Procure no JP

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Barueri com grande vitória na Série B

Fala pessoal!

Ontem tivemos mais uma rodada noturna aqui no JOGOS PERDIDOS. E mais uma vez fomos assistir um jogo do Campeonato Brasileiro da Série B. Mas dessa vez não estive no Canindé e sim na bonita Arena Barueri, para ver um time que não consegui ver no estádio rubro-verde, o Ipatinga de Minas Gerais, logicamente agora jogando contra os donos da casa, o Grêmio Barueri.

Aliás esse confronto teve cobertura do JP no ano passado no Octogonal Final da Série C. Na ocasião o time mineiro venceu por 3 a 0 e a história prometia ser diferente se dependesse do ânimo dos mais de 11 mil torcedores presentes. Entre eles, também o Jurandyr e o amigo Fernando Correia.


Visão geral do jogo entre Barueri e Ipatinga. Foto: Fernando Martinez.

Mas antes de falar do jogo fica registrado a dureza que é assistir jogo por lá. Por mais bonito que o estádio seja, ter gente furando fila a rodo na entrada, gente sentada nos corredores de acesso e o famoso pessoal que fica em pé nas confortáveis cadeiras, que pelo que me parece servem para se sentar. Não adianta beleza sem um pouco de educação... quem sabe um dia a história não muda por lá?

Bom, falando do jogo, esperávamos uma partida difícil para o time da casa, mas durante o primeiro tempo vimos um futebol ótimo apresentado pelo Barueri. O Ipatinga não viu a cor da bola e tomou um sufoco proporcionado pelo bom ataque barueriense. Aos 8 minutos o time abriu o placar com Rodrigo Pontes. Depois o time marcou mais um, numa boa troca de passes no ataque com finalização de cabeça de Pedrão aos 28 minutos.


Lance do segundo gol dos donos da casa. Foto: Fernando Martinez.

Para fechar a supremacia do time no primeiro tempo, mais um gol de Pedrão aos 45 minutos. Acho que nem o time da casa esperava levar o jogo para o intervalo com a vitória parcial de 3 a 0. No intervalo fomos tentar conseguir algo para degustar, mas o proibitivo preço de R$ 3 por iguaria não nos deixou colocar a mão no bolso.


Mais um escanteio para o Barueri no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

Na volta do segundo tempo, logo aos 2 minutos tivemos a interrupção o jogo por falta de energia de um lado do estádio. Tudo bem que o futebol é profissional, mas eu já joguei bola N vezes com menos luz que tinha por lá. Fazer o quê?


A "penumbra" em Barueri quando da falta de luz no começo do segundo tempo e os refletores desligados. Fotos: Fernando Martinez.

Mas até que não demorou muito para a luz voltar e na volta o Ipatinga fez um gol que quase ninguém no estádio viu, acho que só o Alessandro, autor do gol, observou. Não houve comemoração do time mineiro, da sua pequena torcida e muito menos uma reação negativa do pessoal da casa. Estranhíssimo. Mas quando o jogo poderia ficar difícil, o Barueri colocou a casa no lugar e fez mais um golaço, através do jogador Éverton. Jogo definido.


Placar do estádio mostrando o placar "quase" final do jogo. Foto: Fernando Martinez.

O Ipatinga ainda fez mais um, mas não dava tempo pra mais nada. Final de jogo: Grêmio Barueri 4-2 Ipatinga. O Barueri entra na briga por uma vaga na Série A de 2008, enquando o Ipatinga vê a Portuguesa e o Vitória o ultrapassarem. Faltam cinco jogos, e a emoção está só começando.

Depois do jogo ainda voltamos tranquilos para São Paulo, já no clima de três anos de JOGOS PERDIDOS que serão comemorados na quinta-feira, 1º de novembro!

Até mais

Fernando

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Bragantino continua líder do Octogonal Final da Série C

Fala povo!

Depois do jogo do sábado, fiquei sem saber o que iria assistir no domingo, graças à famosa falta de verba que assola os nossos bolsos. Como diriam os Beatles, consegui seguir para uma rodada genial "com uma pequena ajuda dos meus amigos" (escutem "With A Little Help From My Friends"). Então segui para um jogo que eu diria que era imperdível pelo Campeonato Brasileiro da Série C.

Seguimos para a cidade de Bragança Paulista para a partida entre o Bragantino e o glorioso Nacional AC de Patos, na Paraíba, válida pelo Octogonal Final da Terceirona. Mais do que um jogo em que o Braga não poderia pensar em perder pontos, a partida nos trouxe o time da Paraíba até São Paulo, coisa que pelo menos em jogos oficiais acredito que nunca tenha acontecido. E com a nossa famosa Lista ganhando mais um time, fomos autorizados a entrar no gramado do Estádio Marcelo Stéfani para as fotos, exclusivas, das equipes e do trio de arbitragem:


CA Bragantino - Bragança Paulista/SP. Foto: Fernando Martinez.


Nacional AC - Patos/PB. Foto: Fernando Martinez.


O quarteto de arbitragem da partida. Foto: Fernando Martinez.

Além da caravana da coragem que foi comigo pela Fernão Dias (Jurandyr, Fernando Correia e Mílton), o Estevan deu as caras por lá, num breve interlúdio da sua nova vida litorânea e o Victor, recém-chegado demais uma aventura pela segundona mineira. E o jogo valia muito, já que se ganhasse, o alvinegro se manteria na liderança isolada do Octogonal, após sua quinta rodada.

Das numeradas do Marcelo Stéfani vimos um primeiro tempo simplesmente arrasador do time da casa. O Nacional não passou do meio-campo durante toda a primeira etapa e o Bragantino encurralou os paraibanos para o campo de defesa, sem dar tempo para respirar.


Lance no meio-de-campo no jogo entre Bragantino e Nacional/PB. Foto: Fernando Martinez.

Mas o Braga teve um pequenino problema no primeiro tempo: não acertou suas finalizações. O time teve bola na trave, gol perdido na pequena área, chutes de longe... mas todos os lances foram desperdiçados, para desespero do bom público presente por lá.


Sem mais ninguém na foto, zaga do Bragantino afasta bola num lance isolado no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.


Ataque perdido pelo Braga no primeiro tempo de jogo. Foto: Fernando Martinez.

Conforme o tempo ia passando, ficava mais claro que o time precisava acertar o pé para poder ganhar o jogo. E mesmo com o jogo indo para o intervalo sem a abertura de contagem, ficava a certeza que no segundo tempo a coisa poderia ser diferente. Nesse intervalo fomos em busca das tradicionais guloseimas e achamos um salgadinho extremamente artificial de bacon por lá, amplamente aprovado pelo pessoal do JP.

Bom, e na volta do segundo tempo, não demorou nada para o Braga finalmente fazer a festa da torcida. Logo no primeiro minuto, o jogador Davi recebu passe pela direita e chutou colocado da entrada da área. A bola entrou calmamente no canto esquerdo do goleiro do Nacional e levou a torcida à loucura.


Mais uma disputa de bola no meio-de-campo. Foto: Fernando Martinez.

O Nacional então tinha que tentar melhor sorte, e deu seu primeiro chute contra o gol dos anfitriões aos 9 minutos, isso para calma defesa de Gléguer. E o time paraibano até tentou algo, mas o time não estava em um dia inspirado. O Bragantino, por sua vez, perdeu mais gols e a chance de ficar tranquilo no jogo. E o jogo seguiu nesse panorama até seu final, aonde o placar não foi mais alterado.


Boa defesa do goleiro do Nacional/PB no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Final de jogo: Bragantino 1-0 Nacional/PB. Mesmo sem fazer saldo de gol, foi uma boa vitória do Bragantino, que perdeu a chance de construir um melhor saldo de gols. Mas mesmo assim o time ainda é líder isolado do Octogonal Final após cinco rodadas. E depois do jogo foi só voltar por uma incrível Fernão Dias sem trânsito para ficar de boa até a madrugada... já pensando no que fazer para comemorar nosso terceiro aniversário na quinta-feira!

Até mais

Fernando

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Clima de decisão em Santa Rita do Sapucaí

Olá pessoal,

No último domingo pela manhã estive no Estádio Municipal Erasmo Cabral, em Santa Rita do Sapucaí/MG, para acompanhar o embate entre Santarritense e Tupynambás, válido pela penúltima rodada da 1ª Fase do Campeonato Mineiro da 2ª Divisão. Como ambas as equipes estavam lutando pela classificação o jogo prometia muitas emoções. Vale destacar ainda que o Tupynambás, de Juiz de Fora, estava afastado das competições profissionais há vinte e quatro anos e sua volta foi muito comemorada pelo JP.


Santarritense FC - Santa Rita do Sapucaí/MG. Foto: Victor Minhoto.


Tupynambás FC - Juiz de Fora/MG. Foto: Victor Minhoto.


Capitães das equipes, árbitro Rogério Pereira Costa e assistentes Marcus Vinícius Gomes e Frederico Soares Vilarinho. Foto: Victor Minhoto.


Pela primeira vez no JP o escudo do Tupynambás. Foto: Victor Minhoto.

O jogo começou aberto e muito disputado, com boas oportunidades para ambas equipes, mas paraceria que estava faltando algo. Quem conhece a Santarritense sabe muito bem que as confusões são lugar comum em seus jogos e era exatamente isso que estava faltando, mais garra e determinação das equipes.

Com o passar da primeira etapa os ânimos foram se acirrando aos poucos, até aos 43 minutos da etapa inicial o zagueiro Reginaldo, dos visitantes e o artilheiro Giliard, dos locais, em um lance fora da disputa de bola trocaram cotoveladas. O assistente número 1 viu o ocorrido e relatou ao árbitro, que corretamente exulsou os dois briguentos. Assim, a etapa inicial terminou sem abertura de marcador, com leve superioridade do Santarritense, e promessa de fortes emoções no segundo tempo.


Disputa de bola acirrada na 1ª etapa. Foto: Victor Minhoto.

Como esperado a etapa final começou quente, logo aos 8 minuntos, após uma bela tabela com o bom lateral direito Zé Carlos, o centroavante Alexandre Alvin sobrou na cara do gol e só teve o trabalho de inaugurar o marcador para a equipe vermelha.


No final da etapa inicial o ataque do Santarritense dava mostra de que daria muito trabalho a zaga adversária no 2º tempo. Foto: Victor Minhoto.

Esse gol mexeu com os brios da equipe do Sul de Minas, que a partir daí passou a buscar o ataque de forma mais incisiva. Em contrapartida a equipe da Zona da Mata se acomodou com a vantagem e cometeu um erro decisivo, tentou se fechar na defesa e garantir o resultado. O castigo veio aos 19 minutos, em uma cobrança de escateio a zaga do Tupynambás não cortou o cruzamento rasteiro e a bola sobrou livre para o camisa 10 Éder Dias acertar um chute certeiro no canto direito superior do arqueiro visitante.


Éder Dias aproveita a bobeada da zaga adversária e iguala o placar em favor do Santarritense. Foto: Victor Minhoto.

A partir daí os visitantes acordaram em decidiram recuperar os espaços peridos, o que deixou o jogo aberto e com várias alternativas. Quando a partida se encaminhava para o final, e tudo aparentava estar definido, mais precisamente aos 42 minutos, o camisa 11 Diego do Santarritense, de fora da área, acertou um lindo chute no canto direito da meta adversária e decretou a virada no marcador, levando os 240 pagantes ao delírio.


Durante o disputado 2º tempo, defesa do Tupynambás tenta segurar o ataque do Santarritense. Foto Victor Minhoto.

A partir daí foi administrar o resultado e esperar o jogo terminar em Santarritense 2x1 Tupynambás. Apesar deste resultado a situação continua difícil para a equipe do Sul de Minas, já que ela folga na última rodada e somente se classifica se o Fabril perder em casa do Poços de Caldas e o Varginha for derrotado por pelo menos quatro gols pelo Itaúna. Já o Tupynambás, mesmo com a derrota, só depende das próprias forças na última rodada, quando enfrenta em casa o já classificado Passense.

Até a próxima,

Victor

Juventus nas semifinais da Copa FPF Heróis de 32

Opa,

No final-de-semana que antecede o terceiro aniversário do JOGOS PERDIDOS não tivemos tanta opção de jogos assim (todo ano quando vai se acabando fica sem graça para nós), mas mesmo assim estivemos presentes em partidas decisivas pelos campeonatos que ainda estão em andamento. No sábado à tarde, estive presente num jogo válido pela Copa FPF Heróis de 32. O jogo em questão foi na fantástica Rua Javari e reuniu os times do Juventus e do Olímpia.

Fazia tempo que não via o time de Olímpia, já que minha última partida vista deles tinha sido em 2002, e por ser jogo decisivo não poderia estar fora dessa. E antes de falar do jogo, vamos mais uma vez com as fotos exclusivas dos times posados, cortesia do JP:


CA Juventus - São Paulo/SP. Foto: Fernando Martinez.


Olímpia FC - Olímpia/SP. Foto: Fernando Martinez.

Essa foi a partida de volta das quartas-de-final da Copa, e o Juventus tinha enorme vantagem, já que tinha vencido o jogo fora de casa pelo placar de 3 a 2. Os grenás até poderiam perder o jogo por um gol de diferença, enquanto o Olímpia tinha a difícil missão de vencer por dois gols de diferença. Mas o Olímpia começou bem, e logo aos 7 minutos Bispo abriu o placar num chute de fora da área que ainda bateu na trave antes de entrar. Susto na torcida de 500 pessoas presentes na Javari.


Começo de jogo e o Olímpia foi marcando forte. Foto: Fernando Martinez.

Mas aos poucos o Juventus foi mostrando que era melhor time e passou a dominar a partida, tanto que aos 15 minutos empatou o jogo. Depois de chute que rebateu na zaga, o jogador Márcio só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes do Olímpia. E o time visitante sentiu o gol...


Falta perigosa para o Juventus no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

O Juventus acabou virando o jogo aos 26 minutos, com o mesmo Márcio escorando belíssimo cruzamento da direita. Definitivamente o Juventus não queria dar chances para o azar. Por todo o resto do primeiro tempo, o Juventus foi quem perdeu mais chances de ampliar o placar. O Olímpia sentiu bastante a virada e não deu muito trabalho para a zaga juventina.


Agora falta para o Olímpia, também no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo fomos fazer a famosa confraternização nos bastidores da Javari, sempre animada. E como já virou tradição, fomos curtir o ótimo saduba de mortadela que é vendido por lá. E reitero, é uma das melhores iguarias em estádios de São Paulo, senão a melhor! Bom, para o segundo tempo o Olímpia voltou bem e perdeu algumas preciosas chances de empatar o jogo, todas salvas por grandes intervenções do goleiro juventino ou salvas em cima da linha pelos zagueiros juventinos.


Chance de ouro perdida pelo Juventus no segundo tempo, quando o atacante chegou um pouco atrasado. Foto: Fernando Martinez.

Mas se tinha suas chances, o Olímpia deixava sua defesa aberta, e nessas o Juventus perdeu também chances incríveis para ampliar. E teve um gol anulado que foi bastante reclamado pelos presentes. De onde eu estava me pareceu que o gol foi realmente legal. Conforme o tempo foi passando, a chuva do final de tarde veio chegando e no final do jogo um dilúvio caiu na Javari.


Lance do final da partida entre Juventus e Olímpia, com uma chuva monstro rolando na Javari. Foto: Fernando Martinez.


Placar eletrônico mostrando o jogo "Tus x Olímpia" e lâmpada acesa por causa da chuva na Javari. Será que ela fará parte do sistema de iluminaçãoi do estádio? Fotos: Fernando Martinez.

E mesmo com a chuva não deu tempo para mais nada. Final de jogo: Juventus 2-1 Olímpia. Os Atomic Grapes agora enfrentam o difícil time do Mogi-Mirim em busca de uma vaga em algum torneio nacional em 2008. Mais do que difícil, essas duas partidas prometem ser históricas.


Turma da casa presente na Javari no sábado. Vale registrar a carinha de animação do Sérgio Manjuillo, penúltimo da esquerda para a direita. Foto: Fernando Martinez.

E foi só, e ficando nos vestiários da Javari fiquei esperando a torrencial chuva passar para conseguir voltar para minha adorável casa... sem saber o que ainda faria no domingo.

Até mais

Fernando

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Efemérides Futebolísticas: 26 de outubro

Fala pessoal!

Hoje é a sexta-feira que antecede mais um aniversário do JOGOS PERDIDOS. E vamos mais uma vez com algumas EFEMÉRIDES FUTEBOLÍSTICAS fornecidas pelo Denis Haddad. Hoje temos eventos de 25, 26 e 27 de outubro. Começamos então com os dias 25 e 27:

- 25 de outubro de 1947 - sábado à tarde - Campeonato Paulista - Pacaembu - Comercial, da Capital, 4 x Portuguesa Santista 1.
- 25 de outubro de 1959 - domingo - Campeonato Paulista da Primeira Divisão de Profissionais - Parque São Jorge - Corinthians 2 x Ferroviária 0, com 32.419 pagantes. Foi o maior público da história do Estádio Alfredo Schurig.
- 25 de outubro de 1961 - quarta-feira á noite - Campeonato Paulista da Divisão Especial - Vila Belmiro - Jabaquara 4 x XV de Novembro,de Piracicaba, 2, com 714 pagantes.
- 25 de outubro de 1982 - segunda-feira à tarde - Campeonato Estadual do Rio de Janeiro - Estádio Luso-Brasileiro - Portuguesa 3 x Flamengo 2, com 7.147 pagantes. Curiosamente, a Portuguesa que também já havia vencido o Fluminense por 1x2, no Maracanã, em 25 de setembro, acabou sendo rebaixada para a Segunda Divisão de Profissionais.
- 27 de outubro de 1956 - sábado à tarde - Campeonato Carioca - Maracanã - Flamengo 12 x São Cristóvão 2. Até hoje, é a maior goleada ocorrida no Estádio Mario Filho.
- 27 de outubro de 1963 - domingo pela manhã - Campeonato Paulista de Juvenis - Estádio Nicolau Alayon - Nacional 9 x Ypiranga 3.
- 27 de outubro de 2004 - quarta-feira - Campeonato Estadual do Amapá - em Macapá - São José 17 x Santos 2. Carlos Weber assinalou 10 gols.
- 27 de outubro de 2006 - sexta-feira à tarde - Campeonato Alagoano da Segunda Divisão de Profissionais - Estádio Rei Pelé, rodada dupla - Sete de Setembro 0 x Capela 3 e Universal 1 x Santa Rita 0, com arrecadação de R$ 298,50 e 113 pagantes, tendo sido devolvidos 487 ingressos.

E, agora, 26 de outubro:

- 26 de outubro de 1919 - domingo - Campeonato Paulista - campo do Ypiranga, na Avenida Água Branca - Ypiranga 9 x Associação Atlética das Palmeiras 1.
- 26 de outubro de 1924 - domingo - Torneio Extra - campo do Paulistano, no Jardim América - Braz Athlético 5 x Portuguesa de Desportos 5.
- 26 de outubro de 1930 - domingo - Campeonato Argentino da Primeira Divisão - Racing Club 4 x Barracas Central 1.
- 26 de outubro de 1947 - domingo - amistoso em Salvador - Bahia 7 x São Paulo 2.
- 26 de outubro de 1952 - domingo - Campeonato Paulista da Primeira Divisão - Estádio Nicolau Alayon - Nacional 0 x Portuguesa Santista 0.
- 26 de outubro de 1958 - domingo - Campeonato Paulista da Primeira Divisão - Estádio Américo Guzelli, em Santo André - Ypiranga 1 x São Paulo 5. Última partida oficial entre essas equipes, devido ao rebaixamento do Ypiranga em dezembro daquele ano.
- 26 de outubro de 1968 - sábado à tarde - Taça de Prata - Morumbi - Palmeiras 3 x Bangu 1.
- 26 de outubro de 1975 - domingo à tarde - Campeonato Brasileiro - Parque Antartica - Palmeiras 2 x Santa Cruz 3, com 26.113 pagantes.
- 26 de outubro de 1977 - quarta-feira à noite - Campeonato Brasileiro - Maracanã - Fluminense 6 x Vitória-ES, 0, com 6.612 pagantes.
- 26 de outubro de 1986 - domingo - Campeonato Paulista da Terceira Divisão de Profissionais - Estádio Espanha - Jabaquara 0 x Embu-Guaçu 2.
- 26 de outubro de 1997 - domingo - Campeonato Brasileiro da Série A - Morumbi - São Paulo 7 x União São João 1, com arrecadação de R$ 12.519,00 e 1.325 pagantes.
- 26 de outubro de 2003 - domingo - Campeonato "Sub 15" do Departamento de Canelones, no Uruguai - Wanderers 10 x Juanicó 1.
- 26 de outubro de 2005 - quarta-feira à noite - Campeonato Brasileiro da Série A - Parque Antartica - Palmeiras 2 x Figueirense 2, com renda de R$ 59.894,00 e 4.658 pagantes.

Bom, e por enquanto é só. E hoje também temos que informar que essas foram as últimas efemérides publicadas por aqui com a colaboração do Denis Haddad. Depois desse ano e meio fornecendo esses incríveis dados e resgatando a memória do futebol, ele infelizmente não terá tempo hábil para nos fornecer as informações. Mas em breve devemos encontrar algum jeito de voltarmos com as geniais efemérides futebolísticas aqui no JP. Aliás um grande obrigado ao Denis pela parceria!

Até mais

Fernando

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Uma Volta ao Passado, volume 25: EC Cabo Branco (João Pessoa/PB)

EC CABO BRANCO


Escudinho do EC Cabo Branco na sede social do clube. Foto: Estevan Mazzuia.

Olá, amigos!

Hoje tenho o enorme prazer de contribuir com um post da fantástica série "Volta ao Passado" com uma visita a um clube que foi um dos maiores times do futebol paraibano. Falo do Esporte Clube Cabo Branco, time da cidade de João Pessoa e que tive o enorme prazer de conhecer. A origem do nome do clube, logicamente é que Cabo Branco dá nome a uma praia da cidade, e um famoso farol bem próximo à Ponta do Seixas, o ponto mais oriental das Américas.


Entrada do clube social Cabo Branco, na cidade de João Pessoa. Foto: Estevan Mazzuia.


O clube é belíssimo, o melhor da capital pataibana. Foto: Estevan Mazzuia.


Quadra poli-esportiva do Cabo Branco. Foto: Estevan Mazzuia.

A equipe foi fundada em 1915 por jovens de João Pessoa que resolveram tornar as "peladas" disputadas por eles em algo oficial. O time participou de forma vitoriosa do primeiro jogo promovido pela Liga Desportiva Paraibana, isso em 1919.

Graças à popularidade obtida com o futebol, isso aliado a uma forte estrutura social, financeira e administrativa, fez com que o Cabo Branco se transferisse para o Hipódromo de Jaguaribe. Vários esportes co-existiam, mas de longe o maior sucesso era da equipe de futebol. A equipe foi campeã estadual em 1915, 1918, 1920, 1924, 1926, 1927, 1929, 1931, 1932 e 1934. Mas em 1942 a equipe se afastou do profissionalismo para nunca mais voltar. Na época, o time era o maior campeão do estado, e ainda hoje segura a quarta posição no ranking dos maiores campeões paraibanos.


Time do Cabo Branco Campeão Estadual em 1920. Reprodução: Livro "A história do futebol paraibano", de Walfredo Marques.


Aqui a equipe posada em 1923. Reprodução: Livro "A história do futebol paraibano", de Walfredo Marques.

Fora do profissionalismo, o clube se preocupou em construir sua memória baseado muito na parte social. O clube é muito bem localizado e possui uma linda sede social, com boa estrutura para a prática esportiva, e reuniões sociais.


Piscinas do clube. Foto: Estevan Mazzuia.


Campo de futebol dentro das dependências do clube. Foto: Estevan Mazzuia.




Quadras de tênis. Foto: Estevan Mazzuia.


Sala de troféus do clube, com suas inúmeras conquistas. Foto: Estevan Mazzuia.

Infelizmente, o retorno ao futebol profissional não faz parte dos planos da atual diretoria mas, para nossa alegria, é esplendoroso saber que um grande campeão do passado mantém com galhardia tão exuberante patrimônio! Realizado com a oportunidade, deixei as dependências do clube com aquela gostosa sensação de dever cumprido. Mas a minha viagem de férias ainda proporcionou outras tantas emoções... É só aguardar!

Abraços

Estevan (fotos e relato da viagem) / Fernando (informações históricas e redação)

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Guarani larga na frente na Copa FPF

Olá,

Após ter conferido no sábado uma bela partida pela Segundona, no domingo pela manhã, peguei a Rodovia Anhanguera e rumei até Campinas, indo ao belo Estádio Brinco de Ouro da Princesa, para acompanhar ao jogo Guarani F.C. x C.A. Linense, válido pela terceira fase da Copa FPF - Heróis de 32, fase essa que está sendo disputada no sistema de mata-mata, sendo que o segundo jogo será na cidade de Lins por conta do Linense ter realizado melhor campanha nas fases anteriores.

Essa partida chamou minha atenção, não só pela sua importância, mas também por todo clima nostálgico que a cercava, pois desde 1.958 esse confronto não era realizado. O Elefante da Noroeste permaneceu na Primeira Divisão por cinco anos (1.953 a 1957) e após o seu rebaixamento não mais duelou com a equipe campineira. Deixando a nostalgia de lado, vamos à apresentação dos protagonistas do espetáculo que aparecem nas fotos abaixo:


Guarani F.C. - Campinas/SP. Foto: Orlando Lacanna.


C.A. Linense - Lins/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem composto por Claudinei Forati Silva, seus assistentes Marco Antônio Monteiro Bagatella e Sérvio Antônio Bucioli, além do quarto árbitro Jenkis Barbosa dos Santos com os capitães das equipes. Foto: Orlando Lacanna.

Como o Guarani precisava reverter a vantagem, tomou a iniciativa da partida e apresentou no início maior volume de jogo, criando algumas oportunidades que não foram aproveitadas pelos seus atacantes.


Oportunidade desperdiçada pelo ataque bugrino. Foto: Orlando Lacanna.

O Linense, por sua vez, jogava fechadinho e só saía em rápidos contra-ataques. Com o passar do tempo, os visitantes apertaram a marcação e conseguiram equilibrar as ações, sendo que em alguns momentos apresentaram um certo domínio territorial, porém não o suficiente para inaugurar o placar e com isso a primeira etapa terminou sem abertura de contagem.


Disputa pela bola junto a lateral. Foto: Orlando Lacanna.


Matada de bola com estilo. Foto: Orlando Lacanna.

No início da segunda etapa, logo no primeiro minuto, o Bugre perdeu a maior chance de abrir o placar através de Eder que se aproveitou de uma falha da defesa adversária, mas acabou chutando para fora, deixando seus torcedores decepcionados.


Arrancada do atacante campineiro no segundo tempo. Foto: Orlando Lacanna.

Após esse lance, contrariando as expectativas, foi o Linense que mais chegou próximo à marcação do primeiro gol, desperdiçando pelo menos três boas chances, sendo que numa delas o volante Rocha mandou uma bomba de fora da área com a bola desviando na zaga e se chocando contra o poste esquerdo do goleiro David. Aos 23 minutos, o Linense teve o atleta Elias expulso por ter recebido o segundo cartão amarelo e, com isso permitiu ao Guarani maior volume de jogo, mas mesmo assim o time campineiro não era objetivo no seu ataque.


Cobrança de falta que não resultou em nada. Foto: Orlando Lacanna.

Quando tudo indicava que o placar iria ficar em branco, eis que o zagueiro Samuel do Linense, num lance de total infelicidade, marcou de cabeça aos 39 minutos um belo gol, só que contra a sua própria meta. Nos acréscimos houve um lance polêmico na área do Guarani, com os jogadores do Linense reclamando de pênalti que não foi marcado. Embora a minha posição não fosse das melhores, pois estava atrás do gol oposto, fiquei com a impressão de que foi mais um choque do que um lance faltoso.


Jogadores do Linense cercam a arbitragem ao final da partida. Foto: Orlando Lacanna.

Partida encerrada com o marcador apontando Guarani 1 - 0 Linense que serviu apenas para dar ao Bugre a vantagem do empate no segundo jogo, quando haverá a definição da equipe que passará para a quarta fase. Uma vitória simples do Linense lhe dará a classificação por ter feito melhor campanha nas fases anteriores e, portanto, a classificação está em aberto.

Após o apito final do árbitro, iniciei o retorno a São Paulo para aproveitar o almoço dominical e ter um bom descanso, uma vez que o calor que enfrentei em Campinas não foi brinquedo.

Abraços,

Orlando