Procure no JP

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Novo empate entre Jabaquara e Nacional pela Segundona Paulista

Buenas!

O que é mais divertido? Assistir Alemanha x Inglaterra na televisão, ou Jabaquara x Nacional no campo? Bom, eu não tive dúvida e segui junto com o meu amigo David para Santos, onde fomos acompanhar mais uma peleja válida pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Os dois tradicionais times do estado se enfrentaram no Estádio Espanha em jogo que podia reacender as chances do vencedor no Grupo 6. Como de costume, seguem as fotos oficiais da partida, mas antes de tudo, vai um abraço para o amigo Miguel, que acompanhou a delegação do Nacional lá na Caneleira.


Jabaquara AC - Santos/SP. Foto: Emerson Ortunho.


Nacional AC - São Paulo/SP. Foto: Emerson Ortunho.


O árbitro Eduardo César Coronado Coelho, os assistentes Luiz Quirino da Costa e Jairo Martins de França e o quarto árbitro José Claudio da Silva posam junto com os capitães dos times. Foto: Emerson Ortunho.

Ao contrário das últimas partidas, desta vez até que o Jabaquara começou o jogo apresentando um futebol razoável e foi para cima do Nacional. A equipe ferroviária, por sua vez, também não fez feio e equilibrou logo a partida.


Ataque jabaquarense pela direita. Foto: Emerson Ortunho.


Jogadores apostando corrida dentro de campo. Foto: Emerson Ortunho.

Com a boa movimentação das equipes, o gol poderia sair para qualquer lado. A sorte então veio primeiro para o Nacional, que fez 1 a 0 com Vinicius aos 10 minutos. O Jabaquara sentiu bastante o golpe e se desestabilizou em campo, cedendo novas oportunidades para o Nacional ampliar. Mas mesmo rateando um pouco o Jabuca não levou mais gols e o jogo seguiu para o intervalo com somente um tento revés.


Boa disputa de bola na partida. Foto: Emerson Ortunho.


Ataque nacionalino com a arquibancada do Estádio Espanha ao fundo. Foto: Emerson Ortunho.

No segundo tempo, o Jabaquara voltou com novo gás e foi para cima do Nacional. Com exelente atuação do atacante Samuel, a aquipe chegou ao empate com Cleberson, após cobrança de escanteio. Na sequência do gol, o Jabaquara continuou jogando melhor, até que veio a virada. Desta vez, Joel marcou para delírio da sofrida torcida jabaquarense.


O Jabaquara tentou, mas não conseguiu vencer em casa. Foto: Emerson Ortunho.

Porém, como não parece ser mesmo o ano do Jabaquara, Samuel se machucou e deixou o campo, enfraquecendo um pouco a equipe rubro-amarela. Sentindo o recuo do mandante, o Nacional foi em busca do empate. O Leão até tentou segurar a vitória, logrando êxito até os 44 minutos do segundo tempo, quando num cruzamento vindo da direita, Marcos Vinícius completou para o gol, dando números finais à partida.


Tentativa de saída rápida no ataque do Jabuca ao final da partida. Foto: Emerson Ortunho.

Final de jogo: Jabaquara 2 x 2 Nacional. O resultado do primeiro turno se repetiu nesta partida, o que foi ruim para as duas equipes, pois ambas estacionaram na zona de baixo da tabela. O Jabuca continua mostrando muita instabilidade em campo, apesar de ter melhorado um pouco em relação aos jogos anteriores. O Nacional parece um time que ainda não encontrou motivação no campeonato. Vê-se qualidade técnica no elenco, mas está faltando o "algo" a ser descoberto logo pelo técnico Vampeta, senão o time vai ficar na primeira fase.

Abraços!

Emerson

terça-feira, 29 de junho de 2010

Brasilis vence fora e se aproxima do G4 do Grupo 3 da Segundona

Olá,

Seguindo com a minha jornada tripla do último fim de semana, depois de ter visto de perto a partida Paulínia x Primavera realizada no sábado, cujo post já está no ar, no domingo bem cedinho peguei a Via Anhanguera e segui até a cidade de Porto Ferreira, que se denomina como sendo a Capital da Cerâmica Artística, com o objetivo de acompanhar mais um jogo do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. A pedida dessa vez foi a partida S.E. Palmeirinha x Brasilis F.C.L., realizada no Estádio SE Palmeirinha, também chamado de Vila Famosa, válida pela nona rodada da primeira fase do Grupo 3 da competição.

Diferente da partida vista no sábado, esse jogo reuniu dois times que estavam fora do G4 e apresentando campanhas insatisfatórias, em especial o time da casa que entrou em campo sem nenhum ponto conquistado, se situando na última colocação (7ª) do seu grupo. Na verdade o Palmeirinha ganhou um único jogo, que foi contra o Guaçuano, mas como estava com pontuação negativa (-3) por conta de penalidade imposta pelo TJD da FPF, os três pontos conquistados serviram apenas para zerar o déficit. 

Por outro lado, o time visitante ocupava a 5ª posição com 7 pontos ganhos. Caso vencesse esse jogo e o seu concorrente direto à quarta vaga (Radium de Mococa) fosse derrotado na partida a ser realizada à tarde em Rio Claro contra o Velo Clube, poderia se aproximar da zona de classificação. Chegando ao meu destino, como de hábito, fui para o gramado aguardar a entrada dos times e dos árbitros para fazer as tradicionais fotos oficiais, as quais estão apresentadas abaixo:


S.E. Palmeirinha - Porto Ferreira/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Brasilis F.C.L. - Águas de Lindóia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Trio de arbitragem formado por Luiz Carlos Ramos Júnior e seus assistentes Marco Antônio Monteiro Bagatella e Marcelo Luís da Silva acompanhado pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

A partida foi iniciada e tomou um rumo que não agradava ao pequeno público presente, pois os dois times não conseguiam criar jogadas que pudessem levar algum perigo às defesas. O jogo não tinha sequência, uma vez que era muito truncado por conta de várias faltas e o grande número de bola indo para fora. Mesmo assim, as equipes demonstravam muito espírito de luta, tentando compensar as dificuldades técnicas com esforço.


Acirrada disputa de bola junto ao meio de campo. Foto: Orlando Lacanna.

Com o passar do tempo, o Brasilis passou apresentar um melhor rendimento e, com isso, conseguiu chegar mais próximo à área do Palmeirinha, criando alguns bons momentos, como aconteceu na marca dos 25 minutos, em jogada pela esquerda criada por Alex, cuja conclusão morreu nas mãos do goleiro Jorge. Essa jogada animou o time de Águas de Lindóia e, dois minutos depois, repetiu a mesma jogada com o mesmo Alex, mas novamente o goleiro alviverde acabou com a festa. 

O Palmeirinha tentava chegar ao ataque, mas os seus atacantes não conseguiam superar a marcação dos zagueiros do time laranja. Com a defesa segurando a onda, o Brasilis foi tomando conta das ações e foi chegando ao ataque com mais frequência, como aconteceu aos 39 e 41 minutos em jogadas concluídas por Magno e João Paulo, sendo que no primeiro arremate o goleiro Jorge fez um verdadeiro milagre, enquanto o segundo chute foi para fora, passando muito perto. 

O encerramento da primeira etapa se aproximava e aos 43 minutos o Brasilis chegou ao seu gol, marcado por Gian Carlo que acertou um petardo de fora da área, mandando a bola no alto da meta defendida por Jorge. Logo em seguida o primeiro tempo foi encerrado com a vantagem mínima a favor do time visitante.


Momento exato do arremate de Gian Carlo que resultou no gol do Brasilis. Foto: Orlando Lacanna.


Goleiro Jorge do Palmeirinha segurando cruzamento do ataque do Brasilis. Foto: Orlando Lacanna.

Durante o intervalo deixei o gramado e fui acompanhar a segunda etapa instalado numa das cabines de imprensa. De lá de cima, observei um Palmeirinha mais ofensivo e decidido a chegar ao empate. A grande oportunidade chegou aos 7 minutos, quando o árbitro corretamente marcou pênalti contra o Brasilis, em razão de o zagueiro Ernando ter colocado a mão na bola evitando o gol, após uma bobeada do goleiro Cleber que soltou a bola nos pés do atacante do Palmeirinha. O zagueiro recebeu o cartão vermelho e foi para o chuveiro mais cedo.


Goleiro Cleber do Brasilis indo para a defesa, mas soltou a bola e daí surgiu o pênalti. Foto: Orlando Lacanna.

Com a marcação do pênalti, havia chegado a grande oportunidade do Palmeirinha marcar o seu gol. Bola na marca da cal e Willian Fernando se apresentando para a cobrança que foi feita à meia altura e no meio do gol, permitindo ao goleiro Cleber se redimir do erro inicial, praticando a defesa e mantendo a vantagem no placar.


Goleiro Cleber defendendo pênalti cobrado por Willian Fernando. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo desperdiçando a grande chance do empate, mas com um homem a mais, o Palmeirinha continuou tentando chegar à igualdade, criando algumas jogadas que levaram perigo ao setor defensivo do Brasilis, como aconteceu aos 18 minutos, quando o atacante Venâncio mandou a bola para o fundo da rede, mas para sua tristeza e da torcida presente, o lance foi invalidado por conta da marcação de um impedimento no início da jogada. A arbitragem andou bem nesse lance. 

A partir do vigésimo minuto, o desenho do jogo passou a ser o Palmeirinha tendo mais posse de bola e procurando chegar ao ataque, enquanto o Brasilis só ficava esperando o momento certo para sair em contra-ataque. Nesse contexto, o Brasilis assustou aos 22 minutos, numa escapada de Rodrigo pela meia esquerda, porém o goleiro alviverde estava esperto e fez a defesa. 


Tentativa de ataque do Palmeirinha no segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Por volta dos trinta minutos, o Palmeirinha também ficou com um homem a menos, pois o lateral Marcelino se contundiu e deixou o gramado. Como o time de Porto Ferreira já havia feito as três substituições, o jeito foi ir até o fim com dez atletas.

Nos últimos dez minutos o jogo perdeu um pouco do ritmo, com dos dois times apresentando desgaste físico por conta do esforço empregado durante toda a partida, que foi encerrada com o placar mostrando Palmeirinha 0 - 1 Brasilis, resultado que manteve os anfitriões na última colocação sem nenhum ponto, enquanto os visitantes chegaram aos 10 pontos conquistados, mas ainda na 5ª colocação.

Fim de jogo e início de mais uma viagem, agora com destino a outra cidade do nosso interior com o objetivo de conferir mais uma partida da Segundona, mas antes parando num restaurante na estrada, pois ninguém é de ferro. A história do jogo da tarde será contada mais tarde. Aguardem.

Abraços

Orlando

Paulínia empata e mantém liderança do Grupo 4 da Segunda Divisão

Olá,

Mesmo com as oitavas de final da Copa do Mundo da África em pleno andamento, o JP manteve o seu propósito e saiu a campo para acompanhar "in loco" mais quatro partidas válidas pelo Campeonato Paulista da Segunda Divisão. A mim coube a grata missão de conferir três jogos, sendo um no sábado à tarde e dois no domingo. A minha jornada teve início na linda cidade de Paulínia, mais precisamente no Estádio Luiz Perissinotto, local da realização da partida Paulínia F.C. x E.C. Primavera que valeu pela nona rodada da primeira fase da competição.

Esse confronto reuniu duas equipes que já estavam no G4 e um bom resultado poderia reforçar ainda mais o caminho na busca da tão sonhada classificação à segunda fase. Os donos da casa entraram em campo como líderes do grupo com 18 pontos, enquanto os visitantes ocupavam a 3ª colocação com 14 pontos. Com essas duas boas campanhas, a partida prometia ser das melhores. 

Fiz uma viagem tranquila e cheguei com tempo de sobra para conseguir as escalações sem correria, bem como deixar tudo acertado para fazer as fotos oficiais, as quais estão apresentadas abaixo:


Paulínia F.C. - Paulínia/SP. Foto: Orlando Lacanna.


E.C. Primavera - Indaituba/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Capitães das equipes ao lado do quarteto de arbitragem formado por Flávio Rodrigues de Souza, seus assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e Fausto Augusto Viana Moretti, além do quarto árbitro Rafael Emílio Acerra. Foto: Orlando Lacanna. 

Quando me aproximei dos atletas do Primavera para fazer a foto do time posado, notei um novo distintivo do "Fantasma da Ituana", o qual apresento em primeira mão aos amigos internautas que nos acompanham.


Novo distintivo do E.C. Primavera. Foto: Orlando Lacanna.

Tão logo o árbitro autorizou o início da partida, o Paulínia saiu com tudo ao ataque e criou dois momentos de perigo com menos de um minuto de jogo, em duas finalizações de Biel que exigiram duas boas defesas do goleiro Neto.


Um dos arremates de Biel no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Ao longo da primeira etapa, o Paulínia teve muito mais presença ofensiva, tanto que chegou perto de abrir a contagem em vários momentos, como aconteceu na marca dos 17, 20, 36, 37 e 38 minutos, em jogadas concluídas por Marcos Aurélio (duas vezes), Fabiano, Faustino e Cassinho. Em três dessas jogadas, o gol só não saiu graças a ótima atuação do goleiro Neto, que praticou três importantes defesas garantindo o empate sem abertura de contagem até o encerramento do primeiro tempo.


Zaga do Primavera dificultando a vida do atacante do Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.


Uma das várias defesas do goleiro Neto no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Na volta do intervalo, o Primavera mostrou logo de cara que havia retornado ao gramado com outra postura, sendo que aos 10 minutos chegou forte ao ataque pela primeira vez na partida. A jogada foi de Rocha, obrigando o goleiro Diego Júnior a desviar para escanteio. Nos primeiros quinze minutos, o Tricolor de Indaituba realizou mais ataques do que em toda primeira etapa, tendo conseguido três escanteios seguidos.


Momento ofensivo do Primavera do início do segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

O Primavera continuou mais atuante até por volta do vigésimo minuto e, justamente no seu melhor momento no jogo, acabou sofrendo o gol de abertura, anotado por Fabiano aos 21 minutos, num arremate espetacular desferido da intermediária, que entrou no ângulo superior direito da meta defendida por Neto, que se esticou todo, mas não conseguiu evitar o golaço. 

Mesmo inferiorizado no placar, o time de Indaituba foi para cima e quase chegou à igualdade, aos 24 minutos, numa cobrança de falta por intermédio de Oliveira, que mandou a bola contra o travessão da meta guarnecida por Diego Júnior que tocou de leve na bola e evitou o gol.

Um minuto depois, o Paulínia aumentou a vantagem através de um gol anotado por Cassinho em cobrança de pênalti, sofrido por Faustino junto à entrada da área pelo lado direito. Achei que o zagueiro primaverino se precipitou no lance, uma vez que o atacante não estava de frente para o gol e era só cercar.


Goleiro num canto e bola no outro no segundo gol do Paulínia. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos vinte minutos, a partida caiu um pouco de ritmo, mas mesmo assim, os times se alternavam em descer para o ataque. Quando tudo indicava que não haveria mais mexida no marcador, eis que, na marca dos 40 minutos, o Primavera chegou ao seu primeiro gol, anotado por Paulo Henrique ao aproveitar uma sobra de bola no interior da área, após rebote do goleiro da casa.


Jogada que originou o primeiro gol do Primavera. Foto: Orlando Lacanna.

Os últimos cinco minutos e os acréscimos foram emocionantes, pois o Primavera foi com tudo na busca do empate e o Paulínia ía se segurando do jeito que dava. Quando tudo parecia que estava consumado, no último lance do jogo, o Primavera chegou ao empate através de um verdadeiro golaço anotado por Paulo Henrique, que mandou um tirambaço de primeira desferido da intermediária, com a bola entrando no alto da meta do time auri-anil. A comemoração foi intensa por parte dos atletas junto com a turma que estava no banco de reservas.


Agora o lance que originou o gol de empate do Primavera. Foto Orlando Lacanna.

Final de partida com o placar apontando Paulínia 2 - 2 Primavera, resultado que manteve os times nas mesmas posições que ocupavam antes da rodada (1ª e 3ª), só que agora com um ponto a mais cada um (19 e 15) e com grandes chances de chegarem à segunda fase da competição.

Depois do encerramento do jogo, retorno imediato para São Paulo, via Campinas, já planejando a rodada dupla que começaria no domingo pela manhã e continuaria na parte da tarde em duas outras cidades do nosso interior, envolvendo coberturas de mais duas partidas válidas pela Segundona. Foi isso.

Abraços,

Orlando

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Taboão da Serra goleia Bernô fora de casa pela Segundona

Olá,

Após ter acompanhado a partida Desportivo Brasil x Elosport, realizada em Jaguariúna no último sábado, retornei no domingo pela manhã à vizinha cidade de São Bernardo do Campo, com o objetivo de conferir a partida E.C. São Bernardo x C.A. Taboão da Serra que foi realizada no Estádio Humberto de Alencar Castelo Branco, mais conhecido como Baetão. Esse confronto valeu pela oitava rodada da primeira fase do Grupo 6 do Campeonato Paulista da Segunda Divisão

Havia uma grande expectativa com relação a esse confronto, pois iria reunir o líder do grupo contra o segundo colocado até aquele momento. Os visitantes estavam na liderança do grupo com 12 pontos, enquanto os donos da casa haviam somado 11 pontos no seu ativo. Com essas campanhas, tudo levava a crer que seria uma partida muito disputada. 

Como de hábito cheguei ao meu destino com tempo de sobra para obter as escalações e ajeitar o esquema para fazer as fotos oficiais da partida, as quais estão apresentadas abaixo:


E.C. São Bernardo - São Bernardo do Campo/SP. Foto: Orlando Lacanna.


C.A. Taboão da Serra - Taboão da Serra/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Milton Etsuo Ballerini, os assistentes Dante Mesquita Junior e Adriano Gonçalves Camargo e o quarto árbitro João Marcos Giovanelli posam junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

Com a bola em movimento, o Taboão da Serra saiu logo de cara para o campo de ataque, tendo criado duas boas chances aos 8 e 9 minutos, em jogadas que foram concluídas por Hildo e Bina, sendo que no primeiro lance o goleiro Leandro praticou boa defesa e no segundo a bola foi pela linha de fundo com muito perigo. Aos 12 minutos, não teve jeito e o time visitante chegou ao seu primeiro gol, anotado por Terrão através de um arremate desferido da entrada da área, com a bola desviando na zaga e matando o goleiro.


Goleiro espiando a bola indo para o fundo da sua meta, no primeiro gol do Taboão da Serra. Foto: Orlando Lacanna. 

Inferiorizado no placar, o São Bernardo procurou ir ao ataque, porém seus atacantes não estavam numa manhã inspirada, uma vez que pouco produziram em termos de jogadas mais agudas. A primeira jogada mais perigosa , só aconteceu aos 25 minutos, numa investida de Dieguinho pela esquerda que acabou numa arrojada defesa do goleiro Lucas.

O time visitante mandava na partida e na marca dos 28 minutos chegou ao seu segundo gol, anotado pelo avante Hildo, ao arriscar um chute da intermediária e pegar o goleiro Leandro de surpresa. O goleiro foi infeliz no lance, permitindo que a bola quicasse à sua frente e com isso acabou não conseguindo evitar que a bola fosse para o fundo do barbante.


Bola balançando a rede do São Bernardo no segundo gol do Taboão da Serra. Foto: Orlando Lacanna.

Com a vantagem de dois gols, o Taboão da Serra passou a jogar mais plantado, chamando o São Bernardo para o campo ofensivo e ao recuperar a posse de bola saía em contra-ataques, porém não conseguiu encaixar nenhuma outra jogada mais perigosa. Nos últimos cinco minutos, o time alvinegro tentou de todas as formas diminuir a diferença, tendo ameaçado aos 43 e 46 minutos em arremates de Robson e Danilo Bahia. Nas duas conclusões o goleiro Lucas andou bem e garantiu a vantagem de 2 a 0 a favor dos visitantes.


Bola viajando pelo alto na área do São Bernardo em um dos contra-ataques dos visitantes. Foto: Orlando Lacanna. 

Durante o intervalo deixei o gramado e fui para a arquibancada acompanhar a segunda etapa ao lado do amigo do JP, o Milton Haddad. De lá vi o São Bernardo desperdiçar a melhor chance de gol, logo aos 2 minutos, numa cabeçada do zagueiro Rafael que tirou tinta do poste direito da meta do Taboão da Serra. No futebol não existe "se", mas acredito que "se" o Bernô fizesse seu primeiro gol logo no início do segundo tempo, a história da partida poderia tomar outro rumo.


Oportunidade de ouro perdida pelo São Bernardo no início do segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

A partida seguia com o São Bernardo tendo mais posse de bola, mas com pouco poder de fogo. Aos 20 minutos os visitantes quase aumentaram a diferença, num chute cruzado da esquerda desferido por Willian que passou muito perto. Pela panorâmica do jogo, a impressão era que o Taboão da Serra estava mais perto de aumentar o placar do que o São Bernardo chegar ao seu primeiro gol e isso acabou se confirmando aos 29 minutos, quando os visitantes aumentaram a diferença através de um gol anotado por Bina, após ótima escapada pela esquerda.


Mais uma vez a bola no fundo da meta do São Bernardo, agora no terceiro gol. Foto: Orlando Lacanna.

Como a manhã não era nada favorável ao time do ABC, o árbitro marcou um pênalti a favor do Bernô aos 34 minutos, mas, mesmo assim, nada de gol, pois o goleiro Lucas pulou no canto esquerdo e desviou para escanteio a cobrança executada por Ricardo, frustrando a torcida local. Um golzinho naquele momento seria de suma importância para o time da casa tentar buscar algo melhor na partida. 


Pênalti cobrado por Ricardo e defendido pelo goleiro Lucas. Foto: Orlando Lacanna.

A partida já se encaminhava para o final quando aos 43 minutos, o Taboão da Serra chegou a mais um gol, agora marcado por intermédio de Davi, após bela jogada individual pela meia direita que terminou com uma conclusão certeira cheia de estilo.


Finalizando a goleada, mais um gol do Taboão da Serra. Foto: Orlando Lacanna.

Final de partida com o placar registrando São Bernardo 0 - 4 Taboão da Serra, resultado que manteve o time visitante na primeira colocação, agora com 15 pontos. Vale lembrar que o Taboão da Serra está correndo risco de perder pontos junto ao TJD da FPF, pois foi denunciado no artigo 214 (inclusão de jogador irregular) por suposta irregularidade cometida no jogo contra o Nacional, realizado em 22/5, cujo resultado no campo de jogo foi 1x1.

O julgamento já foi adiado por três vezes e agora está marcado para ocorrer em 05/07. Com relação ao São Bernardo, mesmo com a derrota ainda permanece no G4 com os mesmos 11 pontos, mas terá que reagir, pois essa derrota foi a segunda consecutiva em casa, sendo que a competição já passou da metade e a classificação poderá ficar comprometida.

Tão logo o árbitro apitou pela última vez, deixei São Bernardo e voltei para São Paulo para curtir um almoço de domingo ao lado de familiares e me ajeitar na poltrona para assistir a vitória do Brasil sobre a Costa do Marfim. Foi isso.

Abraços,

Orlando

segunda-feira, 21 de junho de 2010

JP pela primeira vez em Jaguariúna graças à Segundona

Olá,

Dando sequência à cobertura "in loco" de algumas partidas do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, no último sábado botei o pé na estrada novamente e viajei até a simpática cidade de Jaguariúna, que até então nunca havia aparecido aqui pelas bandas do JP. O objetivo era acompanhar a partida Desportivo Brasil P. L. x Elosport Capão Bonito, realizada no belíssimo Estádio Municipal Alfredo Chiavegato, valendo pela oitava rodada da primeira fase da competição.

Antes de falar sobre as campanhas dos times e da partida, faço questão de mencionar algumas informações sobre a cidade de Jaguariúna. A cidade está localizada na Região Metropolitana de Campinas e faz parte do Circuito das Águas Paulista. Está distante da Capital cerca de 124 Km e sua população gira em torno de 41.000 habitantes.

Ao chegar à cidade, fiz um rápido passeio pelos pontos principais e observei que mesmo com o desenvolvimento industrial, Jaguariúna preserva um patrimônio histórico-ferroviário e antigos casarões. Para quem curte ferrovia, há um passeio de trem denominado "Maria Fumaça", cujo trajeto passa por fazendas centenárias. Além disso, a cidade também é conhecida por conta dos festivais de rodeio, os quais, segundo alguns entendidos, só perde para a festa de peão realizada em Barretos.


Entrada da cidade e o Trem Turístico "Maria Fumaça". Fotos: Orlando Lacanna.

Depois de conhecer alguns pontos da cidade me dirigi ao local da partida e gostei muito do que vi, pois encontrei um estádio de excelente qualidade, muito acima da maioria dos que estão sendo utilizados na Segundona. Após percorrer suas instalações fui para o gramado esperar a entrada dos artistas da bola e do quarteto de arbitragem, visando fazer as tradicionais fotos posadas, as quais apresento logo abaixo da foto da fachada do estádio.


Fachada do Estádio Municipal Alfredo Chiavegato. Foto: Orlando Lacanna.


Desportivo Brasil P. L. - Porto Feliz/SP. (mandando seus jogos em Jaguariúna). Foto: Orlando Lacanna. 


Elosport Capão Bonito - Capão Bonito/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro Danilo Luque Ribeiro, os assistentes Marcelo Carvalho Van Gasse e Juliano Rogério Vecchio e o quarto árbitro Luiz Plínio Rezende Junior posam junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

Quando me dirigi ao vestiário do mandante para conseguir a escalação, procurei saber a razão do time ter passado a mandar seus jogos da categoria profissional na cidade de Jaguariúna. Fui informado que a FPF vetou o estádio da A.A. Portofelicense e a solução foi encontrar um outro local fora da sua sede. Diante dessa situação, surgiu o acordo com a Prefeitura de Jaguariúna, válido até o final do ano. 

Para o futuro não há nenhuma decisão, pois vai depender se o Desportivo Brasil continuará na Segundona ou se estará na Série A3, sendo que no momento a sede oficial continua em Porto Feliz. Gostaria de entender os critérios da FPF em permitir que uma equipe mande todos o seus jogos fora de sua sede, enquanto outras não puderam fazer o mesmo, inclusive ficando fora da competição. 

Agora entrando no âmbito futebolístico, esse confronto era de suma importância para os dois times, uma vez que a competição já está na sua segunda metade e, por conta disso, cada jogo passa a ser uma decisão. Dessa maneira, a conquista dos três pontos significaria um bom passo rumo à classificação à segunda fase. O time mandante entrou em campo ostentado a 2ª posição com 12 pontos conquistados, enquanto os visitantes estavam na 5ª colocação com 10 pontos no seu ativo. Vale ressaltar que, até o momento, o Grupo 4 é o mais equilibrado da competição em termos de classificação e cada ponto conquistado poderá fazer a diferença.

A partida foi iniciada e logo nos primeiros minutos o Desportivo Brasil foi ao ataque, empurrando o time de Capão Bonito para o seu campo de defesa. A insistência ofensiva foi logo recompensada, aos 10 minutos, quando o meia Marcus Vinícius recebeu um passe açucarado no interior da área e tocou com precisão, marcando o primeiro gol do time vermelho.


Momento exato do arremate de Marcus Vinícius que resultou no gol do Desportivo Brasil. Foto: Orlando Lacanna. 

Mesmo em vantagem no marcador, o Desportivo Brasil não deixou de atacar e foi criando alguns bons momentos ao longo da primeira etapa, como aconteceu aos 24, 27 e 42 minutos, em jogadas que terminaram com as conclusões erradas de Romário, Jonathan Cafu e Marquinhos. O único arremate do Elosport que levou perigo à meta adversária aconteceu aos 29 minutos, numa cobrança de falta por intermédio de Wallace que saiu por cima do travessão.



Saída do goleiro Diego do Elosport desviando cruzamento. Foto: Orlando Lacanna.


Agora o goleiro do Elosport se preparando para praticar mais um defesa ainda no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna. 

Apesar do esforço das duas equipes, o placar não foi mexido até o término do primeiro tempo e, com isso, o placar ficou mesmo no 1 a 0 a favor dos mandantes que foram superiores na maior parte do tempo.

A segunda etapa começou e logo aos 4 minutos o Desportivo Brasil só não aumentou a diferença, graças à intervenção do zagueiro Alemão do time visitante, salvando embaixo da meta aquele que seria o segundo gol dos mandantes. O goleiro Diego deu uma bobeada, achando que a bola havia saído pela linha de fundo e permitiu ao esperto atacante Romário recuperar a bola e tocar para o gol vazio, mas aí o zagueiro entrou em ação e acabou com o perigo.


Zagueiro Alemão impedindo o segundo gol do Desportivo Brasil. Foto: Orlando Lacanna.

Com o passar do tempo, o Elosport foi gostando do jogo e partiu com mais determinação ao campo de ataque. Na marca dos 10 minutos, Alex perde ótima chance ao se atrapalhar todo na hora da conclusão, desperdiçando boa jogada criada pelo lateral Douglas. Aos 25 minutos, novamente o Elosport chegou perto da igualdade no marcador num arremate de Claudinei, mas para sua infelicidade viu a bola se chocar contra o poste direito da meta defendida por Cristiano (ex-Rio Branco de Americana).


Bola se chocando contra o poste da meta do Desportivo Brasil. Foto: Orlando Lacanna.

O período de maior domínio do Elosport continuou, tanto que aos 35 minutos, novamente Alex desperdiçou outra chance real de empatar a partida, errando o tiro final na cara do gol, após receber uma bola no interior da área, livre de marcação, aproveitando um cruzamento vindo da esquerda em cobrança de falta. A perda dessa chance levou o técnico e todos do banco de reservas ao desespero.. Foi um lance incrível.


Chance incrível desperdiçada pelo Elosport quase no fim da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos dez minutos o Desportivo Brasil se resguardou no campo de defesa e só saía em contra-ataques, sendo que numa dessas, aos 41 minutos, só não chegou ao seu segundo gol, por conta de outra intervenção da zaga do Elosport, agora através de Robson, salvando em cima da linha fatal um arremate de Jacinto que foi desviado nas costas do goleiro Diego que saiu para abafar o chute, mas mesmo assim a bola iria para o fundo da meta.


Zagueiro Robson evitando o segundo gol dos mandantes. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o resultado de Desportivo Brasil 1 - 0 Elosport, premiando a equipe que soube melhor aproveitar uma das chances que criou, enquanto o adversário desperdiçou todas que surgiram. Essa vitória manteve o time de Porto Feliz na 2ª colocação agora com 15 pontos, enquanto o time de Capão Bonito caiu para a 6ª posição, ficando com os mesmos 10 pontos.

Fim de espetáculo e retorno imediato para São Paulo, via Campinas, em companhia do amigo do JP, o Luciano Claudino. Durante a viagem trocamos ideias sobre outros jogos da Segundona que poderão ser acompanhados. Foi isso.

Abraços,

Orlando