na fase semifinal.


Cruzamento de jogador do Peñarol pela direita do seu ataque. Foto: Fernando Martinez.


Falta para a equipe uruguaia que acabou batendo na barreira. Foto: Fernando Martinez.

Para esse jogo consegui descobrir uma sombrinha fantástica atrás do gol defendido pelo arqueiro do Porto Elói. Só assim para suportar o chatíssimo calor que fazia por lá. Acompanhei um primeiro tempo equilibrado, aonde o Porto fez uma partida digna contra um adversário visivelmente mais forte. O Peñarol tentava fazer logo seu gol, mas estava afobado demais nas conclusões.


Tentativa de longe para a equipe sul-americana. Foto: Fernando Martinez.

O tempo inicial seguiu com essa toada, e aproveitei um convite do pessoal local para conhecer as instações de imprensa que ficam do lado oposto às atuais cabines de TV. O local é muito bem arrumado, com uma seção VIP belíssima e 24 cabines muito confortáveis. Dali acabei vendo o primeiro gol da partida, justamente do onze lusitano. Numa cobrança de pênalti aos 35 minutos, o camisa 7 Fábio aproveitou o rebote do goleiro Pablo e deixou o Porto na frente.


Momento em que o arqueiro Pablo fazia a defesa do pênalti cobrado por Fábio, mas no rebote o gol acabou acontecendo. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo acabei voltando para o campo, já que o único lugar que dava para ficar na boa com o sol de meio-dia era na sombra atrás do gol "da esquerda". E para mostrar que a Lei de Murphy funciona mesmo, os demais gols do jogo saíram do lado oposto e bem longe de mim, pois o Peñarol voltou disposto a virar o marcador.


Jogador português fazendo uma acrobacia na Arena Barueri. Foto: Fernando Martinez.


Chegada do Porto pela esquerda com a marcação cerrada de zagueiro do Peñarol. Foto: Fernando Martinez.

Logo aos 5 minutos o onze uruguaio deixou tudo igual com um golaço do jogador Alejandro, que entrou na área, driblou o zagueiro e chutou no canto esquerdo do goleiro. A equipe sul-americana continuou insistindo e depois de perder vários gols, conseguiu a esperada virada aos 29 minutos numa cobrança de pênalti do camisa 10 Miguel Agustín.


Mesmo de longe, esse é o gol que decretou a viada uruguaia, em pênalti cobrado por Miguel Augustín. Foto: Fernando Martinez.

Dois minutos após esse gol, o Peñarol marcou o terceiro com mais um gol de Miguel Augustín. Daí foi só aguardar o apito final para festejar a classificação. Final de jogo: Porto 1-3 Peñarol. O time uruguaio já era dono de uma das vagas para a segunda fase, e o jogo seguinte definiria o outro time que iria jogar a semifinal vindo do Grupo A. E um clássico brasileiro estava na pauta do dia.

Até lá!

Fernando