Procure no JP

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Nacional de Manaus aplica a maior goleada da Copinha

Olá,

Mantendo o pique da mega cobertura que o JOGOS PERDIDOS vem fazendo "in loco" da 39ª Copa São Paulo de Futebol Júnior, para não perder o costume, novamente botei o pé na estrada, e no domingo à tarde segui em direção a cidade de Piracicaba. O meu destino foi o Estádio Barão de Serra Negra, local aonde seria realizada a última rodada dupla da primeira fase do Grupo N da Copinha. O Jogo de abertura foi Nacional F.C. de Manaus/AM contra o Ypiranga Clube de Macapá/AP, cujas equipes juntamente com a arbitragem estão nas fotos abaixo:


Nacional F.C. (Sub 20) - Manaus/AM. Foto: Orlando Lacanna.


Ypiranga Clube (Sub 20) - Macapá/AP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem formado por Luciano Rodrigo Lealdini, seus assistentes Valter Ferreira Mariano e Michel Ferreira da Silva, além do quarto árbitro Bruno César Teixeira. Foto: Orlando Lacanna.

Antes de falar do jogo, faço questão de registrar que nesse jogo tive a oportunidade e o prazer de rever o Sr. Lázaro da Federação Amazonense de Futebol que me deu um baita apoio quando da minha ida a Manacapuru e Manaus no ano passado. Trocamos muitas idéias sobre o futebol amazonense e deixei meio agendado um retorno meu lá pelas bandas do Amazonas.

O Nacional entrou em campo com o firme propósito de não só vencer, mas também de fazer uma diferença de gols expressiva para tentar uma das vagas pelo índice técnico e, diante disso o time manauara foi para cima logo de cara e foi sufocando os amapaenses no seu campo de defesa.

Logo aos 6 minutos o Nacional abriu o placar num belo gol de Marquinho em jogada individual pela meia direita e que culminou com um chute forte no meio do gol do Ypiranga.


Bola estufando a rede do Ypiranga no primeiro gol da goleada histórica. Foto: Orlando Lacanna.

Depois do primeiro gol, o Nacional passou a dominar inteiramente a partida e, logo aos 10 minutos o zagueiro e capitão Luan marcou o segundo gol. Não deu nem tempo do Ypiranga tentar se arrumar e aos 13 minutos o avante Raí chegou ao terceiro gol e, como estava muito fácil, o quarto gol saiu aos 18 minutos, marcado novamente por Marquinho, sendo que o quinto gol saiu aos 26 minutos por intermédio de Stanley em ótima cobrança de falta pelo lado esquerdo.


Um dos muitos ataques do Nacional no primeiro tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Como desgraça pouca é bobagem, o Ypiranga teve um dos seus zagueiros expulso por ter dado um "chega pra lá" num jogador do Nacional dentro da área. Pênalti marcado e convertido por Raí aos 38 minutos, levando para o intervalo o placar de 6 a 0 para o time amazonense.


Sexto gol do Nacional marcado por Raí em cobrança de pênalti. Foto: Orlando Lacanna.

No intervalo o papo que rolou foi sobre quantos gols mais o Nacional iria fazer, pois o jogo estava muito fácil e a cada ataque o perigo rondava a meta do Ypiranga. O segundo tempo começou e o rosário de gols não parou, tanto que Stanley, Diogo e Marquinho marcaram mais três gols aos 7, 16 e 21 minutos, aumentando a vantagem para 9 a 0 até então.


Mais um ataque nacionalista pelo lado direito. Foto: Orlando Lacanna.


Oitavo gol do Nacional, marcado por Diogo. Foto: Orlando Lacanna.

Após a marcação de 9 gols, o Nacional continuou em cima e a contagem parou de crescer por uns vinte minutos, graças aos milagres que o goleiro Renan do Ypiranga praticou , evitando pelo menos mais quatro gols.


Na avalanche de atques do Nacional, agora um pela esquerda. Foto: Orlando Lacanna.

Quando todos esperavam que o Nacional já estava satisfeito, eis que aos 40 minutos, o avante Romário marcou o décimo gol de pênalti e não parou por aí, pois aos 46 e 48 minutos, Robinho e Vasconcelos encerraram a contagem. Ufa! Agora acabou.


Décimo gol marcado por Romário de pênalti. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o placar apontando a incrível goleada de Nacional 12 - 0 Ypiranga que acabou sendo a maior contagem dessa Copinha e classificou os amazonenses para a fase do mata-mata, quando enfrentará o Fluminense/RJ na cidade de São Carlos. Com relação ao Ypiranga, ficaram as lições e o ganho de experiência. Faço questão de ressaltar que apesar do placar elástico, os jogadores do Ypiranga demonstraram muito espírito de luta.

Apito final do árbitro e novamente a correria para conseguir as fotos dos times e da arbitragem do jogo de fundo entre XV de Novembro x Flamengo, mas isso será contado depois. Por ora foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário