Procure no JP

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Red Bull Campeão da Segundona 2009

Olá,

No último domingo pela manhã, foi realizado o jogo de volta da decisão do sensacional Campeonato Paulista da Segunda Divisão e por conta disso viajei até a cidade de Campinas, indo ao Estádio Moisés Lucarelli para conferir "in loco" o que rolou na partida entre o Red Bull F.E.L. contra o Atlético E. Araçatuba, completando a quarta decisão consecutiva da Segundona com a presença do JP: Em 2006 estivemos em Mogi das Cruzes no confronto União Mogi x Grêmio Catanduvense, em 2007 viajamos até Presidente Prudente para acompanhar Oeste Paulista x Itapirense e, no ano passado, fomos até Embu conferir PAEC x Batatais.

Ao chegar ao meu destino, fui para o interior do gramado aguardar a entrada dos times e dos árbitros para fazer as fotos oficiais da partida, bem como a dos troféus, as quais apresento abaixo:


Red Bull F.E.L. - Campinas/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Atlético E. Araçatuba - Araçatuba/SP. Foto: Orlando Lacanna.


O árbitro José Henrique de Carvalho e os assistentes Maria Eliza Correia Barbosa e Claudson Lincoln Beggiato acompanhados pelos capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.


Troféus de Campeão e Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Como na partida de ida, realizada em Araçatuba, o resultado foi 1 a 1, bastava ao Red Bull um simples empate para conquistar o título, uma vez que jogava por dois resultados iguais em razão de ter realizado melhor campanha nas fases anteriores. Por outro lado, ao Atlético Araçatuba só restava vencer para levantar a taça do título.

A partida foi iniciada num ritmo morno, com mais posse de bola do Red Bull, mas quem criou o primeiro lance mais agudo foi o Atlético, aos 12 minutos, num cruzamento traiçoeiro de Romarinho, com a bola fazendo uma curva e se chocando contra o travessão. Cinco minutos depois, o time visitante abriu o marcador através de Biro, após receber um passe de peito de Jackson que fez o papel de pivô.


Jogada de ataque do Atlético no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Depois de estabelecer a vantagem no placar, o Atlético assumiu uma postura mais defensiva, atraindo o Red Bull para o seu campo ofensivo, com o objetivo de explorar os contra-ataques. Dessa maneira, o time da casa passou a atacar sistematicamente, criando pelo menos três momentos que quase resultaram no gol de empate, como aconteceu aos 20, 24 e 29 minutos em jogadas com as participações de Henrique, Luciano Mandí e Zé Maria.


Um dos ataques do Red Bull pela esquerda. Foto: Orlando Lacanna.

O time visitante se segurava na defesa, porém aos 36 minutos, o atacante Biro (sempre ele) deu um tremendo susto no goleiro Luiz Fernando, num chute fortíssimo que passou muito perto. Cinco minutos depois, o Red Bull igualou o placar, num gol anotado por Cezar de cabeça, só escorando uma bola ajeitada, também de cabeça, pelo atacante Eydison, sendo que o empate perdurou até a conclusão da primeira etapa.


Outro ataque do Red Bull, agora pela direita. Foto: Orlando Lacanna.

Ao longo do intervalo o papo foi sobre a atitude que o Red Bull assumiria na etapa final, ou seja, se iria partir com tudo visando virar o placar, ou se iria assumir uma postura mais cautelosa. A resposta foi dada logo nos primeiros movimentos, quando aos 2 minutos, o atacante Cezar mandou de cabeça uma bola contra o travessão da meta guarnecida por Gabas do Atlético.


Bola indo de encontro ao travessão da meta do Atlético. Foto: Orlando Lacanna.

Logo após a bola no travessão, o atleta Zé Maria do Red Bull foi expulso infantilmente, pois deu um soco na bola objetivando mandá-la para o fundo da meta do Atlético. O árbitro, bem colocado, viu o lance e, acertadamente, lhe exibiu o cartão amarelo e, com era o segundo, recebeu em seguida o vermelho e foi para o chuveiro mais cedo.

Mesmo com um homem a menos, o Red Bull continuou em cima, tendo chegado ao seu segundo gol, aos 6 minutos, marcado, de cabeça, por intermédio de Eydison, após receber cruzamento preciso de Cezar vindo da direita. A contagem quase foi aumentada, aos 21 minutos, numa penetração em diagonal do ala Jefferson que acabou dando azar na conclusão, pois a bola foi para fora tirando tinta do poste esquerdo da meta adversária.


Bola no fundo da rede e o avante Eydison saindo comemorando o segundo gol do Red Bull. Foto: Orlando Lacanna.

A resposta do Atlético veio logo em seguida, aos 23 minutos, quando Sidnei chegou um milésimo de segundo atrasado e não alcançou a bola que foi cruzada da esquerda, desperdiçando uma chance de ouro que poderia modificar a história da partida.


Atacante do Atlético procurando invadir a área adversária. Foto: Orlando Lacanna.

A partir do trigésimo minuto, o Atlético intensificou as jogadas de ataque visando reverter a desvantagem e, com isso, acabou se expondo aos contra-ataques dos mandantes, sendo que numa dessas, aos 37 minutos, o meia Luciano Mandí saiu na cara do gol e marcou o terceiro tento do time do energético, levando a sua torcida ao delírio que passou a gritar "É Campeão!".

Quem pensava que o Atlético estava morto na partida, se enganou redondamente, pois aos 41 minutos, o ala Leandro diminuiu a diferença, calando por alguns segundos o grito da torcida local de "É Campeão!". Para aumentar ainda mais a preocupação dos torcedores locais, em seguida, o avante Jackson mandou uma bola contra o poste esquerdo da meta do Red Bull, quase decretando o empate, que não tiraria o título dos anfitriões, mas ratificaria o esforço da equipe araçatubense.

A bola rolou mais alguns minutos e em seguida o árbitro encerrou o jogo com o placar estampando Red Bull Brasil 3 - 2 Atlético Araçatuba que deu o primeiro título da história ao "Touro Vermelho", coroando uma boa campanha que resultou num aproveitamento de quase 64%. Foram 32 jogos, com 18 vitórias, 7 empates e 7 derrotas, tendo marcado 55 gols e sofrido 32, deixando um saldo positivo de 23. Tão logo a partida foi encerrada, os atletas e comissão técnica do Red Bull iniciaram uma festa no gramado, passando pelo pódio e terminando com a tradicional volta olímpica.


Início da comemoração dos Campeões ainda no interior do gramado. Foto: Orlando Lacanna.

Faço questão de registrar meus cumprimentos ao Atlético Araçatuba, não só pela boa apresentação, mas principalmente pela campanha que resultou na conquista do acesso à Série A3 em 2.010. Cabe ressaltar a superação dos atletas e da comissão técnica nessa conquista, em razão das muitas dificuldades que enfrentaram ao longo da competição e, mesmo assim, dignificaram o nome do clube e da cidade.


Atlético Araçatuba no pódio recebendo o honroso troféu de Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Como não poderia deixar de ser, deixo aqui também os meus cumprimentos aos atletas, comissão técnica, dirigentes e torcedores do Red Bull pela brilhante conquista, que poderá ser a primeira de uma série, pois trata-se de uma equipe que possui uma estrutura invejável, qual lhe permite pensar em grandes conquistas no futebol profissional.


Equipe do Red Bull recebendo o troféu de Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


Início da tradicional volta olímpica. Foto: Orlando Lacanna.


Atletas orgulhosos exibindo o troféu de Campeão. Foto: Orlando Lacanna.

Fim de mais uma competição de acesso que contou com ampla cobertura do JP, ficando desde já a expectativa pelo início da Segundona de 2010 que poderá contar com algumas novidades. Depois de tudo encerrado, pé na estrada novamente, retornando a São Paulo com aquele gostinho de dever cumprido. Foi isso.

Abraços,

Orlando

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Votoraty elimina o Mogi Mirim e está na final da Copa Paulista

Olá,

Num final de semana com jogos decisivos valendo por competições promovidas pela FPF, o JOGOS PERDIDOS mais uma vez se fez presente e a mim coube a grata missão de retornar à agradável cidade de Votorantim, mais precisamente ao Estádio Domênico Paolo Metidieri, para conferir a partida da volta entre o Votoraty F.C.L. e o Mogi Mirim E.C., valendo pelo Grupo 14 da Copa Paulista de Futebol.

Apesar de ter enfrentado um grande congestionamento até a entrada da Rodovia Castello Branco, fiz uma viagem sossegada, chegando ao meu destino com tempo suficiente para montar o esquema para fazer as fotos oficiais da partida, as quais são exclusivas e estão apresentadas abaixo:


Votoraty F.C.L. - Votorantim/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Mogi Mirim E.C. - Mogi Mirim/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem. Foto: Orlando Lacanna.

Como na partida de ida, realizada na cidade de Mogi Mirim, o "Sapão" saiu vitorioso por 2 a 1, bastava um simples empate ao time mogiano para chegar à decisão do título. Por outro lado, somente a vitória colocaria o "Tigre" de Votorantim na final da competição e, por conta disso, a expectativa era de que os donos da casa saíssem com tudo para o campo de ataque, buscando conquistar a vitória.

Com a bola em movimento, a expectativa inicial foi confirmada inteiramente, pois o Campeão da Série A3 desse ano, de fato saiu com tudo para cima da defesa mogiana, criando várias jogadas ofensivas que levaram perigo à meta defendida por Alex Alves. Os primeiros lances mais agudos ocorreram aos 4 e 10 minutos, ambos nos pés de Rafinha que não foi feliz nas conclusões.


Um dos ataques do Votoraty no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

O domínio dos anfitriões foi se acentuando, tanto que, na marca dos 14 minutos, o placar foi inaugurado por intermédio de Marcos Dias, num bonito chute desferido da entrada da área, levando seus torcedores a acreditarem que o seu time poderia chegar à final da Copa, mesmo enfrentando uma equipe da elite do futebol paulista.

Mesmo em vantagem no marcador, o Votoraty continuou mandando na partida até por volta dos 30 minutos, quando o Mogi Mirim se soltou mais para o campo ofensivo, criando alguns problemas para o setor defensivo do Votoraty, como aconteceu aos 31 minutos, em jogada do meia Fernando Gabriel que mandou um foguete por cima do travessão do gol defendido por Juliano, ao aproveitar uma bobeada na saída de bola por parte do zagueiro Anderson. Três minutos após, os visitantes chegaram ao empate, num gol de cabeça anotado por Adílson, ao aproveitar um centro na medida efetuado por Nando que realizou excelente jogada individual pela direita.


Momento exato do cruzamento de Nando para Adílson marcar o gol de empate. Foto: Orlando Lacanna.

Depois de sofrer o empate, o Votoraty voltou a assumir o controle das ações e logo recuperou a vantagem no placar, ao anotar o seu segundo gol, aos 38 minutos, através do zagueiro Henrique que tabelou com Rafinha, deslocando o goleiro com um leve desvio e mandando a bola para o fundo da rede mogiana, levando para o intervalo a vantagem de 2 a 1 para os donos da casa.


Jogada de ataque do Votoraty no final do primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Durante o período de descanso, começou uma forte chuva que me obrigou a deixar o gramado e me instalar num cantinho localizado na cabine de imprensa. De lá presenciei um segundo tempo equilibrado, com as duas equipes se alternando no campo de ataque, embora as jogadas ofensivas do Votoraty levassem mais perigo à meta adversária, como aconteceu na marca dos 26 minutos, numa jogada que contou com a participação de Alemão.


Jogada ofensiva de Rafinha pela esquerda. Foto: Orlando Lacanna.


Saída do goleiro Juliano neutralizando cruzamento mogiano. Foto: Orlando Lacanna.

A partida continuava lá e cá e, aos 35 minutos, o Votoraty ampliou o placar através do atacante Neizinho, concluindo de pé direito uma bola recebida com açúcar cruzada da direita. Nesse lance os atletas e o banco de reservas do Mogi Mirim reclamaram que teria ocorrido falta no início da jogada que resultou no cruzamento.


Mais um ataque do Votoraty na segunda etapa. Foto: Orlando Lacanna.

Nos últimos dez minutos, o Votoraty passou a tocar mais a bola, fazendo o tempo passar e, mesmo assim, nos acréscimos, chegou ao seu quarto gol, anotado por Marco Aurélio. Logo em seguida, o árbitro encerrou a partida com o placar final de Votoraty 4 - 1 Mogi Mirim que garantiu o time de Votorantim na grande final que será disputada contra o Paulista em jogos de ida (em Jundiaí) e volta (em Votorantim) nos dias 28/11 e 06/12. Vale lembrar que o vencedor da Copa Paulista terá vaga garantida na Copa do Brasil de 2.010.

Fim de jogo e imediato retorno para São Paulo, debaixo de uma chuva torrencial que acabou retardando minha chegada para um merecido descanso, mas nada que impedisse uma nova viagem, no dia seguinte, para acompanhar mais uma decisão de título. Aguardem.

Abraços,

Orlando

Tanabi se garante na final do sub-20 numa partida fantástica

Fala pessoal!

Depois de ver o Juventus perder sua partida pelo sub-20 na manhã do sábado, ficamos aguardando uma confirmação do seu Natal para vermos qual seria a segunda partida do dia. Depois de muita incerteza, finalmente conseguimos entender o que o nosso simpático amigo taxista dizia no telefone e conseguimos armar todo o esquema de seguir até a cidade de Porto Feliz, aonde um dos jogos da volta das semifinais do Campeonato Paulista sub-20 da 2ª divisão aconteceria no Estádio Dr. Julien Fouque. A partida entre Desportivo Brasil e Tanabi definiria um dos finalistas do torneio.

Mas esperar o seu Natal foi algo bastante complicado, pois perdemos alguns minutos preciosos ao abastecermos o carro, completarmos a caravana da coragem que encheu o táxi e também aguardando o moço comprar uma gaita (!) de um tiozinho altamente bizarro num dos pontos de parada ainda na capital paulistana. Após tudo isso, conseguimos finalmente pegar a estrada. Além do que vos escreve e do seu Natal, David, Jurandyr e o Mílton seguiram nessa viagem.


Dois momentos do seu Natal e do bizarro tiozinho que vendia gaitas (!) pelo bairro da Vila Madalena. Momento digno de filme do Fellini. Fotos: Fernando Martinez.

Seguimos pela Rodovia Castello Branco, e mesmo com o cronograma ajeitado corretamente acabamos sofrendo percalços na viagem causados única e exclusivamente pelo alto grau de surrealismo que pairava no ar. E já que estava ficando claro que o tempo para chegarmos antes do jogo se iniciar estava se esvaindo, a única alternativa era dar risada de tudo. E mesmo na correria para chegar cedo, adentramos o antigo estádio da AA Portofelicense antes das 16 horas, mas com o jogo já iniciado.

Mas era questão de honra ter as fotos oficiais dos times e do trio de arbitragem, e no intervalo conseguimos as mesmas. Agradecemos a simpatia do pessoal dos dois times e também do trio de arbitragem:


Desportivo Brasil PL (sub-20) - Porto Feliz/SP. Foto: Fernando Martinez.


Tanabi EC (sub-20) - Tanabi/SP. Foto: Fernando Martinez.


O árbitro Michel Douglas dos Santos e os auxiliares Fábio Luiz Freire e Willian Jorge Dias posando para a lente do JP. Foto: Fernando Martinez.

Um dos pontos interessantes desse jogo foi rever o time de Tanabi depois de sete anos. A única vez que tinha visto a equipe foi no antigo Estádio Orlando Baptista Novelli, ainda na extinta Série B3 jogando contra o ainda desconhecido Grêmio Barueri. Acredito que dificilmente teremos novamente uma partida dessas em alguma série do Campeonato Paulista, pelo menos a curto prazo.

Também nunca tinha visitado o Estádio Dr. Julien Fouque, e com certeza era um dos que mais queria assistir jogos de futebol. Casa da ainda existente AA Portofelicense, também foi palco de jogos do antigo Estrela de Porto Feliz e voltou a ser utilizado no futebol profissional esse ano, com a chegada do Desportivo Brasil à cidade. O local respira história, e muitos aspectos originais da sua inauguração ainda são preservados por lá. Legal também e ver o Rio Tietê passando calmamente pertinho das arquibancadas.


Arquibancada do Estádio Dr. Julien Fouque, casa da AA Portofelicense e local aonde o Desportivo Brasil manda seus jogos. Foto: Fernando Martinez.

E "calmo" com certeza não seria a melhor definição da partida que seria disputada entre os dois times. As duas equipes definiriam um dos finalistas da competição, e o primeiro jogo na cidade de Tanabi acabou com a vitória do Índio da Noroeste por 1x0. Um empate classificava a equipe verde, e o Desportivo Brasil precisava de uma simples vitória para se garantir na Final, já que tinha melhor campanha durante a competição.

Chegamos com dois ou três minutos de partida e logo fomos para a parte coberta do estádio, pois o calor que fazia era descomunal. E o jogo dentro de campo também estava com a temperatura elevada, sendo muito bem disputado pelos dois times. O Desportivo Brasil tentava encurralar o Tanabi no seu campo de defesa, mas a equipe verde levava muito perigo em contra-ataques rápidos e em finalizações dos seus bons atacantes.


Jogador do Desportivo Brasil matando a bola no peito para tentar armar mais um ataque do time. Foto: Fernando Martinez.

Aos 24 minutos um desses contra-ataques foi fatal para os donos da casa. O Tanabi chegou rápido pela direita do seu ataque, e o camisa 11 Gilsinho se livrou do zagueiro e tocou por cobertura, colocando a bola no canto direito do goleiro Guilherme e deixando o time visitante na frente do marcador. Se o time já tinha uma boa vantagem, agora o Desportivo teria que virar o jogo para se classificar.


Bola jogada dentro da área dos donos da casa, em ataque perigoso do Tanabi. Foto: Fernando Martinez.

Nos primeiros momentos após ter sofrido o gol, o time de Porto Feliz ficou assustado em campo, mas após os 30 minutos passou e tentar pelo menos deixar tudo igual no marcador ainda no tempo inicial. O time do Tanabi se defendia bem e parecia que levaria o jogo para o intervalo com a vantagem parcial.


Jogador do Tanabi sofrendo a marcação dura de zagueiro do Desportivo Brasil. Foto: Fernando Martinez.

Mas a equipe da casa acabou acertando o pé e virou o placar em apenas 3 minutos. Aos 41, o jogador Liliu achou uma brecha na defesa adversária e apareceu livre para deixar tudo igual. O time do Tanabi reclamou bastante de impedimento no lance, dizendo que uma das câmeras que filmava a partida mostrou a posição ilegal do atacante do Desportivo. Estávamos longe do lance, e fica complicado chegar a alguma conclusão.

E aos 44 veio a virada com o jogador João Paulo aproveitando mais um apagão da defesa do time do Tanabi. A festa da torcida do Desportivo presente no estádio foi grande, e finalmente o intervalo desse grande jogo veio com a parcial de 2x1 para os donos da casa. Nesse intervalo, além de conferir fotos históricas da AA Portofelicense no bar do estádio, fui para dentro do campo de jogo fazer as fotos posadas e acompanhar a segunda etapa da partida.


Tentativa de contra-ataque por parte do time do Tanabi no segundo tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

O jogo então recomeçou com o calor ainda mais intenso e com os times dando sangue dentro das quatro linhas, num jogo de futebol num altíssimo nível. E não demorou muito para que o jogo ficasse mais dramático para os donos da casa, já que aos 8 minutos o time do Tanabi chegou novamente ao empate, com o jogador Handerson entrando na área e chutando cruzado no canto direito do goleiro.


Chegada pelo alto do Desportivo, em bola que tirou tinta da trave. Foto: Fernando Martinez.

Agora não tinha mais jeito, e o técnico do Desportivo Brasil colocou mais atacantes para tentar o gol que levaria o time de Porto Feliz para a Final. O camisa 18 Rodrigo Cabeça entrou por volta dos 15 minutos e infernizou a defesa do Tanabi com suas investidas. O goleiro do time verde trabalhou bastante, e praticou pelo menos três defesas milagrosas evitando assim o terceiro gol dos donos da casa.

O jogo caminhava para o seu final dramático com o domínio total do time do Desportivo Brasil. A equipe do Tanabi tentava a todo custo segurar o marcador que garantiria sua vaga. O Índio da Noroeste tentava alguns contra-ataques mas não tinha sucesso. Um dos poucos aconteceu aos 40 minutos, e um dos zagueiros do time da casa fez uma falta boba na intermediária parando o atacante verde. O jogador José Cláudio foi para a cobrança e acabou marcando um golaço, com a bola quicando antes de chegar no goleiro e indo estufar as redes do time mandante.


Detalhe da bola estufando as redes do Desportivo Brasil no terceiro gol do Tanabi na partida. Foto: Fernando Martinez.


O jogador José Cláudio saindo para comemorar o gol da classificação do Tanabi. Foto: Fernando Martinez.

Muita festa no banco de reservas do Tanabi, que agora precisaria sofrer dois gols em pouco menos de 10 minutos para se classificar. Todos os jogadores do Desportivo foram para o campo de ataque, e até o goleiro da equipe se arriscou em bolas cruzadas na área. Mas a defesa do Tanabi não deixou nada passar e a tão sonhada classificação veio no apito final do árbitro do jogo.

Final de jogo: Desportivo Brasil 2-3 Tanabi. Grande vitória do time da longínqua cidade, que ganhou as duas partidas contra o bom time de Porto Feliz e agora faz a grande final do sub-20 da 2ª divisão contra o Elosport, que também surpreendeu e eliminou o favorito Amparo jogando fora de casa. As duas finais estão marcadas para os dois próximos sábados. E com certeza esse foi um dos melhores jogos do ano em que estive presente.


Festa dos jogadores do Tanabi após a classificação para a final. Foto: Fernando Martinez.

Ainda fiquei dentro do campo de jogo fazendo algumas imagens da festa do Tanabi pela suada classificação e após isso fui dar uma volta no estádio para conhecê-lo melhor. Mas era hora de voltar para São Paulo pois um temporal estava chegando. Mas a viagem de volta foi mais surreal ainda, pois o seu Natal e o Jurandyr erraram alguns caminhos e fomos parar quase na cidade de Tietê, 40 quilômetros depois da entrada da Castelo Branco que deveríamos estar.

Uma hora depois, finalmente chegamos na estrada rumo à capital do estado. Não antes sem parar em um posto para abastecermos e recarregarmos as baterias. E mesmo debaixo de um dilúvio que nos acompanhou até chegarmos em São Paulo, a viagem foi bastante interessante... uma das mais legais dos últimos tempos. E no próximo final-de-semana tem mais jogos da minha parte por aqui... mesmo com o ano acabando, ainda conseguimos encontrar alguns jogos perdidos.

Até lá

Fernando

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Mamoré garante título antecipado da Segundona Mineira

Olá pessoal,

No último sábado pela tarde fui até Santa Rita do Sapucaí, mais precisamente no Estádio Coronel Erasmo Cabral, para acompanhar a partida entre Pouso Alegre e Mamoré, válida pela penúltima rodada do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão.

O jogo era de vida ou morte para o rubro-negro do Sul de Minas, que ainda tinha chance de chegar entre os três primeiros do campeonato e conseguir o acesso ao Módulo II da 1ª Divisão de 2010. Já o Mamoré estava em busca não só do acesso, mas como também do título da competição. Por esse motivo o jogo prometia muito. Seguem agora as fotos oficiais dos times e do trio de arbitragem:


Pouso Alegre FC - Pouso Alegre/MG. Foto: Victor Minhoto.


EC Mamoré - Patos de Minas/MG. Foto: Victor Minhoto.


Trio de arbitragem e capitães das equipes. Foto: Victor Minhoto.

O jogo começou muito disputado, principalmente na intermediária, já que as duas defesas marcavam em cima e não davam espaço algum para os ataques. A partida transcorreu sem grandes chances de gol até os 18 minutos, quando o camisa 11 do Mamoré, Rodriguinho, entrou na área adversária, cortou o zagueiro e chutou com força no canto esquerdo do arqueiro do Pouso Alegre. Estava decretada a abertura no marcador.


Equipe rubro-negra tenta articular ataque, mas encontra dificuldades na marcação adversária. Foto: Victor Minhoto.

Como a derrota acabava com as chances de acesso do Pouso Alegre, a equipe tratou de se lançar ao ataque com mais ousadia, mas a defesa verde estava muito bem postada e justificava o fato do Mamoré ter a melhor campanha no campeonato. A rigor, os locais tiveram apenas uma grande oportunidade de empatar o placar ainda no primeiro tempo. O camisa 3 Fênix recebeu uma bola na pequena área e tocou por cima do goleiro, mas a zaga visitante afastou o perigo. Desta forma o jogo foi para o intervalo com vitória parcial do Mamoré.


Após boa jogada do camisa 3 Fênix, defesa do Mamoré salva o possível gol de empate. Foto: Victor Minhoto.

Para o segundo tempo a equipe mandante voltou com uma postura mais ofensiva, ou seja, desde o início comandou as ações e partiu para o ataque, entretanto, não conseguia se livrar da boa marcação adversária, tanto que as principais chances de gol eram apenas chutes de longa distância ou os já conhecidos "chuveirinhos" na área.


Zaga do Mamoré afasta o perigo em cruzamento na área durante o 2º tempo. Foto: Victor Minhoto.

Com o passar do tempo o Mamoré foi se aventurando em perigosos contra-atraques. Até que em um deles, aos 32 minutos, o camisa 14 Wallace entrou na área, recebeu um cruzamento da esquerda e só teve o trabalho de completar para o fundo do gol. A partir deste momento o banco do Mamoré passou a comemorar o resultado que dava o título a sua equipe. Já o Pouso Alegre mostrou muita raça e lealdade, pois em nenhum momento deixou de buscar o gol e não apelou para jogadas violentas.

Assim a partida terminou mesmo em Pouso Alegre 0x2 Mamoré. Com esse resultado a equipe de Patos de Minas não só garante o acesso, como também o título com uma rodada de antecedência da 2ª Divisão mineira. Além desse jogo, o Tombense gantiu o vice-campeonato e também o acesso ao vencer o Unitri, que agora está em quarto lugar e a um ponto do Tricordiano. Já o Pouso Algre ficou com a 5ª posição e o Fabriciano em 6º. Na última rodada o Tricordiano recebe o Unitri precisando apenas do empate para levar a terceira vaga no acesso.


Jogadores do Mamoré comemoram o acesso e o título. Foto: Victor Minhoto.

Antes de me despedir, vale ressaltar que o Pouso Alegre ainda acredita no acesso em razão de dois motivos. Em primeiro lugar, em anos anteriores, o Tombense subiu para o Módulo II e desistiu da disputa. Já em segundo, a Diretoria do rubro-negro informou que é possível que o Itaúna desista de disputar o Módulo II do próximo ano, ou seja, caso estas duas hipóteses venham a ocorrer o Pouso Alegre conseguiria o acesso.

Até a próxima,

Victor

Juventus fica em situação difícil no Paulista sub-20

Olá pessoal!

O final-de-semana aqui no JOGOS PERDIDOS começou sábado cedo, com o início dos jogos das Quartas-de-Final do Campeonato Paulista sub-20 da 1ªdivisão. Numa partida adiantada para às 10 da matina, Juventus e Palmeiras se enfrentariam no Estádio Conde Rodolfo Crespi, a Rua Javari, para começar a definir um dos semifinalistas da competição.

Sem maiores problemas, cheguei cedo no estádio grená e logo encontrei o pessoal amigo da Rede Vida por lá. Eles iriam transmitir a partida, e antes da peleja começar consegui conversar um pouco com os amigos que fizemos lá nesses anos de luta. Depois de muito papo, já fui fazer as fotos oficiais e exclusivas das equipes e do simpaticíssimo trio de arbitragem.


CA Juventus (sub-20) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


SE Palmeiras (sub-20) - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.



Os capitães dos times com um simpático trio de arbitragem na Javari: O árbitro José Roberto Marques e os auxiliares Rafael Ferreira da Silva e Danilo Ricardo Simon Manis. Foto: Fernando Martinez.

Após as fotos saí do campo de jogo e fui acompanhar o primeiro tempo no ataque juventino no gol das árvores da Javari. E muitas das figurinhas carimbadas do templo grená estavam ali, como por exemplo o "jovem macebo" Alfredo e o Sérgio Manjuillo, o homem do cabelo molhado. Junto com o David, o Jurandyr e também o Mílton, todos nós vimos o Juventus começar a partida em cima da defesa palmeirense.


Chute de longe do ataque grená no começo de partida. Foto: Fernando Martinez.

Só tinha um problema na performance juventina: a equipe abusava do direito de perder gols. O time chegava bem pela direita e pela esquerda, mas os atacantes não conseguiram acertar o pé para deixar a equipe na frente do marcador. O Palmeiras não conseguia entrar dentro da área juventina, e até os 30 minutos de jogo a equipe do Parque Antárctica ainda não tinha chutado a gol.


Chegada do Juventus pela direita do seu ataque. Foto: Fernando Martinez.

Mas após os 30 minutos o Palmeiras deu mostras da sua força dentro do campeonato e foi fatal nas primeiras vezes que chegou ao ataque. Aos 32 o time perdeu um gol feito, com um dos seus atacantes chutando pra fora uma bola que recebeu sem marcação. Aos 33 o jogador Nádson se aproveitou de uma falha coletiva da zaga grená e tocou com classe para abrir o marcador. E aos 40, o jogador Fernando cobrou falta com extrema precisão no canto esquerdo do goleiro grená e ampliou para o time visitante.


O goleiro do Palmeiras fazendo a defesa em bom chute juventino. Foto: Fernando Martinez.

Em três chegadas o Palmeiras fez dois gols, deixando o onze juventino em situação difícil na partida e por consequência no campeonato. O intervalo chegou com a vantagem de 2x0 para o time verde. Junto com o intervalo o calor começou a dar as caras pela Javari, e muita água começou a ser consumida sem moderação.


A faixa da eterna Ju-Jovem no jogo entre Juventus e Palmeiras. Foto: Fernando Martinez.


Boa saída do arqueiro alviverde em ataque pelo alto do Juventus. Foto: Fernando Martinez.

Para o segundo tempo, entrei no campo de jogo para acompanhar o que poderia ser o último tempo do ano no estádio do Moleque Travesso. Mas o Juventus sentiu demais os dois gols do Palmeiras e não conseguiu criar boas chances para pelo menos diminuiur o marcador. Para piorar a situação, o time visitante teve um pênalti a seu favor aos 23 minutos. Na cobrança, o jogador Felipe bateu com precisão e praticamente fechou o placar do sábado.


Terceiro gol palmeirense em cobrança de pênalti. Foto: Fernando Martinez.

O Juventus então se lançou ao ataque, mas o dia não era mesmo da equipe do bairro da Móoca, e mesmo criando algumas oportunidades boas perto do apito final, a equipe não conseguiu diminuir a grande diferença que o Palmeiras conseguiu conquistar.


Boa chance desperdiçada pelo ataque grená no final da partida. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Juventus 0-3 Palmeiras. Agora o onze grená precisa "só" vencer o time alviverde por quatro gols de diferença na partida do próximo sábado para conquistar a vaga para as semifinais do sub-20. Acho muito, mas muito difícil que isso venha a acontecer... e é uma pena, pois agora só veremos jogos na Javari na Série A3 2010, a via-crucis juventina do próximo ano.

Após esse jogo, ficamos nos bastidores da Javari acompanhando notícias da sucessão presidencial do clube, em eleições marcadas para o próximo mês de dezembro. Conversamos também com um dos candidatos à presidente, e vimos que boas idéias para um grande futuro grená são realidade por ali. Vamos torcer para um Juventus forte, independente de qual candidato ganhe essas eleições.

E para a sessão vespertina de jogos, não tínhamos muita certeza do que faríamos, mas o seu Natal acabou dando as caras e fomos fazer uma viagem mágica e misteriosa por uma cidade que nunca tinha visitado e além disso vimos uma grande partida de futebol.

Até lá!

Fernando